Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Talibã promete retomar educação a adolescentes; não cita meninas

Meninas a caminho da escola após a ressurgência do Talibã, em Herat, Afeganistão, 3 de setembro de 2021 [Stringer/Agência Anadolu]

Meninos afegãos retornarão às aulas a partir de sábado, declarou o Talibã nesta sexta-feira (17); contudo, sem mencionar o ensino destinado às meninas, reportou o jornal The Guardian.

“Todos os estudantes e professores do sexo masculino devem comparecer às suas instituições de ensino”, declarou o comunicado do grupo fundamentalista islâmico, que retomou o poder no fim de agosto, após a apressada retirada de tropas dos Estados Unidos no país.

Afegãos conversaram com a rede BBC, após o banimento efetivo de estudantes do sexo feminino nos colégios de educação secundária — isto é, entre 12 e 18 anos.

Uma estudante afegã, que sonhava tornar-se advogada, relatou: “Tudo parece muito triste. Todo dia, acordo e pergunto: por que estou viva? Devo ficar em casa e esperar que alguém bata na porta e me peça em casamento? Esta é a razão de ser mulher?”

Uma jovem de 16 anos de Cabul enfatizou: “Queria me tornar médica! E esse sonho já desapareceu! Não acho que vão nos deixar voltar à escola. Mesmo que abram os colégios novamente, não querem que as mulheres sejam educadas”.

LEIA: Talibã proíbe as mulheres de praticar esportes e diz não ser “necessário” que joguem críquete

Apesar das alegações do Talibã de que suas leis seguem um código rigoroso do Islã, o Alcorão de fato encoraja a educação das mulheres, ao descrever a busca por conhecimento como “dever islâmico” e retratar com orgulho pensadoras islâmicas ao longo dos séculos.

A esposa do Profeta Mohammed, Aisha, é representada como uma célebre estudiosa muçulmana e reverenciada pela religião como educadora.

Kate Clark, codiretora da Rede de Análise do Afeganistão, reiterou ao The Guardian: “A educação e a alfabetização são tão valorizadas no Islã que o Talibã não pode proibir meninas de estudar sob pretextos islâmicos, então sempre diz que está aberto a fazê-lo quando melhorar a segurança. Jamais melhorou, jamais abriram as escolas”.

Embora o Talibã tenha “permitido” o retorno de mulheres às universidades, a intransigência em segregar os gêneros deve efetivamente prejudicar o ensino, dado que as instituições afegãs carecem de recursos para fornecer salas separadas.

Caso as meninas não possam completar seu ensino secundário, logo não serão capazes de entrar nas universidades.

A medida, não obstante, ocorre após uma forte ofensiva de relações públicas por parte do Talibã para projetar um verniz de legitimidade a seu novo governo. O grupo prometeu honrar os direitos das mulheres “conforme a lei islâmica” — isto é, sua interpretação.

Recentemente, o regime instituído do Talibã proibiu as mulheres de praticar esportes, ao alegar que “não é necessário” que participem das competições. A seleção feminina de futebol do Afeganistão então fugiu ao vizinho Paquistão.

Apesar das promessas do grupo, há relatos de mulheres impedidas de retornar ao trabalho, a despeito das condições asseguradas a seus colegas homens.

LEIA: Cortina divide estudantes do sexo masculino do feminino enquanto as universidades afegãs reabrem

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasNotícia
Show Comments
Show Comments