Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

É hora de demitir Saied da Tunísia, diz oposição

Secretária-geral do Movimento Partido Lamia Al-Khameri [alirada.tn]

O presidente tunisiano, Kais Saied, desperdiçou todas as oportunidades disponíveis para o diálogo e é hora de ser demitido pelo Parlamento, disse a secretária-geral do Partido do Movimento ao Al-Quds Al-Arabi.

Lamia Al-Khameri disse que Kais Saied “excedeu até os limites da lógica e da racionalidade” por meio das medidas que tomou para orquestrar seu golpe.

Suas ações, explicou ela, “tornaram a ordem presidencial mais poderosa do que a Constituição e ele cancelou a Constituição do país por ordem presidencial. Tornou-se necessário removê-lo”.

Ela acrescentou: “Pessoalmente, apoio a renúncia de Rached Ghannouchi da presidência do Parlamento e de seu vice, para dar prioridade ao interesse do país e também para responder a todos que o veem como parte da crise”.

LEIA: Renúncias do Ennahda, na Tunísia, ‘não levam a um novo partido’

“Depois disso, uma hipotética sessão parlamentar deve ser convocada para retirar o voto de confiança a Kais Saied por causa de seu golpe contra a Constituição e o sistema de governo, violando a lei e seu juramento constitucional. Sou a favor da realização desta sessão, mas depois Ghannouchi se demite.”

“Vejo que já passou o tempo de diálogo com Saied. A solução agora é isolá-lo, porque dois meses desde o golpe custaram muito caro para a Tunísia, sua economia e sua imagem no mundo”, continuou.

Em 25 de julho, o presidente tunisiano Kais Saied citou o artigo 80 da constituição para demitir o primeiro-ministro Hicham Mechichi, suspender as atividades do parlamento por 30 dias, abolir a imunidade dos ministros e nomear-se chefe do poder executivo até a formação de um novo governo.

Isso aconteceu depois que protestos violentos estouraram em várias cidades tunisianas criticando a forma como o governo estava lidando com a economia e o coronavírus, com manifestantes pedindo a dissolução do parlamento.

A maioria dos partidos políticos do país considerou a medida um “golpe contra a Constituição” e as conquistas da revolução de 2011.

Categorias
ÁfricaNotíciaTunísiaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments