Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Será que a primeira chanceler mulher da Líbia será forçada a se afastar de seu cargo?

Ministra das Relações Exteriores do Governo de Unidade Nacional (GNU) da Líbia, Najla Mangoush, posa para uma foto na capital Trípoli, em 17 de março de 2021 [MAHMUD TURKIA/AFP via Getty Images]
Ministra das Relações Exteriores do Governo de Unidade Nacional (GNU) da Líbia, Najla Mangoush, posa para uma foto na capital Trípoli, em 17 de março de 2021 [MAHMUD TURKIA/AFP via Getty Images]

Será que a primeira ministra das Relações Exteriores da Líbia poderia ser forçada a deixar seu trabalho, ou será que ela sobreviverá à onda de abusos verbais, críticas, incitações e ataques políticos? Embora os ataques tenham diminuído nas últimas semanas, Najla Al-Mangoush deve estar preocupada com o assunto, particularmente depois que um grupo de milicianos armados invadiu o Hotel Corinthia em Trípoli à sua procura. Em filmagens de vídeo nas redes sociais, alguém pode ser ouvido perguntando o paradeiro de Al-Mangoush, que não estava no prédio na época.

Na verdade, ela não era o alvo principal dos milicianos; Mohamed Al-Menafi, o presidente do conselho da presidência, era. A porta-voz do Conselho, Najwa Wheba, em um tuíte no dia 8 de maio, minimizou o incidente dizendo: “Ninguém foi prejudicado no ataque, afinal era sexta-feira [fim de semana] e ninguém estava lá”. O chefe de pessoal do Al-Menafi, Mohamed Al-Mabrouk, explicou o incidente dizendo que um grupo de “comandantes de campo veio para discutir com o presidente certos assuntos, mas ele [o presidente] não estava disponível”.

Mesmo antes deste incidente, porém, os ataques à ministra das Relações Exteriores estavam em andamento desde sua nomeação pelo primeiro-ministro Abdul Hamid Dbeibeh em março. Estes se intensificaram depois que ela apelou repetidamente à Turquia para retirar suas tropas e mercenários sírios da Líbia. Um de seus críticos anteriores foi Khaled Al-Mishri, o chefe do Conselho Superior de Estado consultivo, que disse que não é “tarefa do Ministério das Relações Exteriores” emendar ou cancelar qualquer acordo previamente assinado entre a Líbia e outros países. Al-Mishri é conhecido por seus laços estreitos com Ancara e é membro da Irmandade Muçulmana da Líbia.

LEIA: Uma conversa com Stephanie Williams, a diplomata norte-americana que ajuda a Líbia a se unir

O mais perigoso incitamento contra a ministra das Relações Exteriores, que poderia colocar em perigo a vida da mãe solteira de dois filhos, veio do ex-Mufti da Líbia, Sadiq Al-Ghariani, que vive na Turquia. O pregador radical é dono da estação de TV Al-Tansuh e foi demitido como mufti em novembro de 2014. Ele enviou uma mensagem televisiva chamando “todos os residentes de Trípoli e as forças de Al-Bunyan Marsous a saírem, em força” para rejeitar e parar este tipo de “bobagem”. Ele estava se referindo aos apelos de Al-Mangoush para a saída das tropas estrangeiras da Líbia. Al-Bunyan Al-Marsous é uma coalizão de milícias que foi, inicialmente, formada para combater Daesh quando estava controlando Sirte na região central da Líbia. Alguns dos comandantes da coalizão estavam entre os que invadiram o hotel. Depois que os extremistas foram derrotados, a maioria das milícias alinhou-se com o antigo governo de Trípoli, que procurou ajuda de Ancara para repelir a ofensiva do renegado Marechal de Campo Khalifa Haftar em abril de 2019 para assumir o controle de Trípoli. A ofensiva terminou em derrota há um ano.

Embora as críticas políticas e perguntas sobre as credenciais de Al-Mangoush para um trabalho tão destacado sejam legítimas, os ataques pessoais certamente não o são. Algumas das críticas a ela são motivadas politicamente, mas muitas das calúnias derivam do fato de que ela é uma mulher que ocupa uma posição ministerial importante em uma sociedade dominada pelos homens.

Joey Hood, alto funcionário do Departamento de Estado dos EUA, e Najla al-Mangoush, ministra das Relações Exteriores da Líbia, durante uma visita do enviado dos EUA à Líbia, em 18 de maio de 2021, em uma demonstração de apoio ao governo de transição do país [AFP via Getty Images]

Joey Hood, alto funcionário do Departamento de Estado dos EUA, e Najla al-Mangoush, ministra das Relações Exteriores da Líbia, durante uma visita do enviado dos EUA à Líbia, em 18 de maio de 2021, em uma demonstração de apoio ao governo de transição do país [AFP via Getty Images]

Estranhamente, Dbeibeh tem mantido silêncio até agora sobre os ataques a sua ministra. Além disso, ele pareceu estar ajudando seus críticos e dificultando seu trabalho com sua recente nomeação de três novos subsecretários do Ministério das Relações Exteriores. Os três nomeados são de fora do serviço exterior, o que é uma fonte de grande preocupação para os diplomatas de carreira. Pior ainda, pelo menos um deles, Mohamed Issa, é um comandante de topo da milícia. Um diplomata, falando sob condição de anonimato, me disse que “falta experiência e credenciais a Issa e nomeá-lo para uma posição tão alta na hierarquia é provável que deixe Al-Mangoush louca”.

Outro atual embaixador líbio, que não quer seu nome publicado, disse: “Dbeibeh está dificultando sua vida [de Al-Mangoush] com tal nomeação… Se ela não se demitir, é provável que seu trabalho seja interrompido”.

Em uma sociedade patriarcal como a da Líbia, as mulheres em geral passam por momentos difíceis. Suas dificuldades são agravadas quando são nomeadas para cargos governamentais superiores, simplesmente porque são mulheres.

Alguns dos críticos do antigo advogado de Benghazi apontam que Al-Mangoush nunca trabalhou no setor público antes. Ela passou algum tempo lecionando nos Estados Unidos depois de terminar sua graduação no país com uma bolsa de estudos. Sua conexão com os Estados Unidos, em particular, foi destacada, com muitos críticos questionando sua natureza. Embora não haja provas, alguns chegaram ao ponto de acusá-la de ser uma agente americana. Este tipo de crítica foi exacerbada pelos comentários do Embaixador dos EUA na Líbia, Richard Norland, que publicou no Twitter seu apoio à ministra das Relações Exteriores Al-Mangoush. Seus oponentes aproveitaram o tuíte como “prova” de que ela está sendo ajudada pelos EUA em troca de promover a agenda de Washington na Líbia, seja lá o que isso for. Esse tipo de crítica, mesmo quando não fundamentada, é prejudicial e muito grave em um país onde as intervenções estrangeiras são uma grande questão política.

A visita de Al-Mangoush em 7 de maio a Al-Qatrun, a última aldeia líbia antes das fronteiras do Níger e do Chade, também foi criticada por ser um show político. Ela respondeu dizendo que, como oficial líbia, “não posso falar sobre o sul sem nunca visitá-lo e vê-lo por mim mesma”. A migração ilegal é um item fixo da agenda na lista de prioridades do Ministério das Relações Exteriores, e as fronteiras do sul do país são onde ela mais acontece.

Até agora, a primeira ministra das Relações Exteriores da Líbia parece estar sobrevivendo aos ataques contra ela, simplesmente ignorando-os. Ela e o resto do gabinete devem renunciar após as eleições marcadas para dezembro. O que quer que aconteça a seguir, uma coisa parece certa: as mulheres na política líbia serão sempre alvos fáceis de críticas e abusos.

LEIA: Presidente da Turquia pede a reparação dos laços com o Egito

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoLíbiaOpinião
Show Comments
Show Comments