Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Arábia Saudita continua sendo a maior importadora global de armas

Manifestantes protestam contra a venda de armas para a Arábia Saudita em 8 de setembro de 2017 [AlisdareHickson / Twitter]
Manifestantes protestam contra a venda de armas para a Arábia Saudita em 8 de setembro de 2017 [AlisdareHickson / Twitter]

Os países do Oriente Médio estiveram entre os maiores importadores de armas do mundo na década anterior a 2020, de acordo com o último relatório do Instituto Internacional de Pesquisa para a Paz de Estocolmo (SIPRI).

Os resultados com base nos períodos entre 2011-2015 e 2016-2020 mostraram que as principais importações de armas permaneceram globalmente estáveis. No entanto, o observatório sueco relatou que o Oriente Médio viu as importações crescerem em um quarto, com a Arábia Saudita sendo a maior importadora, com 61 por cento de aumento entre 2016 e 2020 em comparação com os cinco anos anteriores. As importações do Egito cresceram 136%, enquanto o Catar aumentou suas compras em 361% no mesmo período.

De acordo com o SIPRI, o crescimento das importações em particular “refletiu a competição estratégica regional entre vários estados da região do Golfo”. O relatório também observou que as importações de armas pelos Emirados Árabes Unidos caíram 37 por cento, embora várias entregas planejadas de aeronaves de combate F-35 dos EUA acordadas no ano passado indiquem que o país continuará a importar grandes volumes de armas.

LEIA: Reino Unido recusa-se a cessar venda de armas à Arábia Saudita, ao contrário dos EUA

Maior exportador de armas do mundo, os EUA também aumentaram sua participação no mercado global de exportações para 37 por cento nos últimos cinco anos, disse o relatório, destacando que “aumentos substanciais nas transferências de três dos cinco maiores exportadores de armas – os Estados Unidos, França e Alemanha – foram em grande parte compensados ​​pelo declínio das exportações de armas russas e chinesas. ”

A Arábia Saudita, que lidera uma coalizão de países, na maioria árabes, em sua guerra contra o Iêmen desde 2015, é responsável por 24 por cento do total das exportações de armas dos EUA.

“É muito cedo para dizer se o período de rápido crescimento nas transferências de armas das últimas duas décadas acabou”, disse Pieter Wezeman, pesquisador sênior do SIPRI.

“O impacto econômico da pandemia covid-19 pode levar alguns países a reavaliar suas importações de armas nos próximos anos.”

No entanto, ele observa que, mesmo no auge da pandemia em 2020, vários países assinaram grandes contratos para grandes armas”.

LEIA: França busca tirar proveito do desequilíbrio nas relações EUA-Arábia Saudita

Categorias
ÁfricaAlemanhaArábia SauditaÁsia & AméricasCatarChinaEgitoEmirados Árabes UnidosEstados UnidosEuropa & RússiaFrançaNotíciaOriente MédioRússia
Show Comments
Show Comments