Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os ataques aéreos do Egito no Sinai e a ajuda militar dos EUA de $1,3 bilhões

Uma foto tirada em 26 de julho de 2018 mostra policiais egípcios dirigindo em uma estrada que leva à capital da província do Norte do Sinai, El-Arish. [KHALED DESOUKI/AFP via Getty Images]

Na terça-feira, aviões de guerra egípcios lançaram ataques aéreos ao Norte do Sinai em resposta à morte de um brigadeiro sênior do exército, que foi morto depois que Wilayat Sinai atacou seu veículo. Fontes locais disseram à Al-Araby Al-Jadeed que aviões de combate atingiram a cidade de Sheikh Zuweid e a oeste da cidade de Rafah.

A cidade de Rafah, que fica na fronteira com Gaza, foi completamente destruída pelos militares egípcios com estimativas de que mais de 50 vilarejos tenham sido dizimados, 120 mil hectares de espaços verdes destruídos e 100 mil moradores desalojados.

Fontes estimam que o governo tenha deslocado mais de 300 mil pessoas dos 600 mil beduínos no Sinai. Mais de 20 mil estão mortos ou desapareceram à força.

Tudo isso – mais a prisão de crianças, as torturas e os desaparecimentos forçados que ocorrem no Sinai – aconteceram em nome da guerra do Egito contra o terror. No entanto, de acordo com um Relatório do Instituto Tahrir de 2018, existem apenas cerca de mil militantes no Sinai em um dado momento, o que faz desta uma campanha desproporcional.

Enquanto os militares egípcios cometem um padrão de abusos contra civis em nome da luta contra Wilayat Sinai, ainda não se sabe quantos vão morrer nos novos ataques aéreos lançados em resposta à morte de um brigadeiro.

LEIA: Aos 14 anos, Haitham era um dos presos políticos mais jovens do Egito: “Eles esqueceram que eu era criança”

De várias maneiras, os ataques aéreos aconteceram em boa hora para o exército egípcio, que enfrentou críticas por uma transmissão de vídeo no início do mês, mostrando membros do exército atirando contra um homem à queima-roupa em uma tenda enquanto ele dormia. Havia também outro clipe, de um homem desarmado sendo alvejado de cima enquanto corria através do deserto.

O vídeo é um lembrete de que o Egito “despreza a lei internacional”, disse o pesquisador da Anistia Philip Luther, que instou o Ministério Público egípcio a lançar imediatamente uma investigação independente sobre essas aparentes execuções extrajudiciais.

Não é a primeira vez que o exército egípcio é acusado de execuções extrajudiciais. Em 2017, uma investigação da Human Rights Watch descobriu que as forças de segurança que faziam uma campanha contra Wilayat Sinai podem ter executado extrajudicialmente até dez homens e depois encenaram-na como um ataque de contra-terrorismo para encobrir os assassinatos.

Soldados egípcios participam de uma operação militar no Sinai, Egito, em 1 de novembro de 2018 [Abed Rahim Khatib/ApaImages].

Um Ibrahim, que se mudou de Rafah para Arish depois da destruição, me disse anteriormente que seu marido foi preso de sua casa pelas forças de segurança em julho de 2018 e desapareceu à força.

Um mês depois, ela encontrou uma foto do corpo dele no Facebook com marcas e feridas nos braços e pernas. O procurador-geral lhe escreveu e disse que Mohammed havia sido morto em uma operação contra terroristas no Sinai, embora ele não tenha explicado como poderia ter participado de tal operação enquanto estava preso.

LEIA: Um pão para viver, não apenas um pão

A Anistia diz que o soldado no vídeo disparando contra o homem na tenda está usando uma carabina M4 com uma PEQ Aiming Light e uma Advanced Combat Optical Gunsight, ambas de fabricação americana.

A revelação vem em meio a um debate contínuo dos ativistas de direitos sobre a razão pela qual os EUA continuam a dar ajuda militar extorsiva ao Egito, US $1,3 bilhões por ano, enquanto o governo comete sérios abusos de direitos.

Vídeos como este são mais um exemplo de que estas violações acontecem, mas a administração Biden esta semana expressou apoio à relação de segurança dos EUA e do Egito. Altos funcionários do estado e dos departamentos de defesa enfatizaram a importância da assistência de segurança dos EUA para o Egito.

Os EUA há muito justificam o apoio ao Egito em troca de seu papel na manutenção da estabilidade na região. Assim como comentaristas argumentam que o recente papel do presidente Abdel Fattah Al-Sisi na garantia do cessar-fogo Israel-Palestina foi uma tentativa de chamar a atenção de Biden, o presidente egípcio agora é capaz de justificar para seu homólogo norte-americano o quão importante ele é para manter a segurança no governo do Sinai, enquanto as preocupações sobre sua política de terra queimada, que está fazendo exatamente o contrário, são ignoradas.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoÁsia & AméricasEgitoEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments