Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Armênios invadem parlamento e lincham presidente após cessar-fogo com o Azerbaijão

Manifestantes invadem o prédio do parlamento armênio após o anúncio de um acordo de paz na guerra entre a Armênia e Azerbaijão em 10 de novembro de 2020 [Alex McBride / Getty Images]
Manifestantes invadem o prédio do parlamento armênio após o anúncio de um acordo de paz na guerra entre a Armênia e Azerbaijão em 10 de novembro de 2020 [Alex McBride / Getty Images]

Manifestantes armênios invadiram hoje o parlamento do país e espancaram severamente o presidente da Câmara, depois que as autoridades concordaram com um acordo de cessar-fogo sobre Nagorno-Karabakh e entregaram os territórios ao Azerbaijão.

O primeiro-ministro da Armênia, Nikol Pashinyan, anunciou o fim do conflito pela região ocupada de Nagorno-Karabakh em um post no Facebook na noite passada, dizendo que o governo assinou um acordo com o Azerbaijão e a Rússia para cessar os combates. Ele descreveu o acordo como “indescritivelmente doloroso para mim pessoalmente e para o nosso povo”.

“Tomei essa decisão como resultado de uma análise aprofundada da situação militar e da avaliação das pessoas que melhor conhecem a situação. Também com base na crença de que esta é a melhor solução possível para a situação atual”, escreveu ele no post.

“Isso não é uma vitória, mas não há derrota até que você se reconheça como um perdedor. Nunca nos reconheceremos como perdedores e este deve ser o início de nossa era de unificação e renascimento nacional. Precisamos analisar os anos de nossa independência para planejar nosso futuro e não repetir os erros do passado. ”

LEIA: Azerbaijão conquista segunda maior cidade de Karabakh, ocupada pela Armênia

Após a declaração, centenas de armênios invadiram o prédio do parlamento na capital Yerevan nas primeiras horas da manhã. Reunindo-se dentro da câmara interna do parlamento, eles ocuparam os assentos de parlamentares enquanto gritavam “renuncie!” Eles então tentaram ocupar o pódio, antes de saquear e vandalizar os escritórios dentro do prédio.

Milhares de outros manifestantes também invadiram e danificaram edifícios e escritórios do governo em Yerevan no início da noite.

Em seguida, vazaram as imagens do presidente do parlamento armênio, Ararat Mirzoyan, sendo atacado, despido e severamente espancado por manifestantes na rua. Imagens do ataque à casa do primeiro-ministro Pashinyan também foram divulgadas nas redes sociais, com a mídia não oficial afirmando que ele fugiu para a cidade de Sochi, na Rússia.

Após a erupção do caos nas ruas de Yerevan e a profanação de seu parlamento, o presidente armênio, Armen Sarkissian, afirmou em um comunicado que não foi consultado sobre o acordo de cessar-fogo e que iniciará consultas políticas para estabelecer um governo de unidade em meio às preocupações do manifestantes.

De acordo com o acordo de paz assinado ontem, os combates e movimentos de todos os lados deveriam cessar até a meia-noite, e as forças armênias deveriam se retirar dos territórios internacionalmente reconhecidos como do Azerbaijão até 20 de novembro. O corredor Lachin de cinco quilômetros de largura também será aberto para facilitar a retirada e passagem entre Nagorno-Karabakh e a Armênia, com as forças de paz russas protegendo o corredor por cinco anos, enquanto o Azerbaijão é obrigado a garantir uma passagem segura.

O acordo de cessar-fogo e a assinatura do acordo de paz aconteceram depois que o Azerbaijão capturou a cidade-chave estratégica de Shusha no domingo, que tem vista para a capital da região, Stepanakert ou Khankendi. Seguiu-se a seis semanas de combates entre as forças armênias e azeris, que começaram com confrontos na fronteira no final de setembro.

Muitos previram a eventual rendição da Armênia ao Azerbaijão ou a assinatura de um acordo de cessar-fogo, já que as forças armênias perderam dezenas de veículos e equipamentos militares diariamente depois que as forças azeris os devastaram, especialmente com o uso de drones turcos.

LEIA: Grupo armênio ataca restaurante turco em Los Angeles, alega embaixador da Turquia

Categorias
ArmêniaÁsia & AméricasAzerbaijãoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments