Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Perfil: Jamal Khashoggi (22 de janeiro de 1958 – 2 de outubro de 2018)

Jornalista saudita Jamal Khashoggi fala em uma conferência em Ancara, Turquia [Gökhan Balci/Agência Anadolu]

Seria impossível dizer com certeza as palavras que Jamal Khashoggi teria transmitido ao mundo se, por algum milagre, soubesse que seriam as últimas. No entanto, por alguma razão inexplicável, o artigo final do jornalista assassinado do Washington Post encapsula o que pode ter sido a intenção de ser a peça que define sua vida, revelando os pensamentos de uma pessoa com conhecimento de sua própria mortalidade.

Tendo fugido do país que amou e serviu por tanto tempo em busca da liberdade de poder falar o que pensava, o ato final de Khashoggi foi dizer ao mundo que “o que o mundo árabe mais precisa é a liberdade de expressão”. Ele lamentou a falta de liberdade no Oriente Médio ao apontar o relatório “Freedom in the World” de 2018 – publicado pela Freedom House – e chegou à conclusão de que apenas um país no mundo árabe foi classificado como “livre”. Na raiz do descontentamento no Oriente Médio estava a falta de espaço para falar livremente sobre os problemas na região que, Khashoggi arriscou, levou os árabes a ficarem profundamente “desinformados ou mal-informados” sobre o mundo, prejudicando gravemente sua capacidade de tomar decisões sobre a base dos fatos e da verdade.

A coluna foi notada pelo editor de Khashoggi no Washington Post por “capturar perfeitamente seu compromisso e sua paixão pela liberdade no mundo árabe. Uma liberdade pela qual ele aparentemente deu sua vida”.

A jornada de Khashoggi aos Estados Unidos após seu autoexílio é uma ilustração poderosa da direção autoritária do príncipe herdeiro saudita, Mohammed Bin Salman – também conhecido como MBS. Por mais de três décadas, Khashoggi ocupou posições influentes na mídia saudita e trabalhou em estreita colaboração com a monarquia saudita. Khashoggi era adequado para o sucesso na Arábia Saudita, um país onde o patrocínio é necessário para alcançar os escalões mais altos de qualquer setor, muito menos um jornalista de mentalidade independente que exige um grau de liberdade de expressão indisponível para o resto do país.

Ele nasceu em Medina, em 22 de janeiro de 1958, em uma conhecida família de origem turca que havia migrado para a região de Hijaz, na Península Arábica, na época dos otomanos. Os Khashoggis eram uma família rica e influente. Ahmad Khashoggi, o pai de Jamal, era dono de uma loja de tecidos. Seu tio, Adnan Khashoggi, era um empresário proeminente e traficante de armas que ganhou notoriedade por estar implicado no Caso Irã-Contras como um intermediário fundamental na troca de armas por reféns. Mais tarde, Adnan foi colocado no centro das atenções mais uma vez por vender seu superiate para Donald Trump, anos antes de se tornar presidente dos EUA.

Khashoggi foi para a escola no Reino antes de partir para os Estados Unidos, onde, em 1982, se formou em administração de empresas na Indiana State University. Sua vida jornalística, no entanto, não começou até 1986, quando começou a trabalhar para o Arab News e a Okaz, de língua inglesa. Ele também escreveu para os influentes jornais árabes de Londres Al-Sharq Al-Awsat e Al-Hayat.

Foi no final dos anos 80 e início dos 90 que Khashoggi ganhou destaque por sua cobertura da guerra soviética no Afeganistão e da ascensão de Osama Bin Laden – então líder da Al-Qaeda. Após a guerra no Afeganistão, Khashoggi entrevistou Bin Laden no Sudão, onde ele havia estabelecido residência em 1991 depois de se desentender com a família real por causa do apoio deles aos EUA na Guerra do Golfo contra o Iraque.

Havia sinais iniciais de que o desejo de Khashoggi de falar livremente o colocaria em conflito com membros do estabelecimento saudita. Quando atuou como editor-chefe do Arab News e editor do diário Al-Watan, de Riad, foi demitido após suas críticas ao sistema religioso. Sua fama e conexões reais, no entanto, permitiram que ele conseguisse um emprego como assessor de mídia do príncipe Turki Al-Faisal (2003-07), o veterano chefe do serviço de inteligência geral saudita e, na época, embaixador do Reino em Londres e mais tarde, Washington. Embora ele tenha sido reintegrado como editor do Al-Watan em 2007, ele renunciou novamente em 2010 após uma briga sobre outro artigo de opinião polêmico.

A sorte de Khashoggi mudou mais uma vez em 2015, quando Bin Salman se tornou o governante de fato da Arábia Saudita. Ele foi nomeado chefe de uma nova estação de televisão no vizinho Bahrein, chamada Al-Arab, de propriedade do bilionário príncipe Alwaleed bin Talal, para competir com a influente Al Jazeera, dirigida pelo Catar. É relatado que a estação fechou seis horas depois de ser lançada, depois de ter transmitido uma entrevista a um importante crítico do governo.

O príncipe herdeiro Mohammad Bin Salman na Arábia Saudita, em 30 de setembro de 2018 [Agência de Imprensa Saudita]

O príncipe herdeiro Mohammad Bin Salman na Arábia Saudita, em 30 de setembro de 2018 [Agência de Imprensa Saudita]

Bin Talal foi uma das dezenas de membros da família real detidos pelo príncipe herdeiro no ano passado em uma aparente repressão anticorrupção. Essa foi uma das muitas políticas seguidas por MBS que criariam uma cunha entre ele e Khashoggi, que rapidamente chegou à conclusão de que o jovem príncipe era mais desonesto do que reformador e não poderia ter sucesso em proporcionar modernidade e liberdade, o que ele aspirava ver criar raízes no Reino.

Khashoggi havia se tornado uma presença constante na mídia saudita, mas foi seu desacordo com o programa de reforma do MBS que marcou o início de sua maior desavença com o Reino. Apesar de seus 1,6 milhão de seguidores no Twitter, a frustração do colunista por não poder falar livremente com o público saudita sobre suas opiniões continuou a crescer. Ele chamou Bin Salman de “jovem inovador impetuoso e abrasivo” e o comparou a Vladimir Putin. No entanto, ele sempre insistiu que não se via como um dissidente, mas sim como um patriota saudita.

O capítulo final da vida de Khashoggi começou pouco mais de um ano antes de sua morte – em 2017 – quando ele se mudou para os EUA e conseguiu um emprego como colunista do Washington Post. A cada artigo, cada um deles traduzido para o árabe, a distância entre ele e MBS aumentava ainda mais. Alguns temiam que ele tivesse ido longe demais ao criticar a família real.

MBS havia criado cuidadosamente uma imagem de si mesmo como reformador e modernizador. Milhões de dólares foram gastos para suavizar sua imagem aos olhos de corporações globais e políticos. No entanto, Khashoggi, escrevendo de longe para um jornal influente, ameaçou minar esse esforço. Para jornalistas, formuladores de políticas e políticos americanos e ocidentais que queriam entender o que estava acontecendo por trás do sorriso radiante de MBS, Khashoggi se tornou uma pessoa confiável.

Em seu último artigo, ele escreveu que “o mundo árabe está enfrentando sua própria versão de uma Cortina de Ferro”. Ele enfatizou a necessidade dos árabes de ler livremente em sua própria língua e de compreender e discutir seus problemas, ao mesmo tempo que comparam sua sociedade com o resto do mundo, sem propaganda. Khashoggi acreditava que saber a verdade era a única maneira de o mundo árabe se libertar do autoritarismo: uma crença que pode ter custado a vida dele.

LEIA: Os EUA homenageiam ‘vida extraordinária e legado’ de Khashoggi no terceiro aniversário de seu assassinato

Categorias
Arábia SauditaÁsia & AméricasEstados UnidosOriente MédioPerfisTurquia
Show Comments
Show Comments