Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Esperando a identificação de seus mortos, iraquianos culpam governo por incêndio em hospital

Cerimônia fúnebre das vítimas no Santuário Sagrado Imam Ali depois que 64 pessoas foram mortas, 50 pessoas ficaram feridas no incêndio que eclodiu no Hospital Al-Hussein na cidade de Nasiriya, na província de Dhi Qar, em Najaf, Iraque em 13 de julho de 2021. [Karar Essa - Agência Anadolu]
Cerimônia fúnebre das vítimas no Santuário Sagrado Imam Ali depois que 64 pessoas foram mortas, 50 pessoas ficaram feridas no incêndio que eclodiu no Hospital Al-Hussein na cidade de Nasiriya, na província de Dhi Qar, em Najaf, Iraque em 13 de julho de 2021. [Karar Essa - Agência Anadolu]

Sem o corpo de seu filho para enterrar, Hatam Kareem se consolou segurando suas roupas. Ele morreu junto com sua mãe e avó em um incêndio que matou dezenas de pessoas em um hospital na cidade iraquiana de Nassiriya nesta semana. A informação é da agência Reuters.

“Olhe para ele, que crime ele cometeu para ser queimado vivo?” disse Kareem, 40, chorando ao pegar seu telefone celular para mostrar uma foto de seu filho de 17 anos, cujos restos mortais estão entre os corpos carbonizados que ainda não foram identificados.

Kareem enterrou sua esposa na quarta-feira na cidade sagrada de Najaf antes de retornar à sua cidade natal, Shatra, onde, vestido de preto, recebeu condolências em uma mesquita xiita.

“O governo tem total responsabilidade pela morte de minha esposa e meu filho. Qual é o meu crime para perder meu filho e não poder enterrá-lo?” disse Kareem, um policial. “Ontem à noite, peguei suas roupas e abracei-as na cama. Eu quero meu filho.”

LEIA: Incêndio na ala de covid em hospital do Iraque mata 41 pessoas

As famílias das vítimas e os residentes em geral culpam as autoridades pelo incêndio que destruiu o hospital montado para tratar pacientes de covid-19.

Um relatório inicial da polícia, acessado pela Reuters, diz que o incêndio foi ocorreu após a explosçao de um tanque de oxigênio.

O relatório indica que o hospital foi construído com painéis leves separando as enfermarias, fazendo com que o fogo se espalhe mais rápido, e não havia saídas de emergência suficientes, o que causou mais vítimas.

Uma declaração do Ministério da Saúde na quarta-feira estima o número de mortos em 60, incluindo 21 corpos não identificados. O relatório não disse por que o número foi menor do que os 92 mortos noticiados pela agência estatal de notícias Iraquiana Nacional na terça-feira.

A Reuters não conseguiu entrar em contato imediatamente com o porta-voz do Ministério da Saúde para comentar.

Foi a segunda tragédia do Iraque em três meses, e o presidente do país culpou na terça-feira a corrupção por ambas. Em abril, uma explosão semelhante em um hospital de covid-19 de Bagdá matou pelo menos 82 pessoas.

Muitos iraquianos estão furiosos com um sistema governamental que permitiu que a corrupção se espalhasse, com milhões de pessoas vivendo na pobreza, apesar da vasta riqueza do petróleo do país.

Os resultados de uma investigação governamental serão anunciados dentro de uma semana, disse o gabinete do primeiro-ministro na terça-feira.

Portas fechadas impediram a fuga

Mais de 20 corpos ainda estão esperando para serem identificados no necrotério, onde Mustafa Khalil, de 28 anos, estava sentado de costas para a parede, esperando informações sobre sua mãe.

“Eu quero minha mãe … mesmo se sobrar apenas um osso, eu quero”, disse ele.

Khalil, que estava visitando sua mãe no momento do incêndio, descreveu cenas caóticas e uma debandada quando o fogo se espalhou e as pessoas que tentavam fugir encontraram portas trancadas.

“Quando o incêndio começou, eles nos disseram para ficar ao lado de nossos pacientes … eles nos disseram ‘se você sair, você morrerá'”, disse ele.

“Ficamos perto dos pacientes, indefesos … logo depois disso, fui apanhado por fumaça e incêndios e não conseguia respirar.”

Natiq Hashim, 35, perdeu sua irmã, mãe e uma sobrinha de 14 anos no incêndio. Ele disse que chegou ao hospital cerca de 15 minutos após o início do incêndio e que demorou mais de uma hora para os bombeiros ou ambulâncias chegarem, com tuk-tuks sendo usados ​​para evacuar pacientes e feridos.

“Eu enterrei dois membros da minha família – minha mãe e minha irmã – e o corpo de minha sobrinha ainda está desaparecido. Eu considero o governo totalmente responsável – o primeiro-ministro, os ministros do Interior e da Saúde têm toda a responsabilidade.”

LEIA: Incêndio em ala de covid no Iraque deixa 92 mortos, até então

Categorias
IraqueNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments