Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Nike finalizará vendas em lojas israelenses

Israel recebeu um golpe de martelo da fabricante de roupas esportivas Nike

Israel recebeu um golpe de martelo da fabricante de roupas esportivas Nike. A megamarca anunciou que encerrará a venda de seus produtos nas lojas do estado de ocupação, em um movimento saudado pelos usuários das redes sociais como mais uma vitória da campanha internacional de Boicote Desinvestimento e Sanções (BDS).

“Após uma revisão abrangente realizada pela empresa e considerando as mudanças no mercado, foi decidido que a continuação do relacionamento comercial entre você e a empresa não corresponde mais à política e aos objetivos da empresa”, informou a Nike em uma carta enviada para lojas em Israel.

A decisão da Nike deve atingir duramente os varejistas. Como uma das marcas esportivas mais populares do mundo, seus produtos respondem por grande parte das vendas.

Embora a empresa aparentemente tenha tomado a decisão de acordo com seu plano global de reduzir o número de lojas com as quais trabalha e canalizar negócios por meio de seu site, a mudança desencadeou um debate online sobre seus motivos.

LEIA: Nova Jersey ameaça sancionar Ben & Jerry’s por retirar-se dos assentamentos de Israel

A decisão segue o caminho da gigante de sorvetes Ben&Jerry’s de encerrar as vendas nos territórios palestinos ocupados. Os fundadores Bennett Cohen e Jerry Greenfield explicaram no início deste ano porque acreditam que a empresa “está no lado certo da história” ao tomar a decisão de boicotar negócios na Cisjordânia ocupada. A Anistia Internacional elogiou a decisão, descrevendo-a como “uma resposta legítima e necessária, em linha com a sua responsabilidade de respeitar o direito internacional e os direitos humanos”.

Ben&Jerry’s congelará vendas de sorvete nos assentamentos da Cisjordânia [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Antes do anúncio de Ben&Jerry, vários relatórios de alto nível concluíram que Israel está praticando o apartheid. Em abril, a proeminente organização de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) se juntou a uma série de outros grupos proeminentes para declarar que Israel está cometendo crimes de apartheid e perseguição.

Antes do relatório da HRW, o grupo israelense de direitos humanos B’Tselem rotulou Israel como um estado de “apartheid” que “promove e perpetua a supremacia judaica entre o Mar Mediterrâneo e o Rio Jordão”. Ecoando o relatório da ONU de 2017, que concluiu que Israel estava praticando o apartheid, o B’Tselem rejeitou o equívoco popular de que é uma democracia dentro da Linha Verde (Armistício de 1949).

Em um artigo publicado em junho, dois ex-embaixadores israelenses na África do Sul também denunciaram Israel como um estado de apartheid, traçando paralelos com o sistema de segregação racial formal na África do Sul, que terminou em 1994. A mensagem também foi adotada por judeus americanos, um quarto dos quais acreditam que Israel é um estado de apartheid, de acordo com um relatório recente, assim como quase dois terços dos estudiosos e acadêmicos americanos.

LEIA: Ben&Jerry’s é punida pelo Arizona por boicote aos assentamentos israelenses

Categorias
Anistia InternacionalÁsia & AméricasBDSEstados UnidosHRWIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments