Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ben&Jerry’s está errado, Israel e apartheid são um e o mesmo, basta perguntar aos seus líderes

Empresários americanos, filantropos e fundadores da empresa de sorvetes Ben&Jerry's, Jerry Greenfield (esq.) e Ben Cohen no 'One World One Heart Festival' no Central Park, Nova Iorque, EUA, 16 de maio de 1993. [Barbara Alper/Getty Images]
Empresários americanos, filantropos e fundadores da empresa de sorvetes Ben&Jerry's, Jerry Greenfield (esq.) e Ben Cohen no 'One World One Heart Festival' no Central Park, Nova Iorque, EUA, 16 de maio de 1993. [Barbara Alper/Getty Images]

Os fundadores da Ben&Jerry’s concordaram sobre a decisão da empresa de encerrar os negócios na Cisjordânia ocupada por Israel com um artigo convincente no New York Times ontem. Demonstrando rara liderança moral e coragem onde nenhuma parece existir no mundo em busca de lucro ocupado por empresas multinacionais, os homônimos Bennett Cohen e Jerry Greenfield explicaram poderosamente por que acreditam que a Ben&Jerry’s “está do lado certo da história”, tomando a decisão de boicotar negócios na Cisjordânia ocupada.

Tendo desistido do controle da empresa que fundaram em 1978, Cohen e Greenfield poderiam ter ficado na linha lateral e visto o nome de Ben&Jerry sendo arrastado pela lama por uma potente campanha pró-Israel cujo único objetivo é contaminar todas as ligações por boicote ao estado de ocupação como antissemita, conclusão da qual discordam veementemente.

“Rejeitamos fundamentalmente a noção de que é antissemita questionar as políticas do Estado de Israel”, disseram Cohen e Greenfield após se apresentarem como judeus que apoiam o Estado de Israel.

Sinalizando que a ocupação de Israel atingiu um estágio crítico, os fundadores reconheceram que encerrar as vendas de sorvete nos territórios ocupados é uma das decisões mais importantes que a empresa tomou em seus 43 anos de história. Cohen e Greenfield insistiram que foi “especialmente corajoso” da empresa ter feito isso e alinhá-lo com os “valores progressistas” e princípios da empresa. “Acreditamos que este ato pode e deve ser visto como um avanço dos conceitos de justiça e direitos humanos”, que eles enfatizaram como “princípios fundamentais do Judaísmo”.

A intervenção deles também parece ter sido planejada para proteger a Ben&Jerry’s de novos ataques depois que sua controladora, Unilever, jogou a empresa debaixo do ônibus, classificando a decisão como antissemita em uma carta a vários grupos pró-Israel, incluindo o notório norte-americano Liga AntiDifamação (ADL, na sigla em inglês). Em seu artigo, que no geral oferece o caso progressivo moral padrão para boicotar os territórios ocupados, Cohen e Greenfield não disseram nada que pudesse ser controverso para os chamados sionistas liberais. A UE tem uma política de boicote aos territórios ocupados, assim como empresas multinacionais, como o McDonald’s, que se posicionou contra os assentamentos ilegais de Israel.

LEIA: Ben & Jerry’s: ‘Somos judeus orgulhosos e apoiamos Israel, mas nos opomos aos assentamentos’

Cohen e Greenfield explicaram que a empresa traçou um contraste entre o que eles chamam de “território democrático de Israel e os territórios que Israel ocupa” e, além disso, “a decisão de suspender as vendas fora das fronteiras democráticas de Israel não é um boicote a Israel”. Para qualquer um que defenda a ideia de uma solução de dois estados, como muitos que criticaram a Ben&Jerry’s, a posição da sorveteria não deveria ter sido polêmica no mínimo. Mas a reação destaca mais uma vez a lacuna cada vez maior entre a ideia de Israel nas mentes de seus apoiadores fora do estado sionista e a realidade da ocupação local.

Como argumentei no início deste ano, após a publicação de um relatório marcante do grupo israelense de direitos humanos B’Tselem, importantes críticos de Israel – aos quais eu incluiria Cohen e Greenfield – há muito acreditam que, embora o apartheid possa ser uma realidade na Palestina Ocupada Territórios, dentro de “Israel propriamente dito”, existe um estado democrático. Isso se baseia na falsa suposição de que a ocupação é temporária e que os palestinos eventualmente receberão autodeterminação e condição de Estado. É claro que isso não passa de uma ilusão, até porque, desde a ocupação de Israel, o estado sionista fez todo o possível para tomar o território palestino e consolidar seu domínio sobre a terra. Um lembrete gritante, se necessário, é que nas sete décadas desde a fundação de Israel na Palestina, houve apenas seis meses – durante 1966-67 – quando o estado de ocupação não colocou membros de um grupo étnico específico que não eram judeus sob governo militar enquanto confiscava suas terras.

Os motoristas passam por uma sorveteria "Ben&Jerry's" fechada na cidade israelense de Yavne, cerca de 30 quilômetros ao sul de Tel Aviv, em 23 de julho de 2021 [Ahmad Gharaabli/AFP via Getty Images]

Os motoristas passam por uma sorveteria “Ben&Jerry’s” fechada na cidade israelense de Yavne, cerca de 30 quilômetros ao sul de Tel Aviv, em 23 de julho de 2021 [Ahmad Gharaabli/AFP via Getty Images]

Ao contrário dos críticos brandos de Israel, B’Tselem insistiu que, depois de mais de meio século, Israel e sua ocupação deveriam ser tratados como uma entidade única guiada pelo princípio de organização racista central de “avançar e perpetuar a supremacia de um grupo – judeus – sobre outro – palestinos.” De acordo com o grupo de direitos humanos, a barreira legal para definir Israel como um regime de apartheid foi cumprida.

A conclusão do B’Tselem foi repetida três meses depois por um relatório marcante da Human Rights Watch. Concluindo que o limiar para designar Israel como um estado de apartheid foi ultrapassado, a HRW disse que o estado de ocupação é o “único poder governante” controlando cada centímetro do que foi a Palestina histórica, bem como as vidas de seus 6,8 milhões de não judeus que vivem sob diferentes regimes de controle israelense, dependendo de onde vivem. “Em todas essas áreas e na maioria dos aspectos da vida, as autoridades israelenses privilegiam metodicamente os judeus israelenses e discriminam os palestinos”, disse a HRW, explicando que a divisão usual da terra histórica como “Israel propriamente dita” e os territórios ocupados não têm nenhuma semelhança com a realidade.

Embora muitos dos chamados progressistas ainda mantenham essa demarcação – que parece se apoiar em nada mais do que uma vã esperança de que o estado de ocupação um dia se desvencilhe de suas políticas de apartheid coloniais racistas e coloniais – a reação dos mais altos funcionários de Israel a Ben&Jerry não deve deixar dúvidas de que o que eles chamam de “Israel propriamente dito” e a ocupação são a mesma coisa.

Provando este ponto, o recém-empossado presidente israelense, Isaac Herzog, que deveria representar o chamado campo moderado do país, tendo servido como presidente do Partido Trabalhista, juntou-se ao coro de indignação contra o Ben&Jerry’s e qualificou sua decisão como “nova forma de terrorismo”. O ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, também pesou, assim como muitos outros, recorrendo ao Twitter para acusar o popular estabelecimento de sorvetes de “rendição ao antissemitismo”. Ele disse que pediria a 30 estados americanos – que aprovaram uma legislação antiBDS – que ajam contra a Ben&Jerry’s. Na semana passada, o estado americano do Texas ameaçou proibir o sorvete Ben&Jerry’s por causa de seu boicote ao assentamento na Cisjordânia. Muitos outros provavelmente virão.

Embora Cohen e Greenfield devam ser aplaudidos por seu artigo de ontem, defendendo com força o boicote aos territórios ocupados, a realidade que eles descrevem não existe mais. Para realmente estar “do lado certo da história”, eles deveriam se juntar ao B’Tselem, à HRW e muitos outros, incluindo os 116 acadêmicos que pediram o boicote a Israel, porque o apartheid nos “territórios ocupados” não pode mais ser separado de “Israel apropriado”. Israel e o apartheid são um e o mesmo.

LEIA: Mudança da Ben & Jerry para Israel recebe recepção fria do governo

 

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Ásia & AméricasEUAIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments