Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os mais velhos ainda podem sentir o cheiro de sua terra natal, o cheiro da Palestina

Jondiaa Awwad Al Dheini, palestina que vive no campo de refugiados de Jerash, na Jordânia, 29 de dezembro de 2020
Jondiaa Awwad Al Dheini, palestina que vive no campo de refugiados de Jerash, na Jordânia, 29 de dezembro de 2020

Os refugiados palestinos continuam sendo um dos maiores e mais sofridos grupos de deslocados do mundo. A questão dos refugiados, que teve origem na declaração de independência de 1948 pelo estado de Israel na Palestina ocupada, ainda está no centro do conflito palestino-israelense. Milhões de palestinos ainda estão no exílio devido à Nakba de 1948 (Catástrofe). A maioria vive na Jordânia, Líbano, Síria, Faixa de Gaza e Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental. De acordo com a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos no Oriente Próximo (UNRWA), mais de 2,2 milhões de refugiados palestinos vivem em dez campos oficiais na Jordânia. As condições socioeconômicas nesses campos são, em sua maioria, pobres, com alta densidade populacional. Vários estudos foram realizados para explicar a vida precária dos refugiados palestinos que estão no exílio há quase quatro gerações.

As pessoas compartilham medos, desafios e prazeres por meio de suas histórias pessoais. Às vezes, eles encontram algo em comum para se conectar e se comunicar com outras pessoas ao redor do mundo. Algumas dessas histórias têm o poder de nos motivar e inspirar. Eu me deparei com uma dessas histórias quando estive na Jordânia de março a outubro deste ano.

Jondiaa Awwad Al-Dheini, 48, é uma das dezenas de milhares de palestinos que vivem no Campo de Refugiados de Gaza (Jerash). Seus pais se mudaram para a Jordânia após a Guerra dos Seis Dias em 1967 e não foram autorizados a retornar às suas terras devido à ocupação de Israel. Como o nome indica, a maioria dos refugiados no campo veio da Faixa de Gaza.

LEIA: Canadá aprova US$90 milhões à UNRWA; Israel e Emirados tentam fechar a agência

Jondiaa Awwad Al Dheini, palestina que vive no campo de refugiados de Jerash, na Jordânia, 29 de dezembro de 2020

Jondiaa Awwad Al Dheini, palestina que vive no campo de refugiados de Jerash, na Jordânia, 29 de dezembro de 2020

Nascida e criada no campo, Jondiaa é assistente social há mais de dez anos em organizações internacionais e nacionais em Jerash. Ela entende bem a situação.

“Tenho trabalhado em organizações humanitárias há muitos anos”, ela me disse, “e tenho que saber como posso aumentar o bem-estar socioeconômico de nosso povo [refugiados palestinos] no campo. Este é um dos principais motivos porque procuro sempre aprimorar meus conhecimentos.”

Cinco irmãos de Jondiaa morreram na Jordânia. A vida não foi fácil lá. Um de seus irmãos tinha apenas oito meses quando morreu. “Ele era o caçula da nossa família”, explicou ela. “Fiquei muito triste porque era a pessoa que cuidava dele quando minha mãe não estava em casa. Sempre ficava animadoa para vê-lo e brincar com ele. Ainda tenho lembranças dele.”

Era uma família pobre; O pai de Jondiaa trabalhava na construção. Ela cresceu em um abrigo – a UNRWA não os chama de casas – no qual a cozinha e o banheiro ficavam no mesmo cômodo. As coisas mudaram ao longo dos anos?

“Ainda é difícil hoje; toda a nossa vida é apenas difícil. Não temos direitos humanos universais como pessoas normais. Por exemplo, não posso trabalhar em um emprego que corresponda às minhas habilidades. Os empregos de alta qualificação estão fechados para nós. Temos que pagar mais do que os jordanianos para ter uma carteira de habilitação. Há muitos problemas que posso mencionar. ”

LEIA: A árvore de dinheiro dos Estados Unidos e sua ajuda a Israel

Entre 1948 e 1967, a Faixa de Gaza foi administrada pelo Egito, enquanto a Jordânia cobria a Cisjordânia. É por isso que o governo jordaniano não sente qualquer responsabilidade em dar cidadania e direitos iguais aos refugiados do acampamento Jerash, sem os quais eles enfrentam restrições sobre onde podem trabalhar e em que profissões.

Campo de refugiados de Jerash na Jordânia, 29 de dezembro de 2020

Campo de refugiados de Jerash na Jordânia, 29 de dezembro de 2020

Apesar de todas as dificuldades, Jondiaa tem paixão em aprimorar suas habilidades para poder contribuir positivamente com a comunidade de refugiados do acampamento. Ela é uma daquelas pessoas que nunca desiste. Já com dois diplomas básicos, ela está estudando para um terceiro. Quando perguntei o que a motiva, ela me disse: “Somos pessoas que foram forçadas a deixar sua terra natal devido à invasão de Israel. Temos que melhorar nossas habilidades. Se não formos pessoas instruídas, isso não será bom para a causa palestina. A educação é nosso único poder para criar um futuro melhor. ”

Devido à falta de oportunidades de emprego, Jondiaa trabalha principalmente com organizações humanitárias em contratos de curto prazo. Atualmente, ela está trabalhando com uma organização local no campo Jerash para capacitar os idosos. Ela tem organizado alguns eventos sociais para idosos que não têm família no acampamento.

“Gosto de trabalhar para prestar serviços às pessoas vulneráveis ​​do acampamento, mesmo que não receba qualquer pagamento. Trabalho especialmente para os idosos, porque estão entre os mais vulneráveis. Algumas dessas pessoas nasceram na Palestina e outras viveram por duas guerras em 1948 e 1967. Eles foram forçados a deixar sua terra natal e vieram para cá por segurança. Vejo que estão sofrendo. Quero ajudá-los. Quero mostrar que não estão sozinhos. Além do mais, os mais velhos ainda podem sentir o cheiro de nossa terra natal; eles ainda podem sentir o cheiro da Palestina ”.

Esse senso de identidade é muito importante, porque os palestinos que não têm documentos de identidade jordanianos são basicamente excluídos da sociedade fora do campo. Essa documentação, acredita Jondiaa, resolveria uma série de problemas que os refugiados enfrentam. Apesar das muitas barreiras e obstáculos que enfrenta como refugiada palestina, ela está otimista. Além disso, ela espera voltar um dia à sua terra natal para viver em paz.

LEIA: História de um prédio em SP que é quase um campo de refugiados!

Campo de refugiados de Jerash na Jordânia, 29 de dezembro de 2020

Campo de refugiados de Jerash na Jordânia, 29 de dezembro de 2020

Como um primeiro passo, talvez o governo de Amã devesse reconsiderar sua política para refugiados originários da Faixa de Gaza, muitos dos quais, como Jondiaa Al-Dheini, poderiam dar uma contribuição valiosa para a sociedade em geral, e não apenas para a comunidade de refugiados na qual eles vivem. Ela é realmente inspiradora, então os jordanianos deveriam pensar um pouco nas palavras do grande poeta palestino Mahmoud Darwish:

Ao preparar seu café da manhã, pense nos outros. Não se esqueça de alimentar os pombos.

Enquanto você luta em suas guerras, pense nos outros. Não se esqueça daqueles que exigem paz desesperadamente.

Ao pagar sua conta de água, pense em outras pessoas que bebem da chuva.

Ao voltar para casa, sua casa, pense nos outros. Não se esqueça dos que moram em tendas.

Enquanto você dorme e conta os planetas, pense nos outros. Existem pessoas sem abrigo para dormir.

Ao se expressar usando todas as expressões metafóricas, pense em outras pessoas que perderam o direito de falar.

Ao pensar em outras pessoas que estão distantes, pense em si mesmo e diga ‘Eu gostaria de ser uma vela para dissipar a escuridão’. “

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelJordâniaOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments