Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel é um estado de apartheid, dizem ex-enviados de Israel à África do Sul

Alon Liel, ex-diretor-geral do Ministério das Relações Exteriores de Israel, em Jerusalém, em 12 de abril de 2007 [Menahem Kahana/AFP via Getty Images]
Alon Liel, ex-diretor-geral do Ministério das Relações Exteriores de Israel, em Jerusalém, em 12 de abril de 2007 [Menahem Kahana/AFP via Getty Images]

Israel está cometendo o crime de apartheid, disseram dois ex-embaixadores israelenses na África do Sul em um artigo que traça paralelos com o sistema de segregação racial na África do Sul, que terminou em 1994.

Em sua mensagem dura transmitida por meio de um artigo de opinião publicado na terça-feira pelo GroundUp, um site de notícias da África do Sul, os ex-embaixadores Ilan Baruch e Alon Liel, apelaram ao “mundo” para se juntar à luta para acabar com o regime de apartheid de Israel da mesma forma que as pessoas se uniram para desmantelar o regime sul-africano do apartheid.

Liel foi embaixador na África do Sul durante a transição do apartheid de 1992 a 1994, enquanto Baruch serviu de 2005 a 2008.

É hora de o mundo reconhecer que o que vimos na África do Sul décadas atrás está acontecendo também nos territórios palestinos ocupados

Baruch e Liel disseram em seu artigo. “E assim como o mundo se juntou à luta contra o apartheid na África do Sul, é hora de o mundo tomar medidas diplomáticas decisivas em nosso caso também e trabalhar para construir um futuro de igualdade, dignidade e segurança para palestinos e israelenses”.

Descrevendo o sistema de apartheid de Israel, Baruch e Liel escreveram que “por mais de meio século, Israel governou os territórios palestinos ocupados com um sistema legal de duas camadas, no qual, dentro do mesmo pedaço de terra na Cisjordânia, colonos israelenses vivem sob a lei civil israelense, enquanto os palestinos vivem sob a lei militar”.

LEIA: Pare de comparar Israel ao Apartheid na África do Sul; isto é pior

Segundo os ex-embaixadores israelenses, o sistema imposto por Israel “é de desigualdade inerente”. Eles explicaram como Israel trabalhou para mudar tanto a geografia quanto a demografia da Cisjordânia por meio da construção de assentamentos ilegais para judeus e projetos avançados para conectá-los a Israel. Os assentamentos são conectados por uma rede de estradas exclusivas para judeus que transformaram o empreendimento ilegal em uma versão confortável de subúrbio, argumentaram.

“Isso aconteceu junto com a expropriação e aquisição de grandes quantidades de terras palestinas, incluindo despejos e demolições de casas palestinas”, disseram Baruch e Liel, descrevendo o que muitos comentaristas disseram ser uma limpeza étnica lenta em tempo real. “Os assentamentos são construídos e expandidos às custas das comunidades palestinas, que são forçadas a ocupar áreas cada vez menores.”

Os ex-embaixadores sugeriram que Israel foi inspirado pelo projeto Bantustan da África do Sul, pelo qual os habitantes negros foram segregados da população branca minoritária da África do Sul. Eles se lembraram de uma viagem à África do Sul no início dos anos 80 do então ministro da Defesa israelense Ariel Sharon, que teria expressado grande interesse no projeto Bantustan da África do Sul. “Mesmo uma rápida olhada no mapa da Cisjordânia deixa poucas dúvidas sobre onde Sharon recebeu sua inspiração”, disseram Baruch e Liel.

“Os bantustões da África do Sul sob o regime do apartheid e o mapa dos territórios palestinos ocupados hoje se baseiam na mesma ideia de concentrar a população ‘indesejável’ na menor área possível, em uma série de enclaves não contíguos”, apontam Baruch e Liel. “Ao expulsar gradualmente essas populações de suas terras e concentrá-las em bolsões densos e fragmentados, tanto a África do Sul quanto Israel hoje trabalharam para frustrar a autonomia política e a verdadeira democracia”.

O artigo de Baruch e Liel segue dois relatórios de alto perfil que chegaram à conclusão de que o apartheid era uma realidade na Palestina. Em abril, a Human Rights Watch (HRW) juntou-se a uma série de outros grupos proeminentes para declarar que Israel está cometendo crimes de apartheid e perseguição. Em janeiro, o grupo israelense de direitos humanos B’Tselem disse que Israel “promove e perpetua a supremacia judaica entre o Mar Mediterrâneo e o Rio Jordão”. Ambos ecoaram as conclusões do relatório de 2017 da ONU, que concluiu que Israel estava de fato praticando o apartheid.

Categorias
ÁfricaÁfrica do SulIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments