Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Descolonize o Dia de Ação de Graça

Batalha de 1876 nos EUA entre Exército e os índios Sioux, nas margens do rio Little Bighorn [Getty Images]

Todos nós já ouvimos o ditado “cada um com o seu” e, embora eu mesmo já tenha usado esse ditado. Esta é uma exceção. Refiro-me aos palestinos-americanos que comemoram com alegria o feriado anual do Dia de Ação de Graças (o Thanksgiving Day, celebrado na quarta quinta-feira do mês de novembro nos Estados Unidos). Eles costumam postar fotos nas redes sociais de mesas de jantar elaboradas repletas de comida de canto a canto: o peru complementado por acompanhamentos típicos americanos, como purê de batata, inhame, molho de cranberry enlatado, tortas de abóbora e recheios. Imagens posteriores de pessoas de ‘barriga cheia” após comer demais também são comuns.

Quer esses tipos de fotos sejam postados ou não, os palestinos, de todas as pessoas, não deveriam estar celebrando esse Dia de Ação de Graças. Nosso povo pode se relacionar especialmente com os genocídios coloniais de nativos americanos que, como os palestinos, defenderam suas terras até que foram roubadas deles. É claro que nenhum grupo estava mais familiarizado com essa terra fértil do que os indígenas americanos, que ensinaram aos colonos europeus brancos como colher dela com sucesso. Esses colonos, por sua vez, escravizaram os nativos e, subsequentemente, trouxeram escravos negros da África Ocidental para “desenvolver” ainda mais a terra e o país. Este processo é bastante semelhante àquele em que refugiados judeus (no início) vieram para a Palestina árabe de toda a Europa e foram ensinados por palestinos indígenas sobre como cultivar a terra na zona climática única do Mediterrâneo (algo a que os judeus europeus não estavam acostumados). Os palestinos receberam com entusiasmo os refugiados judeus e os ajudaram a se estabelecer, até que navios com montes de europeus trouxeram cada vez mais sionistas e palestinos foram finalmente traídos pelo Movimento Sionista. Isso resultou em genocídio, com muitas famílias palestinas assassinadas e levou à expulsão de palestinos de suas casas (e para muitos a migração forçada da região) e, eventualmente, o confisco de terras palestinas que ainda ocorre hoje. Todo esse processo na Palestina é uma colonização sistemática tanto quanto foi para os nativos americanos.

Além disso, a América certamente não era “nova” como os colonos brancos diriam; em vez disso, era uma terra composta por mais de 15 milhões de pessoas com mais de 600 tribos (o número varia)que tinham vivido lá por milhares de anos da mesma forma que a Palestina não era “uma terra sem povo e um povo sem terra” ( 1600-1754: Native Americans: Overview, 2019, www.ecyclopedia.com).

Os palestinos residem na Palestina desde a Idade do Bronze. E quase meio milênio desde a década de 630 até a invasão cruzada da Palestina, a administração árabe islâmica de Jund Filistine existia na região geográfica mais ampla de Al-Sham (Masalha, N. (2018). Palestina. Bloomsbury Academic). Antes da migração judaica para a Palestina, a região possuía uma economia agrícola grande e próspera, escolas e teatros prósperos, estradas navegáveis, várias ferrovias e sistemas de esgoto sofisticados onde até hoje os edifícios e tampas de esgoto ainda dizem “Palestina” neles. Mesmo que alguém negue a autenticidade dos arquivos de escrituras e livros armazenados na Biblioteca Judaica em Jerusalém, não é necessário ir muito longe para entender e ver os numerosos exemplos da história palestina moderna na região que foram documentados pelos ocupantes .

LEIA: Histórias das netas dos refugiados e seu papel para manter viva a memória da Nakba das avós

Desde a colonização da Palestina, os judeus sionistas têm insistido que Deus é um corretor de imóveis onipotente quando afirmam que a terra da Palestina é deles simplesmente porque são “o povo eleito”. Da mesma forma, colonos europeus brancos, muitos séculos atrás, também fizeram uma afirmação igual em relação à América quando adotaram uma linha dos Salmos 2: 8. “Pede-me e eu te darei, os gentios por herança, e os confins da terra por possessão.”

O Dia de Ação de Graças deveria ser um dia de luto para os nativos americanos, não um dia de conquista europeia. Deveria ser um protesto à chegada de colonos europeus e séculos de opressão. Os primeiros líderes dos EUA lideraram seu povo para celebrar o Dia de Ação de Graças da mesma forma que “Israel” celebra seu “Dia da Independência” em Al-Nakba (A Catástrofe). Se os palestinos esperam o mesmo respeito em memória de nossa terrível catástrofe, Al-Nakba, junto com a discriminação e opressão que os palestinos enfrentam globalmente até hoje, então devemos comer peru em outro dia além do “Dia de Ação de Graças” com honra e respeito ao nosso Irmãos e irmãs nativos americanos.

Por muitos anos, estive traçando paralelos entre os nativos americanos e os palestinos, especialmente no Dia de Ação de Graças (Dia Nacional de Luto), e isso deixou algumas pessoas desconfortáveis. No entanto, a cada ano, mais e mais palestinos e apoiadores da Palestina não celebram esse Dia de Ação de Graças. Recebo continuamente mensagens de amigos e familiares dizendo que também não celebrarão este ano. Isso é um progresso e um crescimento significativos, e posso dizer com orgulho que, por muitos anos, minha mesa ficou vazia a cada Thanksgiving Day.

LEIA: Relembrando a entrega de ‘uma Palestina, completa’

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments