Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Biden escreve outro cheque em branco para Sisi

O presidente dos EUA, Joe Biden, em Washington, DC, em 20 de maio de 2021 [Anna Moneymaker/Getty Images]

Esta semana, Abbas Kamel, o notório chefe da inteligência do Egito, está visitando Washington para se reunir com funcionários da inteligência dos EUA e vários senadores.

A próxima viagem coincide com a notícia de que o Egito pode muito bem ter desempenhado um papel fundamental no assassinato de Jamal Khashoggi, depois que o Yahoo News informou que o esquadrão de morte parou no Cairo para comprar os narcóticos mortais que foram injetados no braço esquerdo do dissidente saudita.

Um relatório da inteligência dos EUA disse que o assassinato de Khashoggi foi aprovado pelo príncipe saudita Mohamed Bin Salman, o que significa que uma escala na capital egípcia teria sido autorizada pelo governo egípcio.

Acredita-se que Abbas Kamel tenha sido o principal oficial de ligação entre o Egito e a Arábia Saudita, durante o qual ele se comunicou diretamente com o braço direito do MBS, Saud Al-Qahtani, sobre inteligência.

Kamel conheceu o presidente egípcio Abdel Fattah Al-Sisi na inteligência militar, quando os dois formaram uma amizade estreita, chegando a se tornar chefe de gabinete de Al-Sisi quando assumiu o poder em 2014 e, em seguida, diretor da inteligência geral.

LEIA: Egito mantém repressão à liberdade de expressão, alerta Anistia

Em sua posição, Kamel supervisionou as emendas constitucionais em 2019 que garantiram a posição de Al-Sisi como presidente até 2030 e realinhou a mídia do Egito para que fosse efetivamente administrada pelo aparato de segurança do país.

Membros do Comitê de Relações Exteriores do Senado disseram que estavam tentando organizar uma reunião com Kamel para questioná-lo sobre o papel do Egito no assassinato de Khashoggi, mas não está claro por que o principal oficial de inteligência do Egito está em Washington. Por que o governo Biden está convidando um homem que supervisionou a tortura de milhares de prisioneiros políticos para os Estados Unidos?

Em sua campanha presidencial no ano passado, Joe Biden prometeu ser duro com o governo de Sisi por seus abusos aos direitos humanos. Em julho, ele twittou que não haveria mais cheques em branco para o “ditador favorito” de Trump, uma promessa que foi amplamente divulgada por qualquer um que desejasse ver alguma forma de justiça para os egípcios.

A postagem veio no momento em que desapareceu o pai do ex-prisioneiro político Mohamed Soltan de dentro de uma cela de prisão como medida punitiva porque Soltan abriu um processo contra o ex-primeiro-ministro egípcio Hazem El-Beblawi por supervisionar a tortura a que foi submetido enquanto estava em prisão.

Biden também reiterou que torturar, exilar ou prender familiares de ativistas era totalmente inaceitável e prometeu responsabilizar os governantes do Egito pelas violações.

Um ano depois, os Estados Unidos deram uma guinada acentuada. Ele anunciou a venda de cerca de US$ 200 milhões em mísseis terra-ar para o Egito poucos dias depois que os membros da família de Soltan foram presos pelo regime.

O governo Biden encontrou uma brecha legal para fornecer imunidade a El-Beblawi e também planeja enviar US$ 1,3 bilhão em ajuda militar ao Egito, sem condições de direitos humanos, minando completamente a promessa do presidente americano de construir seu relacionamento com o Egito com base nos direitos humanos.

Só esta semana no Egito, oito pessoas foram executadas, um asilado político em Chicago cuja família foi sequestrada no Egito teve novas acusações contra ele, um técnico de engenharia que serviu no gabinete do falecido presidente Mohamed Morsi foi condenado à morte e um estudante foi condenado a quatro anos de prisão.

LEIA: Tribunal do Egito condena ex- funcionário de Morsi à morte sob acusação de terrorismo

Enquanto Israel golpeava a Faixa de Gaza com ataques aéreos em maio, observadores especulavam que as tentativas de mediação do Egito eram na verdade uma tentativa de chamar a atenção de Biden. Funcionou. Al-Sisi desempenhou um papel na garantia do cessar-fogo Israel-Palestina e em troca recebeu dois telefonemas do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Tendo anteriormente se retido devido a questões de direitos humanos, Biden agradeceu ao Egito por sua diplomacia e coordenação bem-sucedidas com os EUA para encerrar as recentes hostilidades. Os dois líderes reafirmaram seu compromisso com uma parceria forte e produtiva EUA-Egito.

O Egito há muito se vendeu ao Ocidente com o aviso de que é um pilar fundamental para a estabilidade na região, que Biden agora parece ter trazido. No entanto, isso ignora completamente o próprio papel do Cairo no bloqueio a Gaza e que sua própria política de terra arrasada é de fato um fator chave para a instabilidade.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoÁsia & AméricasEgitoEstados UnidosOpinião
Show Comments
Show Comments