Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O “momento Suez” da América: Outro erro estratégico seria seu último

Em 2021, o Presidente Joe Biden realmente colheu uma colheita amarga dos erros estratégicos de política externa de quatro de seus predecessores. Mas Washington faria bem em pensar antes de dar seu próximo passo
"A chance de um conflito global envolvendo exércitos reais e armas reais nunca foi tão grande. Biden deve ter isto em mente" (Ilustração da MEE)
"A chance de um conflito global envolvendo exércitos reais e armas reais nunca foi tão grande. Biden deve ter isto em mente" (Ilustração da MEE)

“A América acaba de ter sua crise do Suez”, comentou um membro da delegação iraniana nas negociações nucleares em Viena sobre a queda do Afeganistão para o Talibã, “mas ainda não a viu”.

Não se trata apenas da queda de Cabul.

Em 2021, o Presidente Joe Biden realmente colheu uma safra amarga dos erros estratégicos de política externa de quatro de seus predecessores. Como ele foi o vice-presidente de um deles, Barack Obama, ele também tem dificuldade em ver isso. As sementes de cada uma das principais zonas de conflito global postas – Afeganistão, Ucrânia, Taiwan e Irã – foram plantadas há muito tempo.

O que desvendou este ano foi nada menos do que três décadas de governança global dos EUA.

Cada presidente dos EUA no período pós-soviético compartilhou a crença de que tinha a pasta para si mesmo. Não era algo a ser compartilhado no Conselho de Segurança da ONU. Ele era o comandante-chefe da maior, mais bem equipada e mais móvel força armada do mundo, que podia comandar os ataques no horizonte com uma precisão devastadora. O presidente dos EUA controla 750 bases militares em 80 países diferentes. Ele também tinha o maior orçamento, a moeda de reserva mundial, então, ergo, ele agora podia estabelecer as regras.

O que poderia dar errado?

Com essa crença vieram duas suposições que provaram ser fatalmente erradas: que o monopólio americano sobre o uso da força duraria para sempre – terminou com a intervenção da Rússia na Síria – e que os EUA poderiam continuar a impor uma ordem mundial “baseada em regras” – desde que continuassem a fazer as regras. Biden enterrou discretamente ambas as suposições ao admitir que grandes potências serão forçadas a “administrar” sua concorrência para evitar conflitos que ninguém pode vencer.

Mas espere um momento. Há algo que não está certo aqui.

A teoria da causa e efeito

Grandes conflitos, que têm o potencial de produzir batalhas entre tanques não vistos desde a Segunda Guerra Mundial, como a Ucrânia, não acontecem por acaso.

Há causa e efeito. A causa foi a decisão unilateral, mas na época incontroversa, de expandir a OTAN para o leste nos anos 90, abandonando o modelo de uma Europa Oriental amplamente desmilitarizada e livre de mísseis que havia sido discutido com o presidente Mikhail Gorbachev uma década antes.

Isso foi feito para dar um novo significado à OTAN, um pacto militar cujo propósito morreu quando seu inimigo o fez. Conversava-se a respeito do absurdo completo da OTAN “cimentar” a democracia na Europa Oriental, garantindo sua independência de Moscou. Mas lembre-se do estado de espírito da época. Era triunfalista. Não só o capitalismo era o único sistema econômico que restava, mas sua marca neoliberal era a única marca que valia a pena promover.

Por um breve momento, Moscou se tornou uma corrida do ouro oriental, um Klondike para capitalistas de risco, Ikea, Carrefour, pubs irlandeses e bashers bíblicos. Os russos, por sua vez, eram obcecados por etiquetas de design, não por política.

LEIA: Perspectivas para a luta árabe-palestina a partir da América Latina em 2022

Os americanos em Moscou – na época – não se preocupavam muito com o que seus anfitriões pensavam ou faziam. A Rússia tornou-se irrelevante no cenário internacional. Os conselheiros americanos gabavam-se de ter escrito os decretos que o presidente russo Boris Yeltsin emitiu. E Ieltsin retribuiu o favor entregando os projetos do mais recente tanque russo e o diagrama de fiação dos bugs colocados pela KGB na fundação de concreto de uma extensão que estava sendo construída na embaixada dos EUA.

Para os nacionalistas russos, isto foi nada menos que um ato de traição. Mas as portas estavam tão abertas para o Ocidente que literalmente tudo que não estava pregado passou por elas – cientistas nucleares, engenheiros de mísseis, a nata do KGB, e malas cheias de dinheiro. Onde você acha que os russos que se estabeleceram em Highgate no norte de Londres, ou nos Hamptons em Long Island, ou no Chipre, ou em Israel, conseguiram seu dinheiro?

Por um tempo, até mesmo a palavra “Oeste” saiu do vocabulário político russo porque os novos russos pensavam que tinham acabado de se juntar a ele.

Ucrânia, a vítima do Ocidente

O primeiro embaixador dos EUA na recém-criada Federação Russa, Robert Strauss, passou mais tempo defendendo o que aconteceu no Kremlin do que na Casa Branca. As embaixadas ocidentais se tornaram porta-vozes de uma Rússia que eles pensavam ser agora a sua propriedade.

Strauss minimizou os primeiros relatos da ascensão do estado mafioso russo, como uma mera bagatela. “Isto é como Chicago era nos anos 20”, disse-me ele. Seguiram-se as inanidades sobre os ramos verdes da democracia e o tempo necessário para cortar um gramado inglês. Como se ele soubesse.

Bill Clinton e Tony Blair foram igualmente blasé sobre o que fizeram na Rússia.

O exército russo era “uma piada”. Quando os russos enviaram suas colunas blindadas para Grozny em dezembro de 1994, o Ocidente pensou que poderia ser parado por pequenos grupos de determinados chechenos; seus pilotos tinham apenas três horas de vôo a cada mês: suas fragatas navegavam aos pares – uma para patrulhar, a segunda para rebocar de volta a primeira quando ela se avariou; seus submarinos afundaram.

E assim a OTAN avançou para o leste.

LEIA: Três planos da ocupação israelense para 2022

Ninguém na época comprou o argumento de que tudo o que a OTAN faria era empurrar a linha de confronto para o leste. Os apelos da Rússia para negociar uma arquitetura de segurança para a Europa Oriental caíram em ouvidos surdos. Eles não estão em ouvidos surdos agora, com 90.000 tropas russas reunidas nas fronteiras da Ucrânia.

A vítima deste ato grosseiro de estupidez ocidental foi a Ucrânia, que durante pelo menos a primeira década após a queda dos soviéticos havia sobrevivido intacta e em grande parte em paz. Guerras civis assolaram toda a região, mas a própria Ucrânia manteve sua unidade política e social, apesar de ser composta por comunidades muito diferentes. Com exceção da Ucrânia ocidental, que nunca esqueceu que havia sido capturada pelos bolcheviques do desmoronado império austro-húngaro, os falantes russos e ucranianos viviam em paz.

Agora ela está dividida para sempre, assustada por uma guerra civil da qual nunca se recuperará. A Ucrânia jamais recuperará sua unidade perdida e, por isso, Bruxelas tem tanto a agradecer quanto os valentões de Moscou.

A nova guerra fria

Depois há a China. A movimentação para o leste certamente não significava terminar uma Guerra Fria e começar uma nova com a China, mas isso também está acontecendo inexoravelmente. Biden não pode decidir se vai acalmar o Presidente Xi ou confrontá-lo, mas fazer cada um em sequência não vai funcionar.

 

Para se ter uma ideia do que a China continental sente quando navios de guerra britânicos navegam pelo Estreito de Taiwan, como a Grã-Bretanha reagiria se os navios de guerra chineses aparecessem no Mar da Irlanda e navegassem entre a Escócia e a Irlanda do Norte?

O jogo de “administrar” a competição tem consequências humanas tão devastadoras quanto o triunfalismo da superpotência dos anos 90, e essas podem ser observadas no Afeganistão hoje em dia. O Afeganistão do presidente afegão deposto Ashraf Ghani era realmente uma aldeia Potemkin, uma fachada do estado independente.

LEIA: Biden deve acabar com o fingimento dos EUA sobre as armas nucleares ‘secretas’ de Israel

Um espantoso 300.000 soldados e tropas nos livros de seu governo não existiam. “Soldados fantasmas” foram adicionados às listas oficiais para que os generais embolsassem seus salários, disse à BBC o ex-ministro das finanças do Afeganistão Khalid Payenda. O buraco negro das finanças do antigo regime corrupto era um segredo evidente muito antes de Biden estabelecer uma data para a retirada.

Um relatório para o inspetor-geral especial dos EUA para o Afeganistão (SIGAR) advertiu em 2016: “Nem os Estados Unidos nem seus aliados afegãos sabem quantos soldados e policiais afegãos realmente existem, quantos de fato estão disponíveis para o serviço, ou, por extensão, a verdadeira natureza de suas capacidades operacionais”.

Agora que a torneira da renda norte-americana foi fechada, o Afeganistão está à beira de uma fome em todo o país. Mas, incrivelmente, os EUA estão culpando o Talibã por esta situação. Retêm o dinheiro com base nos direitos humanos, nos assassinatos noturnos por vingança de antigos funcionários do estado ou na supressão da educação para as mulheres.

Grande parte dos 10 bilhões de dólares do banco central afegão em ativos está estacionada no exterior, incluindo 1,3 bilhões de dólares em reservas de ouro em Nova York. O Tesouro americano está usando este dinheiro como uma alavanca para pressionar o Talibã sobre os direitos das mulheres e o Estado de Direito. Ele concedeu uma licença ao governo dos EUA e seus parceiros para facilitar a ajuda humanitária e deu permissão à Western Union para retomar o processamento de remessas pessoais de migrantes no exterior.

Mas os EUA não se responsabilizam por ter alimentado um estado que não pode funcionar sem o dinheiro que agora está retido. Os EUA têm responsabilidade direta pela fome que está ocorrendo agora no Afeganistão. Retirar dinheiro do Talibã porque eles tomaram o poder militarmente, em vez de negociar sua reentrada com outros senhores da guerra afegãos, também se desgasta um pouco.

A mesma história

O Talibã entrou em Cabul com apenas um tiro disparado porque tudo desmoronou antes deles. A velocidade do colapso das forças afegãs cegou a todos – até mesmo a Inteligência Inter-Serviços do Paquistão (ISI), que são acusados pela Índia e pelos governos ocidentais de dirigir a rede Haqqani do Talibã. O único país que realmente sabia o que estava acontecendo era o Irã, porque os oficiais do Corpo de Guarda Revolucionário Islâmico (IRGC) estavam com o Talibã quando entraram, de acordo com fontes iranianas próximas ao IRGC.

Até mesmo o ISI foi cegado pela velocidade deste colapso. Uma fonte informada me disse em Islamabad: “Nós esperávamos que a NDS [Direção Nacional de Segurança] lutasse em Mazar-i-Sharif, Herat, Kandahar e Kunduz. Isso teria produzido um impasse e a possibilidade de negociação de um governo mais inclusivo”.

Mas nós estamos onde estamos. “Houve algumas melhorias nos últimos 20 anos. Havia uma classe média em Cabul, a educação da mulher. Mas se você quer perder tudo, esta é a maneira de fazer isso. O Talibã vai se tornar rígido se o lugar ficar sem dinheiro. Se você quer proteger os elementos liberais, você tem que tornar o Afeganistão estável”.

LEIA: Uruguai, Catar e a disputa pela projeção de poder na América Latina

A fonte paquistanesa listou dez grupos jihadistas, ao contrário de um grupo jihadi, a Al-Qaeda, que existia em 2001. E o ISI não sabe o que aconteceu com as armas que os americanos deixaram para trás.

“Nós simplesmente não sabemos em quais mãos eles foram parar”, disse ele. Quando pressionaram o Talibã a formar um governo inclusivo, o Talibã disparou de volta contra eles: “Você tem um governo inclusivo? Vocês têm um governo que inclua o PML-N? Como você acha que seria no Paquistão se você tivesse que reconciliar grupos de combatentes que tinham matado os filhos e primos uns dos outros”?

Famintos de fundos, só há uma maneira de os grupos separatistas irem – para as mãos dos jihadistas. Ele terminou sua análise com o seguinte pensamento: é realmente do interesse dos EUA estabilizar o Afeganistão? Se eles deixassem o dinheiro passar, isso significaria apoiar o próprio eixo da China, Rússia e Paquistão que eles agora estavam determinados a empurrar para trás. As negociações vacilantes em Viena, a crise na fronteira da Ucrânia, a tensão renovada e a postura militar em Taiwan, fazem todas parte da mesma história.

Erros estratégicos

Washington faria bem em olhar para o mapa do mundo e pensar antes de dar seu próximo passo. É necessário um longo período de reflexão. Até agora, obteve a distinção duvidosa de errar em todos os conflitos em que se envolveu neste século.

A chance de um conflito global envolvendo exércitos reais e armas reais nunca foi maior e o fio de disparo para o uso de armas de destruição em massa nunca foi tão apertado. Nem todas as potências militares do mundo foram mais bem armadas, capazes e dispostas a iniciar suas próprias invenções.

Biden deve ter isto em mente.

É agora do interesse estratégico dos Estados Unidos continuar a derramar mais sangue nos campos de batalha que criou neste século. Isso significa que os EUA devem chegar a um acordo com o Irã retirando as sanções que impôs a Teerã desde a JCPOA  (Plano de Ação Conjunto Global, na sigla em inglês) de 2015. Se ele quer equilibrar a crescente influência chinesa e russa no Oriente Médio, esta é a maneira mais segura de fazê-lo.

O Irã não vai desistir de seus mísseis, assim como Israel não vai colocar sua força aérea em terra. Mas um acordo em Viena poderia ser um precursor das negociações regionais de segurança do Golfo. Os Emirados Árabes, Catar, Omã e Kuwait estão prontos para isso. Se Washington quer aplicar regras, que o faça primeiro com seus aliados, que têm uma impunidade extraordinária por suas ações brutais.

Se Washington é o campeão dos direitos humanos que afirma ser, comece pela Arábia Saudita ou pelo Egito. Se é o aplicador do direito internacional, vamos ver Washington fazer Israel pagar um preço por sua política de assentamentos contínuos, o que ridiculariza as resoluções do Conselho de Segurança da ONU, e a própria política dos EUA para uma resolução do conflito palestino.

Os Acordos de Abraão foram concebidos para estabelecer Israel como o substituto regional declarado e aberto dos Estados Unidos. Se Donald Trump tivesse garantido um segundo mandato, tal política teria sido um desastre para os interesses estratégicos dos EUA no Oriente Médio. Israel já pensa que tem um veto sobre a tomada de decisões dos EUA na região. Com esta política em pleno vigor, teria sido responsável por ela, o que significaria um conflito permanente criado por uma potência militar que sempre ataca primeiro.

Israel age com uma lógica impiedosa. Ele utilizará qualquer oportunidade para expandir suas fronteiras até que um Estado palestino se torne uma impossibilidade. É provável que já tenha tido sucesso nesse objetivo. No entanto, essa não é a política dos EUA. Mas esta expansão continua, quase semana sim, semana não, porque ninguém em Washington levantará um dedo para detê-la. Não fazer nada contra linchamentos armados de colonos que atacam aldeões palestinos desarmados na Cisjordânia é o mesmo que concordar com eles.

Se você quer ser um defensor de regras, aplique essas regras a si mesmo primeiro.

Essa é a única maneira de reconquistar a autoridade global perdida. Os EUA entraram em uma nova era onde não podem mais mudar os regimes pela força das armas ou das sanções. Descobriu a inutilidade da força. Deve largar o bastão e começar a distribuir baldes de cenouras. Deveria continuar com a tarefa urgente de desconflito.

Depois dos danos causados neste século pelos conflitos ordenados, criados e apoiados pelos presidentes dos EUA – Afeganistão, Iraque, Síria, Iêmen, Líbia – isso não é apenas uma responsabilidade, mas um dever.

Outro erro estratégico dos EUA seria seu, e o da Europa Ocidental, o último.

Este artigo foi publicado originalmente em inglês pela site Middle East Eye , em 27 de dezembro de 2021

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
AfeganistãoÁfricaArtigoÁsia & AméricasChinaEgitoEstados UnidosEuropa & RússiaIêmenIraqueIsraelLíbiaOpiniãoOriente MédioPalestinaRússiaSíriaUcrânia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments