Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Sabotagem, erro ou negligência podem ter causado incêndio, afirma presidente do Líbano

Helicóptero despeja água sobre o incêndio iniciado em um dos armazéns do Porto de Beirute, no Líbano, em 10 de setembro de 2020. [Mahmut Geldi - Agência Anadolu]
Helicóptero despeja água sobre o incêndio iniciado em um dos armazéns do Porto de Beirute, no Líbano, em 10 de setembro de 2020. [Mahmut Geldi - Agência Anadolu]

Um incêndio que estourou no porto de Beirute ontem pode ter sido causado por “sabotagem, erro técnico ou negligência”, afirmou uma conta do Twitter pertencente à Presidência libanesa.

“Em todos os casos, a causa deve ser conhecida o mais rápido possível, e os perpetradores responsabilizados,” acrescentou o tweet atribuído ao Presidente Michel Aoun.

O tweet foi publicado durante uma reunião do Conselho Superior de Defesa, na qual Aoun, com o atual governo interino, que foi forçado a renunciar após a explosão de 4 de agosto, discutiu o incêndio de ontem.

O incêndio de ontem, que ocorreu apenas cinco semanas após a explosão do mês passado, eclodiu em um dos armazéns restantes do porto de Beirute, queimando um depósito de óleo de cozinha e pneus de carro, de acordo com o exército libanês.

LEIA: Diretor do Banco Central do Líbano: não quero renunciar

As chamas também atingiram milhares de pacotes de ajuda alimentar pertencentes ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), bem como 0,5 milhão de litros de óleo, disse o diretor regional da organização humanitária Fabrizio Carboni no Twitter.

Os bombeiros, que perderam dez colegas na explosão do mês passado, enfrentaram o novo incêndio, auxiliados por helicópteros militares carregados de água.

O incêndio é o segundo no porto esta semana depois que os serviços de segurança libaneses incendiaram os destroços deixados para trás após a explosão de 4 de agosto na quarta-feira.

Ambos os incêndios geraram pânico generalizado entre os residentes de Beirute, muitos dos quais ainda estão traumatizados pelos eventos do mês passado.

LEIA: Macron faz tudo que pode para retomar o Líbano à França colonial

A explosão de 4 de agosto aconteceu quando 2.750 toneladas de nitrato de amônio incendiaram e explodiram no armazém 12 do porto de Beirute. Quase 200 pessoas morreram e milhares ficaram feridas na explosão, que devastou bairros inteiros de Beirute.

Os líderes políticos libaneses se apressaram para ordenar uma investigação sobre o incêndio de ontem, enquanto o primeiro-ministro nomeado Mustafa Adib enfatizou a necessidade de prestação de contas.

“Ninguém pode justificar o incêndio no porto de Beirute ontem. A responsabilização é fundamental para que incidentes dolorosos semelhantes não se tornem recorrentes ”, disse o ex-embaixador na Alemanha em um tweet.

“Bem-aventurados os esforços dos bombeiros, da defesa civil e do exército libanês para conter o fogo”, acrescentou Adib.

A causa do incêndio permanece obscura, embora alguns observadores tenham sugerido a teoria de que faíscas de máquinas de soldagem fizeram com que materiais inflamáveis ​​nas proximidades pegassem fogo.

LEIA: Barcos de refugiados do Líbano chegam ao Chipre

Categorias
LíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments