Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os EUA homenageiam ‘vida extraordinária e legado’ de Khashoggi no terceiro aniversário de seu assassinato

A escritora turca Hatice Cengiz, noiva do jornalista e dissidente saudita Jamal Khashoggi, posa ao lado de um retrato de Khashoggi, em Washington, em 1º de outubro de 2021 [Nicholas Kamm/AFP via Getty Images ]
A escritora turca Hatice Cengiz, noiva do jornalista e dissidente saudita Jamal Khashoggi, posa ao lado de um retrato de Khashoggi, em Washington, em 1º de outubro de 2021 [Nicholas Kamm/AFP via Getty Images ]

Os EUA homenagearam “a vida e o legado extraordinários” de Jamal Khashoggi no terceiro aniversário de seu assassinato, com uma declaração no sábado do secretário de Estado de Washington, Antony Blinken, relatou a Agência Anadolu.

“Em sua memória, renovamos nosso compromisso de defender a liberdade de expressão e a proteção de jornalistas, ativistas e dissidentes em todos os lugares”, disse Blinken no comunicado. “Os Estados Unidos sempre apoiarão e protegerão o princípio de que indivíduos em todos os lugares devem ser capazes de exercer seus direitos humanos sem medo de punição ou dano.”

Dois anos após o assassinato de Jamal Khashoggi, MBS não tem nada com que se preocupar [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Dois anos após o assassinato de Jamal Khashoggi, MBS não tem nada com que se preocupar [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Khashoggi, um dissidente saudita e colunista do The Washington Post, foi brutalmente assassinado e provavelmente esquartejado depois de ser atraído por funcionários sauditas ao consulado em Istambul em outubro de 2018. Embora Riyadh tenha inicialmente negado qualquer papel em sua morte, mais tarde procurou culpar o que disse ter sido uma operação malsucedida.

Essa explicação foi amplamente rejeitada.

Blinken disse que os EUA “lançaram um esforço coordenado para prevenir e responder a qualquer governo que vise jornalistas, ativistas e dissidentes além de suas fronteiras, reunindo ferramentas diplomáticas, policiais e de inteligência para deter governos repressivos e proteger melhor os indivíduos e grupos visados, incluindo dentro dos Estados Unidos”.

Ele também disse que Washington desenvolveu uma política global de restrição de vistos com o nome de Jamal Khashoggi, que inclui a revogação de vistos “para pessoas envolvidas em alvos extraterritoriais de jornalistas, ativistas ou dissidentes presumidos em qualquer parte do mundo”.

“O presidente (Joe) Biden deixou claro que os Estados Unidos colocam os direitos humanos no centro de nossa política externa e enfatizei aos nossos diplomatas que defender os direitos humanos atende aos interesses nacionais dos Estados Unidos e fortalece nossa segurança nacional”, adicionou.

LEIA: Parceria EUA-Arábia Saudita sustentou segurança no Oriente Médio, afirma Blinken

Categorias
Arábia SauditaÁsia & AméricasEstados UnidosEuropa & RússiaNotíciaOriente MédioTurquia
Show Comments
Show Comments