Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ben&Jerry’s é punida pelo Arizona por boicote aos assentamentos israelenses

Palestinos se levantam em apoio ao Ben & Jerry's em Gaza em 29 de julho de 2021 [Mohammed Asad/Monitor do Oriente Médio]

O estado do Arizona, nos Estados Unidos, decidiu punir a Ben&Jerry’s, uma das empresas mais bem-sucedidas da América, pelo boicote da empresa aos assentamentos ilegais israelenses. A marca global de sorvete decidiu em julho encerrar a venda de seus produtos nos territórios palestinos ocupados por Israel. Embora a decisão tenha sido vista como uma grande vitória para o movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), uma forte reação de grupos pró-Israel foi antecipada desde então.

Kimberly Yee anunciou na terça-feira que o estado do Arizona está desinvestindo na Unilever, empresa-mãe da Ben & Jerry, dizendo que a decisão de boicote viola a lei do Arizona. O tesoureiro estadual disse que seus investimentos na Unilever foram reduzidos de US$ 143 milhões em junho para US$ 50 milhões e cairão a zero até 21 de setembro.

“O Arizona não fará negócios com empresas que estão tentando minar a economia de Israel e desrespeitando abertamente a lei do Arizona”, disse Yee, que está concorrendo a governador em 2022. “Como diretor bancário e de investimentos do Arizona, estou com Israel e não vou permitir que os dólares dos contribuintes sejam direcionados a esforços antissemitas e discriminatórios contra Israel.”

LEIA: Ben&Jerry’s está errado, Israel e apartheid são um e o mesmo, basta perguntar aos seus líderes

A decisão do Arizona de punir a empresa americana é a decisão estadual mais significativa em apoio ao estado de ocupação nessa questão. A legislação estadual antiBDS, aprovada em 2016, estipula que os órgãos públicos do estado não podem investir dinheiro com uma entidade que boicote Israel ou territórios sob controle israelense, que, segundo o direito internacional, são considerados territórios ocupados.

Dos 50 estados dos EUA, 21 incluem o boicote a assentamentos ilegais explicitamente como parte de suas respectivas definições do que constitui um boicote a Israel. A decisão do Arizona parece ser uma resposta direta ao apelo feito pelo governo israelense aos mais de 30 estados dos EUA com leis que proíbem boicotes ao estado sionista. Illinois está avaliando se vai se desfazer da Unilever. Há mais de um mês, deu ao conglomerado 90 dias para a Ben&Jerry’s reverter sua decisão.

A ação de Ben&Jerry seguiu uma série de relatórios de grupos de direitos humanos e da ONU e artigos de ex-embaixadores israelenses que rotularam Israel como um estado de apartheid. Os fundadores da empresa de sorvete, Bennett Cohen e Jerry Greenfield, explicaram que a empresa traçou uma linha entre o que eles chamam de “território democrático de Israel e os territórios que Israel ocupa” e que “a decisão de suspender as vendas fora das fronteiras democráticas de Israel não é um boicote a Israel”.

LEIA: A decisão de Ben&Jerry é “legítima e necessária”, diz a Anistia

Em julho, uma coalizão de grupos judeus progressistas enviou uma carta a 33 governadores pedindo aos estados dos EUA que não penalizassem a Ben&Jerry’s e a Unilever pela mudança. Eles apontaram que boicotar os assentamentos israelenses não é antissemita, mas uma forma de encorajar uma solução de dois estados, uma política há muito apoiada por democratas e republicanos. Grupos de direitos humanos insistem que as leis dos EUA que proíbem o BDS são inconstitucionais e alertam que a adoção de medidas que criminalizam os boicotes terá um efeito inibidor sobre a liberdade de expressão, que é protegida pela Primeira Emenda da Constituição dos EUA.

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments