Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Empresário dos Emirados diz que refugiados palestinos nunca voltarão para casa

Refugiados palestinos pisam nas fotos do príncipe herdeiro de Abu Dhabi, xeque Mohammed bin Zayed Al Nahyan, do Presidente dos Estados Unidos Donald Trump, e do Primeiro-Ministro de Israel Benjamin Netanyahu, durante manifestação contra o acordo entre Emirados e Israel na cidade costeira de Tiro, Líbano, 15 de agosto de 2020 [Mahmoud Zayyat/AFP/Getty Images]
Refugiados palestinos pisam nas fotos do príncipe herdeiro de Abu Dhabi, xeque Mohammed bin Zayed Al Nahyan, do Presidente dos Estados Unidos Donald Trump, e do Primeiro-Ministro de Israel Benjamin Netanyahu, durante manifestação contra o acordo entre Emirados e Israel na cidade costeira de Tiro, Líbano, 15 de agosto de 2020 [Mahmoud Zayyat/AFP/Getty Images]

O empresário dos Emirados Árabes Unidos Khalaf Al-Habtoor disse que os refugiados palestinos nunca mais voltarão para suas casas, cidades e vilas de onde foram expulsos por gangues sionistas em 1948.

Em um artigo publicado no jornal saudita Arab News, Al-Habtoor escreveu: “Há um argumento válido que diz que os israelenses têm sido intransigentes. Mas o mesmo também pode ser dito dos palestinos, que ainda insistem no direito de retorno dos refugiados que estão na Síria, Jordânia, Líbano e outros lugares ”.

“Isso nunca vai acontecer, e eles sabem muito bem … Seria melhor pedir às nações anfitriãs para demolir os campos e permitir aos refugiados o direito de trabalhar e ter suas próprias casas”.

O empresário afirmou que os refugiados palestinos “passam falsas esperanças para seus filhos, junto com as chaves das antigas casas de seus pais ou avós, mantendo vivo um ódio visceral pelos israelenses por gerações. Eu acredito que isso é injusto para ambas as gerações. ”

LEIA: Os fundadores de Israel eram “ladrões”, diz historiador israelense

Al-Habtoor elogiou os acordos de paz entre os estados do Golfo e Israel: “A beleza dos Acordos de Abraão é que eles beneficiam todos os signatários em termos de negócios, comércio, turismo, tecnologia e segurança”.

“Eles cimentam uma frente unida contra um inimigo comum que está trabalhando para fabricar armas nucleares para manter seus vizinhos como reféns”, alegou em aparente referência ao Irã. “Quanto mais estados árabes tiverem tratados de paz com Israel, mais influente o bloco se tornará.”

Em 13 de agosto, o Presidente dos Estados Unidos Donald Trump anunciou um “acordo de paz” entre os Emirados Árabes Unidos e Israel, mediado por Washington.

Abu Dhabi afirma que o acordo representa um esforço para evitar a anexação da Cisjordânia ocupada, planejada por Tel Aviv . No entanto, críticos acreditam que os esforços de normalização estão iminentes há muitos anos, já que autoridades israelenses fizeram visitas oficiais aos Emirados Árabes Unidos e participaram de conferências no país que não tinha laços diplomáticos com o estado de ocupação até então.

O premiê israelense Benjamin Netanyahu, entretanto, declarou repetidamente que a anexação não está fora dos planos, mas meramente adiada.

Categorias
Ásia & AméricasEAUEstados UnidosIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments