Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel adiciona Iêmen às suas frentes de combate ativas

Um lutador leal aos rebeldes Huthi do Iêmen pisa bandeiras dos Estados Unidos e de Israel pintadas no chão durante um comício na capital Sanaa, em 22 de agosto de 2020, para protestar contra o acordo mediado pelos Estados Unidos para normalizar as relações entre Emirados e Israel. [Mohammed Huwais/AFP via Getty Images]
Um lutador leal aos rebeldes Huthi do Iêmen pisa bandeiras dos Estados Unidos e de Israel pintadas no chão durante um comício na capital Sanaa, em 22 de agosto de 2020, para protestar contra o acordo mediado pelos Estados Unidos para normalizar as relações entre Emirados e Israel. [Mohammed Huwais/AFP via Getty Images]

Os israelenses aumentaram significativamente as conversas sobre o surgimento de uma nova frente de ameaça representada pelo Iêmen, que não existia antes, seja em termos dos houthis mirando navios da marinha israelense no Mar Vermelho, seja lançando mísseis contra Israel em retaliação aos ataques israelenses contra o Irã.

Os últimos dias testemunharam o que pode ser descrito como uma luta de boxe entre Israel e os houthis no Iêmen, que dependem da ajuda do Irã e estão recebendo instruções do Hezbollah. Com isso, o chefe do Estado-Maior do Exército israelense, Aviv Kochavi, alertou sobre um ataque vindo do Iêmen, que levou os houthis a responderem que é melhor para Israel continuar preocupado com seus próprios assuntos, porque, se tomar uma ação militar contra eles, estourará uma guerra que o prejudicará.

Embora Israel e Iêmen estejam separados por mais de dois mil quilômetros, os israelenses acreditam que os houthis têm mísseis de longo alcance que podem atingir as cidades de Eilat e Beersheba, no sul de Israel, além de os navios israelenses navegando no Mar Vermelho e no Estreito de Bab El-Mandab, e que utilizam minas marítimas e pequenos barcos explosivos para atentados suicidas contra navios de grande porte.

Estimativas israelenses sugerem que o Irã ficará muito confortável se a retaliação contra Israel pelos assassinatos dos altos funcionários iranianos Qasem Soleimani e Mohsen Fakhrizadeh vier do Iêmen, apesar de também estar considerando atacá-lo do Iraque. Assim, teria transferido drones e mísseis de cruzeiro para suas bases de milícias lá. Enquanto no Iraque eles podem trabalhar sem permissão do governo de Bagdá, o Irã só precisa convencer os houthis no Iêmen da necessidade de atacar o exército israelense.

LEIA: O legado do general Qassem Soleimani

A transformação do Iêmen em uma nova arena com Israel significa que ele se juntará ao “círculo de fogo” iraniano contra Israel, especialmente porque este último opera no Mar Vermelho há anos, evitando o contrabando de armas iranianas e protegendo cargas de navios israelenses.

Manifestantes iemenitas que são leais ao grupo Houthi participam de uma manifestação contra o anúncio da normalização diplomática entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, em 22 de agosto de 2020 em Sana'a, Iêmen. [Mohammed Hamoud/Getty Images]

Manifestantes iemenitas que são leais ao grupo Houthi participam de uma manifestação contra o anúncio da normalização diplomática entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, em 22 de agosto de 2020 em Sana’a, Iêmen. [Mohammed Hamoud/Getty Images]

Submarinos israelenses estão operando a mil quilômetros de Tel Aviv, e é verdade que eles não navegam debaixo d’água no Golfo, mas operam na costa iemenita e estão em alerta. Principalmente depois dos movimentos do Irã na região, já que este pode tentar atacá-los a partir do Iêmen ou do Iraque.

Israel tem informações de que o Irã está desenvolvendo drones e mísseis inteligentes no Iraque e no Iêmen que podem atingir seu solo, mas para chegar ao Mar Vermelho os submarinos navais israelenses devem passar abertamente, em coordenação com os egípcios, pelo Canal de Suez.

A ameaça houthi não se limita aos navios mercantes israelenses, mas também faz do Iêmen uma plataforma de lançamento de mísseis balísticos contra Israel, que está acompanhando de perto a guerra no país, sobretudo o desenvolvimento das capacidades de financiamento e treinamento iranianos. Isso confirma que há uma mudança fundamental para Israel, a de que o Irã está agora buscando desenvolver armas de precisão, ou seja, mísseis que podem atingir qualquer alvo no Oriente Médio.

LEIA: Houthis condenam plano dos EUA para designá-los ‘terroristas’

Os dados israelenses sugerem que, enquanto desenvolve suas capacidades militares, o Irã quer ficar estacionado no Iraque e na Síria e, além disso, quer que as armas no Iêmen cheguem a Israel também, de modo que o Iêmen está entre no círculo vicioso através do qual o Irã busca sitiar Israel. Isso pode levar este último a enviar várias ferramentas de espionagem para monitorar os desenvolvimentos de perto.

Já não é segredo que os Emirados Árabes Unidos e Israel planejam estabelecer bases de inteligência conjuntas na ilha de Socotra, a 350 quilômetros da costa do Iêmen, para coletar informações sobre o transporte marítimo no Golfo de Aden, no Chifre da África e no Egito .

O recente despacho de submarinos israelenses para as águas do Mar Vermelho, e depois para a região do Golfo, foi uma fonte de preocupação para os houthis no Iêmen e, portanto, eles mostraram um estado de segurança e preparação militar para realizar todos os tipos de ações qualitativas operações.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Arábia SauditaArtigoÁsia & AméricasEAUEUAIêmenIrãIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments