Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Unilever rejeita BDS e se distancia da decisão de Ben & Jerry

Sorvete Ben & Jerry's em Jerusalém, em 20 de julho de 2021 [AHMAD GHARABLI / AFP via Getty Images]
Sorvete Ben & Jerry's em Jerusalém, em 20 de julho de 2021 [AHMAD GHARABLI / AFP via Getty Images]

Sob críticas pela decisão da Ben & Jerry de parar de vender sorvete nos territórios palestinos ocupados por Israel, a controladora Unilever procurou amenizar as preocupações de vários grupos judeus americanos, dizendo que a Unilever “não apoia” o movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), conforme reportagem da Reuters.

“A Unilever rejeita completamente e repudia inequivocamente qualquer forma de discriminação ou intolerância. O antissemitismo não tem lugar em nenhuma sociedade”, escreveu o CEO da empresa, Alan Jope, em uma carta a várias organizações judaicas, incluindo a Liga Anti-Difamação dos Estados Unidos (ADL, na sigla em inglês ), hoje.

“Nunca expressamos qualquer apoio ao movimento BDS e não temos intenção de mudar essa posição”, disse Jope.

O BDS é um movimento liderado por palestinos inspirado na luta antiapartheid da África do Sul, que insta a ação para pressionar Israel a cumprir a lei internacional.

A Ben & Jerry’s, sediada em Vermont, disse na semana passada que deixaria de fazer negócios no Território Palestino Ocupado, que é administrado por um parceiro licenciado desde 1987.

LEIA: Caso Ben & Jerry’s expõe estratégia anti-BDS de Israel

Os assentamentos israelenses em terras palestinas são ilegais segundo o direito internacional e constituem um obstáculo à paz.

A decisão da Ben & Jerry’s estimulou uma reação de líderes israelenses, incluindo o primeiro-ministro Naftali Bennett, que disse que era “uma medida anti-Israel flagrante” e o presidente israelense Isaac Herzog, que denunciou o movimento como uma “nova forma de terrorismo”.

Políticos americanos de ambos os lados do corredor expressaram preocupação com a decisão, enquanto várias pequenas cadeias de supermercados com sede em Nova Iorque reduziram ou retiraram os produtos Ben & Jerry’s das prateleiras.

Na carta aos grupos judeus americanos, Jope ecoou comentários que fez em uma ligação pós-lucro da Unilever, dizendo que a empresa estava “totalmente comprometida” com Israel.

Ele tentou se distanciar das tensões germinativas entre a Unilever e o conselho da Ben & Jerry’s, que adquiriu em 2000 em um negócio que deu à marca mais autonomia sobre sua estratégia e tomada de decisão em comparação com outras marcas.

“Sempre reconhecemos o direito da marca e de seu Conselho independente de tomar decisões de acordo com sua missão social. Nessa decisão, não foi diferente”, escreveu.

Jonathan Greenblatt, presidente-executivo da ADL, disse que ficou “animado” ao ler sobre a posição da Unilever, mas pediu que “a Unilever faça tudo o que puder para convencer o conselho da Ben and Jerry a mudar sua posição”.

Enquanto a ADL se define como uma organização antirracista que luta “todas as formas de intolerância” e apoia as liberdades civis de todos os americanos, a organização é claramente tendenciosa. Em vez de enfrentar o antissemitismo de minorias poderosas nos EUA, por exemplo, a direita cristã, a ADL luta contra as minorias antissionistas que já são discriminadas tanto na Palestina como nos EUA. Um exemplo é a guerra pública que a ADL travou contra o proposto centro comunitário islâmico perto do marco zero na parte baixa de Manhattan, uma das muitas ações islamofóbicas.

As atividades fortemente pró-Israel da ADL contradizem abertamente sua missão anti-intolerância, e às vezes a organização até calunia as organizações judaicas quando elas são críticas ao Estado de Israel, conforme ilustrado em sua publicação dos “Dez principais grupos anti-Israel na América em 2013 “, que inclui o grupo Jewish Voice for Peace.

Não ficou claro para quantas organizações Jope enviou sua carta.

Categorias
Ásia & AméricasBDSEUAIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments