Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Uma conversa com Stephanie Williams, a diplomata norte-americana que ajuda a Líbia a se unir

Stephanie Williams, chefe da Missão de Apoio da ONU na Líbia (UNSMIL) fala durante uma conferência de imprensa, no dia 7, e encerramento do Fórum de Diálogo Político da Líbia, em 16 de novembro de 2020 em Túnis, Tunísia [Yassine Gaidi/Agência Anadolu]

Stephanie Williams juntou-se à Missão de Apoio da ONU na Líbia (UNSMIL, na sigla em inglês) há dois anos como deputada do então chefe da missão, Ghassan Salame. Em março do ano passado, ela assumiu o papel de emissária interina da ONU na Líbia depois que Salame renunciou por motivos de saúde. Ela partiu em fevereiro, mas somente depois de criar “esperança” para a Líbia, como observou em um artigo em coautoria com seu ex-chefe. A dupla agora está ocupada escrevendo um livro sobre suas experiências como mediadores da ONU.

Embora grande parte do plano para salvar a Líbia já estivesse em vigor, com base na Conferência de Berlim sobre a Líbia, sua implementação foi complicada, pois envolveu muitos atores locais conflitantes apoiados por diferentes potências regionais. Ao mesmo tempo, as condições de vida para a maioria dos líbios pioraram, colocando mais pressão moral sobre a UNSMIL para cumprir sua missão. A tentativa do senhor da guerra Khalifa Haftar e seu exército baseado no leste da Líbia de tomar Trípoli à força falhou depois de 13 meses de uma campanha militar que deslocou centenas de milhares de civis e matou centenas de outros na capital e nos arredores.

De acordo com Williams, com o então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em 24 de abril de 2019, um telefonema para Haftar foi interpretado como um sinal verde, não vermelho. Embora não saibamos o que foi dito durante a ligação, ela me contou, sabemos como foi percebido.

Aparentemente, Trump expressou seu apoio aos esforços de Haftar para combater o “terrorismo”, enquanto as forças deste último sitiavam Trípoli. Uma vez, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, disse a Haftar que, se pudesse, deveria tomar Trípoli “rapidamente”, com o mínimo de baixas. A campanha de Haftar se transformou em uma aventura sangrenta e destrutiva, mas fracassou completamente graças ao envio de tropas e mercenários sírios pela Turquia para repelir seu avanço. O próprio Haftar foi apoiado por mercenários russos.

Williams apoia os repetidos apelos das autoridades líbias para que as tropas estrangeiras deixem a Líbia o mais rápido possível. Após uma série de reuniões com a nova comissão militar, representando o leste e oeste da Líbia, ela sente que a presença de forças estrangeiras é um insulto à “dignidade” dos líbios. Além disso, sua partida é um pré-requisito para eleições justas e seguras planejadas para 24 de dezembro. Alcançar esse objetivo não é mais uma decisão da Líbia, sugeriu ela, mas pode ser feito “com os países relevantes”, uma referência à Turquia e à Rússia, embora nenhuma tenha, até agora, respondido ao chamado da Líbia para se retirar do país. Ela ressaltou, porém, que foram os líderes líbios que pediram tropas estrangeiras em primeiro lugar. Esse é um fato inegável.

LEIA: Turquia, Egito, Itália e Tunísia têm melhor chance de atuar na reconstrução da Líbia

O ex-enviado vê um renovado interesse dos EUA na Líbia indo além de apenas conter a presença russa. Ela acha que isso faz parte de uma “política abrangente” em relação à Líbia e foi encorajada pela “posição forte” adotada sobre a Líbia pelo governo Biden nos últimos meses. Basicamente, essa posição se concentra no impulso para as eleições conforme planejado.

Tem havido sinais positivos apoiando essa análise. Em 10 de maio, o presidente Joe Biden nomeou Richard Norland como embaixador dos EUA na Líbia e, uma semana depois, o subsecretário de Estado em exercício, Joe Hood, visitou Trípoli e se reuniu com autoridades, incluindo o primeiro-ministro. Norland expressou seu apoio à saída de tropas estrangeiras da Líbia em várias ocasiões.

O presidente da Tunísia, Kais Saied, e a representante Especial Adjunta da ONU para Assuntos Políticos na Líbia, Stephanie Williams, participam de uma sessão de abertura do Fórum de Diálogo Político da Líbia em Túnis, Tunísia, em 9 de novembro de 2020

[Yassine Gaidi/Agência Anadolu]

Williams não concorda que Washington perdeu a iniciativa sobre a Líbia durante os anos Trump. Os EUA agora parecem ter uma nova agenda em toda a região do Oriente Médio e Norte da África, e a Líbia, rica em petróleo, com sua localização estratégica, faz parte dela. Ela acredita que o governo Biden é genuíno em sua intenção de ajudar a Líbia, no mínimo, coibindo a intromissão estrangeira. “A capacidade de Washington de se reunir e liderar internacionalmente”, disse ela, “fará com que outros o sigam.” No entanto, devemos lembrar que os EUA lideraram a destruição da Líbia há uma década.

Ela acredita claramente que o país está agora “caminhando na direção certa”. Sob sua liderança, a UNSMIL convocou regularmente o Fórum de Diálogo Político da Líbia (LPDF, na sigla em inglês) entre novembro de 2020 e março de 2021. O fórum acordou um roteiro, um governo de unidade recém-eleito, um pacote de reformas econômicas e, acima de tudo, um cessar-fogo que está em vigor desde o último outubro.

Perguntei a Williams por que a chamada comunidade internacional estava muito consciente de cumprir a lei ao reforçar o embargo de armas imposto à Líbia pela Resolução da ONU 1970 em 2011, mas fez vista grossa mais recentemente, mesmo com armas e combatentes ainda fluindo para o país e alimentar o conflito. Ela se esquivou da pergunta, mas traçou alguns paralelos entre a invasão do Iraque em 2003 e a intervenção militar de 2011 na Líbia, em que “as lições do Iraque não foram aprendidas”. A Líbia ficou sem lei, assim como o Iraque, após a invasão da OTAN em 2011. Williams citou o que chamou de “desordem internacional”, com o Conselho de Segurança da ONU paralisado por diferenças entre seus membros. Tendo trabalhado no Iraque antes, “eu vi o que [a invasão ao Iraque] fez”. Sem realmente dizer isso, ela parecia sugerir que a invasão do Iraque estava errada, assim como a intervenção militar na Líbia. A “desordem internacional” permitiu que Haftar lançasse seu ataque a Trípoli em abril de 2019.

LEIA: Enviado da ONU na Líbia reivindica rápido cessar-fogo e roteiro para paz

“Nunca gostei do uso do termo ‘comunidade internacional’, porque ele não existe”, explicou ela. “O que existe são interesses, e isso não foi fácil de explicar aos líbios, porque devemos representar essa comunidade internacional fantasma.”

Semântica à parte, não devemos esquecer que a Líbia foi destruída em 2011 em nome da “comunidade internacional” e do “direito internacional”, assim como o Iraque a partir de 2003.

O forte LPDF de 75 membros atua como um miniparlamento. Depois de eleger o novo governo, elaborou uma agenda com foco na segurança do povo da Líbia, unificando as instituições governamentais e realizando eleições em dezembro. Eu perguntei por que tem 75 membros em vez de 80, por exemplo. “Porque foi o 75º aniversário da ONU”, respondeu ela. A conexão histórica não pode ser perdida; a Líbia de hoje foi criada pela ONU há 70 anos.

Ela está otimista de que a Líbia sairá unida e estável mais uma vez, apesar de tudo pelo que passou, porque tem a “juventude potencial e talentosa” que quer unir o país. De fato, o país agora tem um novo governo unido e instituições (quase) unidas depois de anos de duas administrações, uma no leste e outra no oeste.

“Acima de tudo”, ela me disse, “os líbios celebraram, pela primeira vez em anos, o Ramadã e o Eid sem o som de bombas e tiros, graças ao cessar-fogo acordado em outubro passado”. No entanto, ela ressaltou que a “crise de legitimidade” só pode ser resolvida “por meio das urnas”.

Em conclusão, Stephanie Williams falou positivamente sobre o papel das mulheres líbias no processo político porque elas “trouxeram um novo impulso”. Ela ficou desapontada, porém, com o fracasso do primeiro-ministro Abdul Hamid Dbeibah em cumprir sua promessa de alocar 30 por cento de seus cargos de gabinete para mulheres. Apenas duas mulheres – a ministra das Relações Exteriores, Najla Al-Mangoush, e a ministra da Justiça, Halima Busafi – estão no gabinete.

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEntrevistasEstados UnidosLíbiaONUOrganizações Internacionais
Show Comments
Show Comments