Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

História de um prédio em SP que é quase um campo de refugiados!

Reportagem especial da ocupação Leila Khaled

Moradora da ocupação Leila Khaled relata a situação do prédio

Em 29 de agosto de 1969, o vôo 840 da TWA decolou de Los Angeles para Tel Aviv via Roma, Itália, transportando 116 passageiros a bordo.

No avião estava uma militante palestina chamada Leila Khaled, que mais tarde entrou para a história como a primeira mulher no mundo a sequestrar um avião de passageiros. Depois do sequestro no meio do voo de Roma para Tel Aviv, ela o desviou para a capital síria, Damasco. Ela e seu parceiro na operação Salim al-Issawi libertaram todos os passageiros e explodiram o avião.

Leila Khaled disse na época que o objetivo da operação era libertar vários prisioneiros palestinos e chamar a atenção do mundo para a justiça da causa palestina.

Ela tentou depois de um ano sequestrar outro avião israelense (El Al), mas falhou e ela foi presa na capital britânica Londres.

Desde então, Leila Khaled tem sido considerada uma um símbolo da resistência palestina e suas fotos se espalharam nos campos de refugiados palestinos dentro e fora dos territórios palestinos ocupados como um título de heroísmo e um símbolo de resistência e luta contra a ocupação.

Falei da história da lutadora Leila Khaled, porque ela imediatamente voltou à minha memória quando fui surpreendido por uma grande foto dela cobrindo a entrada de um prédio em uma rua da cidade de São Paulo. Nunca me ocorreu ver tal cena em nenhuma cidade do Brasil, mas na foto havia o rosto da militante com a kufiyya palestina e a perspicaz resistência.

Foto de Leila Khaled no prédio [Monitor do Oriente Médio]

Foto de Leila Khaled no prédio [Monitor do Oriente Médio]

Quando vi essa cena, eu e meu amigo que me acompanhava quisemos examinar cada detalhe do lugar! Também ficamos surpresos com uma imagem de “Handala palestino” pintada nas portas de uma loja abaixo do mesmo prédio, e para quem não conhece Handala, é uma assinatura do cartunista palestino Naji Al-Ali, e tornou-se com o tempo um símbolo da identidade palestina! A cena de Handala com Leila Khaled despertou nossa curiosidade em perguntar na vizinhança sobre o prédio e quem mora nele!

Foto de Handala nas lojas do prédio [Monitor de Oriente Mèdio]

Foto de Handala nas lojas do prédio [Monitor de Oriente Mèdio]

A partir daqui a história começa … a história de um prédio que é quase um acampamento palestino!

Este edifício é composto por mais de 20 andares, propriedade de um banco brasileiro, mas não tem escritórios, e várias famílias o ocuparam e moraram ilegalmente por quase 6 anos, Dividiram os pátios dos andares em cômodos usando painéis de madeira que não os isola completa e suficientemente. A situação continua a mesma desde então, pois a lei não permite que eles saiam do prédio contra sua vontade. Foi o que nos disse a administração do prédio formado por 3 pessoas que pertencem ao famoso grupo movimento Terra Livre no Brasil, que se tornou responsável pelos moradores da arquitetura e os defendeu perante o judiciário brasileiro.

Famílias de diferentes nacionalidades moram no prédio, incluindo brasileira, boliviana, síria, argelina, libanesa, iraquiana e egípcia, mas a maioria delas é de nacionalidade palestina, já que mais de 15 famílias palestinas moram no prédio, originárias do campo de Sbeneh na Síria, que veio para o Brasil após a crise síria, e o número de familiares varia entre 4 e 5 pessoas, além de um palestino do Iraque, todas essas famílias pagam uma mensalidade fixa (cerca de US$ 50) por gestão de edifícios em troca de serviços de eletricidade e água e outras coisas!

LEIA: Refugiados são resultado da xenofobia no mundo

Esporte de escadas!

Os residentes deste edifício sofrem de grandes problemas, visto que ele é muito antigo e os pisos não são adequados para habitação. Pelo contrário, foram feitos para grandes e amplos escritórios. Cada família usa o tamanho proporcional às suas necessidades de habitação de formas simples, e o escoamento de água não é saudável. Entendemos que a água não é adequada para beber devido à interferência na água de esgoto, e há pouco tempo várias famílias foram envenenadas por beber a água.

Todas as famílias palestinas vivem nos andares 9, 10 e 11, e o que mais o choca é que o prédio não tem elevador! Ou seja, se você quer sair e voltar, tem que praticar um esporte especial que chamamos de “esporte escada” com o título de 1500 degraus para baixo e mesmo para cima. Meu amigo e eu praticamos esse esporte muito extenuante enquanto procurávamos conversar com essas famílias e conhecê-las mais de perto, e conseguimos convencê-los a contar sua história e transmiti-los à comunidade externa.

Todas as famílias sobem 1.500 degraus nesta escada do prédio para voltar para casa [Monitor do Oriente Médio]

Todas as famílias sobem 1.500 degraus nesta escada do prédio para voltar para casa [Monitor do Oriente Médio]

Do acampamento de Sbeneh na Síria ao acampamento de Ain Al-Hilweh no Líbano … e depois para o Brasil

Hassan, que mora no 11º andar com sua esposa e filho, de apenas 10 dias de idade, diz que veio para o Brasil após uma jornada muito árdua que começou do acampamento de Sbeneh na Síria ao acampamento de Ain Al-Hilweh no Líbano e depois para São Paulo.

Hassan e todos os membros de sua família deixaram o campo de Sbeneh na Síria sob a barragem de bombardeios e confrontos em 2012, e se mudaram para o Líbano para pousar no campo de Ain Al-Hilweh no sul do Líbano, onde ele viveu com seu pai e sua mãe, além de 5 outras famílias de seus parentes em apenas um quarto. Este foi o caso da maioria das famílias deslocadas da Síria na época.

A amargura de morar no campo e as difíceis condições sociais do Líbano, além da restrição do estado libanês aos refugiados para trabalharem legalmente e o racismo praticado contra eles, fizeram Hassan buscar qualquer oportunidade de sair do Líbano, então se casou com sua prima e decidiu se mudar para o Brasil. Contando com a ajuda de amigos que moram no mesmo prédio, e ele conseguiu isso em 2015, e até agora vive nele.

Hassan diz: “Viemos ao Brasil e o povo brasileiro nos recebeu de braços abertos, e o tratamento que nos dispensou foi muito elegante e respeitoso, e o governo não nos impediu de trabalhar. Aluguei uma pequena barraca na rua que chamei de “Casa Palestina” e vendi tudo que podia ser vendido. Não achei racismo nas pessoas daqui. Em vez disso, todos os meus clientes eram brasileiros e minha renda mensal era de aproximadamente US$ 300, mas as circunstâncias da epidemia de covid-19 este ano me impediram de trabalhar. Agora estou sem emprego há mais de 10 meses “.

Placa que Hassan colocou em sua moradia [Monitor do Oriente Médio]

Placa que Hassan colocou em sua moradia [Monitor do Oriente Médio]

Hassan continua contando sobre sua vida com a esposa no prédio: “Vivemos como se estivéssemos no campo de Sbeneh, atendendo às necessidades uns dos outros e zelando pelo conforto um do outro. Se alguém reclamar, você encontrará todos no prédio procurando ajudá-lo e mitigar seu infortúnio. Nós éramos pessoas de um mesmo campo e hoje somos pessoas de um prédio e devemos permanecer juntos. ”

Hassan agora mora temporariamente fora do prédio, esperando que sua esposa se recupere dos efeitos de uma cesariana! porque ela não pode subir 1500 degraus nas escadas neste caso! Por isso, ele foi forçado a alugar um quarto por um valor alto nas circunstâncias de covid-19, enquanto estava sem trabalho e aguardando recuperação. Hassan diz, com lágrimas nos olhos, “minha esposa é minha força neste isolamento e sem ela não posso continuar, e não vou encontrar apoio para mim nesta vida como o dela.”

Quarto que Hassan alugou temporariamente [Monitor do Oriente Médio]

Quarto que Hassan alugou temporariamente [Monitor do Oriente Médio]

Doutor em genética … mas tem gosto de cicuta!

No prédio, também encontramos um homem que mora em um quarto cuja área não pode ultrapassar 10 metros quadrados. Seu estado é péssimo e não contém as condições básicas. Este homem, de 63 anos, é o professor Dr. Issam Issa, professor dos palestinos do Iraque, doutorado em genética e criação de animais por uma universidade romena, e doutorado na Universidade de Bagdá. Ele veio para o Brasil depois de ser deslocado do campo de al-Ruwaished, na fronteira do Iraque com a Jordânia, em uma história bem conhecida que ocorreu em 2007. Este campo foi completamente fechado depois que o Brasil concordou em hospedar seus residentes palestinos.

O médico, que mora no prédio há mais de dois anos, conta que se sentiu solitário no exílio após ter sido separado da esposa e dos filhos pelas duras condições do exílio e pela dificuldade de viver. Mas as circunstâncias da epidemia de covid-19 também o privaram de qualquer trabalho.

Entrada da sala do Dr. issam, que preferiu não fotografar o interior [Monitor de Oriente Médio]

Entrada da sala do Dr. issam, que preferiu não fotografar o interior [Monitor de Oriente Médio]

Como pode um professor de uma das ciências mais importantes não encontrar trabalho? O Dr. Issam respondeu a essa pergunta, dizendo: “Quando vim para o Brasil, retifiquei minha graduação e estudei português e passei em todos os testes que me qualificam para a educação em universidades brasileiras, e consegui um emprego de um ano em uma universidade do sul do Brasil, mas aqui no Brasil a prioridade é para egressos das universidades brasileiras, isso é o que eu entendi do processo educacional e profissional, e estou tentando há mais de 5 anos conseguir um emprego na minha área, mas não consegui até agora ”.

LEIA: Me negaram patentes internacionais por ser refugiado palestino

Uma designer de moda também mora no prédio ..

A palestina Intisar (60 anos) mora neste prédio há 5 anos, e ela é uma designer de interiores e estilista que exerceu sua profissão com grande sucesso na Síria, e sua história começou quando ela conseguiu deixar o acampamento de Sbeneh com o irmão, fugindo da guerra da Síria, para o Líbano, para morar em Shatila (um campo de refugiados palestinos) localizado na capital libanesa de Beirute. Ela morou lá apenas por um ano antes de se mudar para o Brasil.

Intisar disse, explicando seu sofrimento: “Meu marido e meus filhos tentaram de todas as maneiras possíveis viajar da Síria ao Líbano para me encontrar, mas não tiveram sucesso nisso por causa de sua nacionalidade, pois o egípcio precisa de um visto de entrada, e nas circunstâncias da guerra isso não foi possível. Então meu marido viajou com nossos filhos para o Egito e eu fiquei no Líbano, mas ficamos surpresos que as escolas públicas egípcias não permitissem que meus filhos continuassem seus estudos por causa de minha nacionalidade palestina! Então decidi viajar para o Brasil e depois viajar para a Europa para me estabelecer lá e encontrar meus filhos, mas fiquei no Brasil e trabalhei costurando roupas com uma brasileira que me abraçou e me garantiu moradia e trabalho até que eu conseguisse pagar o preços de passagens para meu marido e filhos e conseguir reuní-los aqui. Agora meu marido trabalha em outra cidade por uma pequena quantia igual a cerca de US$ 200 por mês e não o vejo muito por causa da distância e da pressão de seu trabalhos.

LEIA: Refugiados palestinos no Líbano… 90% deles estão desempregados!

Falando sobre sua vida dentro do prédio, a Intisar diz: “A coisa mais difícil que eu enfrento neste prédio é sair de casa. Não exagero se vos digo que neste dia a minha subida de escadas pode demorar mais de duas horas e ficarei doente ao fim de um dia inteiro. Tenho câncer glandular e estou enfrentando graves problemas de saúde que me impedem de trabalhar em qualquer atividade ou profissão ”.

A lista é longa!

Existem muitos casos semelhantes aos que mencionamos, e precisamos de uma longa lista para registrá-los. Esta reportagem não é suficiente para mencioná-los, mas você deve saber, caro leitor, que a maioria dos que estão no prédio são cientificamente qualificados e têm grandes experiências profissionais, a sua única preocupação é viver com dignidade. Nã não nos pediram nada apesar de todas as suas circunstâncias compulsórias, mas são pessoas generosas e hospitaleiras, e a sua maior preocupação é encontrar um trabalho que lhes baste e aos seus famílias à luz dessas circunstâncias difíceis da epidemia de covid-19!

Todas as famílias … para a “Guiana Francesa”!

Percebemos pelos moradores que o número de famílias árabes e palestinas em particular que já moraram no prédio é muito maior do que agora, porque todas as famílias têm o mesmo projeto, que é ir para a “Guiana Francesa”, uma região das províncias francesas ultramarinas e uma das 100 regiões da França. Está localizada na costa norte da América do Sul e faz fronteira com o Brasil e o Suriname, e sua moeda é o euro.

Essas famílias providenciam asilo na região e aguardam sua vez de obter residência, além de um simples auxílio financeiro mensal, para depois viajarem para outro país europeu para se encontrarem com seus familiares que foram separados pelas condições da guerra na Síria e da amargura de viver em asilo. Quando perguntamos a qualquer pessoa no prédio o que você quer? A resposta é ir para a “Guiana”.

LEIA: O lamentável papel do Brasil na partilha da Palestina

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasBrasilEuropa & RússiaFrançaLíbanoOriente MédioPalestinaReportagemSíriaTunísiaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments