Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Família de Nizar Banat diz que não comparecerá a julgamento ‘incompleto’

Palestinos se manifestam na cidade de Ramallah, na Cisjordânia ocupada, em 2 de agosto de 2021, denunciando a Autoridade Palestina (AP) após a violenta prisão e morte sob custódia do ativista Nizar Banat [Abbas Momani/AFP via Getty Images]

A família do ativista palestino Nizar Banat, que morreu pouco depois de ser detido pelas forças de segurança palestinas em junho, anunciou ontem que não comparecerá ao “julgamento parcial e incompleto” de seu assassinato hoje.

A família afirmou em comunicado que tomou a decisão com base na noção de que “a família não pode estar presente sob o mesmo teto do assassinato e do grupo criminoso”, e se comprometeu a fornecer ao tribunal uma lista de todas as testemunhas, informações e advogados.

Há poucos dias, a família disse que deu ao governo palestino e à promotoria militar a oportunidade de “descobrir o crime e responsabilizar todos os envolvidos em todos os níveis, mas a promotoria reduziu o caso para apenas 14 réus”.

Na semana passada, o porta-voz do serviço de segurança palestino Talal Dweikat disse que 14 do pessoal dos serviços de segurança palestinos foram formalmente acusados ​​de “espancamentos que causaram morte, abuso de poder e violações de instruções de segurança”.

Dweikat disse que o comandante da missão, bem como os oficiais que participaram da apreensão de Banat, foram acusados ​​de sua morte.

LEIA: Família de ativista palestino busca justiça internacional por seu assassinato

Banat, um importante crítico da Autoridade Palestina e do presidente Mahmoud Abbas, morreu em junho depois que as forças de segurança palestinas invadiram sua casa na cidade de Hebron e o arrastaram para longe.

Uma autópsia descobriu que ele havia sido espancado na cabeça, peito, pescoço, pernas e mãos, em menos de uma hora entre sua prisão e sua morte.

Categorias
NotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments