Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Se o cerco à Gaza não acaba, o desastre inevitável está a caminho

Entrevista com o o representante independente no Conselho Legislativo Palestino, Jamal Al Khoudari
Jamal Al Khoudari (Foto de arquivo)
Jamal Al Khoudari (Foto de arquivo)

Já não é segredo para ninguém no mundo que a Faixa de Gaza está sob um bloqueio injusto há mais de 13 anos!

Mas o que é esse bloqueio e onde ele chegou? E como isso afetou a vida das pessoas em todos os seus detalhes dentro da Faixa? Sobre isto, o Monitor do Oriente Médio entrevista o representante independente no Conselho Legislativo Palestino e o Presidente do Comitê Popular Anti-Cerco na Faixa de Gaza, Jamal al-Khoudari.

Em primeiro lugar, gostaríamos de conhecer a natureza do bloqueio praticado pela ocupação israelense contra a Faixa de Gaza.

A natureza do bloqueio que a ocupação impõe à Faixa de Gaza é de controle de todos os portos da faixa, sejam eles terrestres, marítimos ou aéreos. Ao nível do solo, a ocupação manteve apenas duas passagens das sete que existem, a primeira é para indivíduos e é a passagem de Beit Hanoun e opera muito lentamente. De tal forma que apenas dez mil pessoas em dois milhões podem passar, e antes disso, é preciso ter permissão de entrada e saída. Muitos pacientes tentam sair da Faixa de Gaza para tratamento por meio dessa passagem, mas a ocupação se recusa a emitir autorizações sob vários pretextos. Portanto, podemos dizer que a passagem de Beit Hanoun está virtualmente fechada, lembrando que antes do bloqueio, dezenas de milhares de pessoas e trabalhadores costumavam passar por ela diariamente, e que o Acordo de Oslo afirma claramente que deveria haver segurança na passagem entre a Faixa de Gaza e a Cisjordânia que garantisse o movimento diário de pessoas, mas a ocupação israelense não aplica isso. Quanto à segunda passagem, a de Karam Abu-Salem é destinada apenas para mercadorias, e a ocupação israelense a controla completamente, barrando a entrada de muitas mercadorias por meio de argumentos frágeis, a maioria deles de segurança, e tudo isso apenas para garantir que a Faixa de Gaza não se desenvolva em qualquer nível e impedir o progresso dos palestinos em qualquer nível.

Além disso, se tratarmos de importação e exportação de e para a Faixa, veremos uma grande diferença entre o que a Faixa de Gaza exportava para o exterior antes e depois do bloqueio, já que Gaza exportava 200 caminhões por dia para os países árabes , o estado de ocupação, e a Europa antes do bloqueio, e eram produtos agrícolas ou industriais. Agora, exporta no máximo dois caminhões por dia.

No nível marítimo, a Faixa de Gaza está completamente sitiada. As forças de ocupação impedem que qualquer navio proveniente de fora da Faixa ancore no porto de Gaza, e nenhum barco ou navio pode sair da Faixa, sem falar na limitação da área em que os pescadores podem pescar. Diminui com o tempo.

Fumaça e explosões tomam o bairro de Er-Rimal após aeronaves de guerra israelenses executarem uma nova onda de ataques contra a Faixa de Gaza sitiada, na Cidade de Gaza, em 25 de março de 2019 [Mustafa Hassona/Agência Anadolu]

Além disso, há um bloqueio aéreo, e você não deve perder de vista o fato de que havia um aeroporto em Gaza que recebe voos vindos do exterior diariamente, e voos para muitos países árabes partem diariamente também, mas as forças de ocupação israelenses bombardeou-o no ano 2000 e destruiu-o completamente! Assim, o bloqueio aéreo também é totalmente imposto à Faixa de Gaza.

LEIA: Israel realizou quase 300 ataques à Gaza em 2020, relata Exército

Deduzimos do exposto que o bloqueio foi imposto à Faixa por todos os lados, pois Gaza praticamente perde sua atmosfera, mar e retidão.

Como o bloqueio afetou a vida na Faixa de Gaza?

Qualquer lugar do mundo não cresce sem desenvolvimento, e o desenvolvimento requer total liberdade no comércio, liberdade para importar e exportar, liberdade para abrir projetos e outras oportunidades de trabalho, também liberdade na mobilidade terrestre, marítima e aérea e, portanto, do aeroporto a ativação, sem isso, desenvolver qualquer parte da Terra seria difícil e possivelmente impossível.

Esta restrição ao bloqueio tem sido contínua por 14 anos consecutivos e, claro, durante este período a população da Faixa de Gaza aumentou, já que a população aumentou em cerca de 700.000, e é natural que este aumento seja acompanhado por uma expansão da infraestrutura , construção de hospitais, centros médicos, escolas e universidades, e o lançamento de projetos de desenvolvimento, mas tudo isso não aconteceu, pelo contrário, retrocedeu.

Retrocedeu como?

Recuou devido às guerras travadas na Faixa de Gaza, uma vez que esta foi submetida a três guerras severas pelo estado de ocupação, nas quais foram empregados vários métodos para eliminar a vida dentro da Faixa, destruindo muitos edifícios, infraestruturas, fábricas, casas e muitas outras coisas. E isso significa que tudo o que existe na Faixa retrocedeu.

Um menino carrega um saco enquanto trabalhadores da Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina (UNRWA) distribuem ajuda humanitária em Jabalia, Gaza, em 17 de dezembro de 2020 [Ali Jadallah / Agência Anadolu]

Um menino carrega um saco enquanto trabalhadores da Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina (UNRWA) distribuem ajuda humanitária em Jabalia, Gaza, em 17 de dezembro de 2020 [Ali Jadallah / Agência Anadolu]

Você pode olhar para a situação dentro da Faixa de Gaza através de uma equação simples. Um grande aumento no número de habitantes combinado por um bloqueio terrestre, marítimo e aéreo aplicado e três guerras severas, é claro que o resultado será afetado negativamente, e o resultado foi uma grande pressão sobre o povo palestino, uma grande pressão psicológica, material e social sobre os palestinos e eles precisaram escolher entre se levantar ou desistir. É claro, escolheram resistir.

E o resultado de tudo isso para a vida cotidiana na Faixa de Gaza?

Em primeiro lugar, a eletricidade: a principal central elétrica da Faixa de Gaza foi bombardeada mais de uma vez, sofrendo em grandes danos, e agora não está operando a plena capacidade. Com o aumento da população, está agora operando de forma rotativa, o que significa que a energia elétrica funciona por oito horas e é interrompida pelas oito horas seguintes, nas melhores condições. Em condições difíceis, funciona por duas horas, às vezes apenas uma hora, e tudo isso depende da necessidade de combustível para a usina, e o governo em Gaza muitas vezes não tem dinheiro suficiente para comprar combustível. Agora o Catar se comprometeu a pagar o preço do combustível para que a estação funcione no sistema de oito horas.

Em segundo lugar, a água: Aproximadamente 95 por cento da água na Faixa de Gaza não é adequada para beber, ou seja, salobra, e para que a água seja segura para beber, ela precisa de dessalinização e purificação. São grandes projetos que precisam de grande apoio financeiro. Já faz algum tempo que há tentativas e promessas europeias de projetos, mas o problema é maior do que se resolve com um só projeto.

Terceiro, a tragédia do esgoto: na Faixa de Gaza, há uma grande tragédia ambiental sobre o esgoto, e isso se deve ao bloqueio, é claro. Isso se deve à indisponibilidade de tratamento saudável para essa água, com corte permanente de energia elétrica. Tudo isso acarreta grandes prejuízos aos veranistas no mar, além de prejuízos à riqueza pesqueira, e, portanto, uma grande tragédia ambiental.

E como está agora com a covid-19?

É o quarto ponto, a situação de saúde: antes do coronavírus, cinquenta por cento dos medicamentos não estavam disponíveis, mas depois do coronavírus esses números aumentaram dramaticamente e tudo se tornou quase indisponível. Também não há respiradores disponíveis agora. Na Faixa de Gaza existem apenas 200 aparelhos, todos eles usados permanentemente.

LEIA: 11 coisas que você devia saber sobre o cerco de Israel à Faixa de Gaza

Quinto, o aspecto econômico: é o principal e maior problema, porque se você prejudica as pessoas na situação econômica, você acerta o cerne da vida. A ocupação agora impede a entrada de matérias-primas na Faixa e restringe o movimento de trabalho das fábricas e da produção na Faixa. Essas fábricas costumavam empregar muitos nos campos agrícolas e muitas empresas, mas a queda nas exportações afetou todas as empresas, fábricas e todos os campos agrícolas, ficando grande parte paralisada, o que se refletiu nos trabalhadores e, conseqüentemente, na situação econômica geral da Faixa.

Em suma, 80 por cento das fábricas e empresas não estão funcionando, e os 20 por cento restantes estão trabalhando com 30 por cento de sua capacidade real de produção, e há mais de 350 mil trabalhadores desempregados. A renda média diária por pessoa diminuiu até atingir menos de 2 dólares americanos e 85 por cento da população ficou sob o risco de pobreza, e o desemprego aumentou para 60%, uma das taxas mais altas do mundo inteiro.

Quanto aos funcionários, eles recebem no máximo 50% do salário na melhor das hipóteses, sem falar que faltam oportunidades de trabalho na Faixa.

E como é possível levantar o bloqueio à Gaza?

Na minha opinião, duas coisas são necessárias nestes momentos, a primeira é encontrar uma estratégia porque este bloqueio, do ponto de vista do direito internacional, da Declaração Universal dos Direitos do Homem e da Convenção de Genebra, é um castigo colectivo e viola todas as leis internacionais. Portanto, as partes que assinaram esses acordos são obrigadas a exercer pressão urgente e verdadeira sobre a ocupação israelense. Deve haver trabalho a nível diplomático e cooperação com todos os árabes e estrangeiros e as pessoas livres do mundo para forçar Israel a levantar o bloqueio. A segunda coisa é apoiar todos os setores da saúde, educacional, industrial e outros para barrar a deterioração na faixa em todas as frentes, e um grande e catastrófica tragédia.

Menina com as cores da Palestina pintadas no rosto, durante protesto em Gaza, 11 de dezembro de 2016 [Ali Jadallah/Agência Anadolu]

Menina com as cores da Palestina pintadas no rosto, durante protesto em Gaza, 11 de dezembro de 2016 [Ali Jadallah/Agência Anadolu]

Em sua opinião, como os povos e governos da América Latina podem contribuir para quebrar o bloqueio? Qual é a sua mensagem para eles?

Em primeiro lugar, digo a eles que este estado a que a Faixa de Gaza chegou se deve à ocupação israelense e é ilegal, desumano e imoral. Portanto, deve haver um papel para todos no mundo ajudarem a Faixa de Gaza e seu povo, e toda pessoa que esteja em harmonia com sua humanidade, seja membro do Parlamento ou de um órgão oficial ou informal

Exorto o povo da América Latina a formar grupos de defesa, órgãos e fóruns com o objetivo de levantar o bloqueio à Faixa de Gaza, organizar vigílias de solidariedade e campanhas de socorro, e instar os órgãos oficiais a trabalharem para levantar o bloqueio, sem hesitação.

LEIA: Deslocamento em Gaza e a obsessão demográfica de Israel

Categorias
CoronavírusEntrevistasIsraelOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments