Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Azerbaijão conquista segunda maior cidade de Karabakh, ocupada pela Armênia

Cidadãos azeris celebram a conquista da cidade de Shusha, em Baku, capital do Azerbaijão, 8 de novembro de 2020 [Resul Rehimov/Agência Anadolu]
Cidadãos azeris celebram a conquista da cidade de Shusha, em Baku, capital do Azerbaijão, 8 de novembro de 2020 [Resul Rehimov/Agência Anadolu]

A cidade de Shusha, localizada no território disputado de Nagorno-Karabakh (Alto Karabakh) foi conquistada por forças azeris que derrotaram as tropas armênias locais, anunciou o Presidente do Azerbaijão Ilham Aliyev, neste domingo (8).

“Após 28 anos, o adhan [chamado à oração] foi ouvido em Shusha”, declarou Aliyev, vestido com uniforme militar, em discurso à nação.

Shusha foi ocupada por forças armênias em 8 de maio de 1992 e possui importância crucial na campanha azeri em Nagorno-Karabakh, região reconhecida internacionalmente como parte do Azerbaijão, mas governada pela maioria étnica armênia.

A cidade de Shusha localiza-se a caminho de Khakendi, maior cidade da região.

Aliyev celebrou a data de 8 de novembro como histórica ao Azerbaijão, ao declarar: “Shusha tem um lugar especial na história de nosso país. Não é apenas a pérola do Azerbaijão, mas de todo o Cáucaso … provamos ao mundo que o Alto Karabakh é terra histórica azeri!”

Contudo, reiterou: “Nossa marcha à vitória continua”.

“Caso a liderança armênia não responda a nossas demandas [retirada das forças na região], iremos até o fim”, enfatizou Aliyev em seu discurso na Rua dos Mártires, na capital Baku.

Logo antes do discurso, Aliyev e a primeira-dama Mehriban Aliyeva homenagearam os soldados azeris que morreram pela independência e integridade territorial do Azerbaijão, ao levar uma coroa de flores ao memorial dos mártires.

O casal também visitou a Rua das Honras, onde deixou uma coroa de flores no túmulo do Presidente Heydar Aliyev, pai de Ilham, entre outros.

LEIA: Onde vai Nagorno-Karabakh?

“O sangue das vítimas de Khojaly não foram em vão, nossos mártires serão vindicados. Tomamos nossa vingança no campo de batalha”, proferiu Aliyev, em referência ao massacre de civis azeris durante a Guerra do Alto Karabakh, em 1992.

Khojaly possui sentido profundo no conflito de décadas entre Armênia e Azerbaijão. Após a dissolução da União Soviética, forças armênias tomaram a cidade de Khojaly, em 26 de fevereiro de 1992, ao atacá-la com artilharia pesada, tanques e um regimento de infantaria.

Um total de 613 pessoas em situação de vulnerabilidade, incluindo 106 mulheres, 63 crianças e 70 idosos, foram mortos em Khojaly, antes habitada por 7.000 pessoas. Outras 487 pessoas, incluindo 76 crianças, foram gravemente feridas. Foram capturados ainda 1.275 cidadãos azeris, dos quais 150 permanecem desaparecidos.

Categorias
ArmêniaÁsia & AméricasAzerbaijãoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments