Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A maioria dos refugiados sírios sofre de estresse pós-traumático, diz organização

Refugiados sírios em um campo de refugiados em Trípoli, Líbano em 3 de janeiro de 2021 [Agência Mahmut Geldi / Anadolu]
Refugiados sírios em um campo de refugiados em Trípoli, Líbano em 3 de janeiro de 2021 [Agência Mahmut Geldi / Anadolu]

Mais de três quartos dos refugiados sírios sofrem sérias desordens psicológicas relacionadas a trauma, dez anos após a revolução guerra civil em seu continente, conforme apurou uma organização assistencial

De acordo com um relatório da entidade britânica Syria Relief, uma pesquisa com 721 sírios que vivem no Líbano, na Turquia e na província síria de Idlib, controlada pelos rebeldes, descobriu que 84 por cento deles tinham pelo menos sete dos quinze principais sintomas de transtorno de estresse pós-traumático (TSPT).

Embora esta tenha sido uma amostra limitada de refugiados, dado que milhões foram deslocados, os resultados mostram que a saúde mental deficiente é um problema sério e provavelmente muito mais disseminado do que se pensava anteriormente. Esses sintomas são comuns entre combatentes, testemunhas de violência e civis dentro de zonas de conflito.

LEIA: Unicef demanda repatriação de crianças detidas na Síria

Os estudos de caso são apresentados no relatório. Uma mulher no Líbano, por exemplo, acumulou traumas e tragédias durante anos, especialmente durante a batalha por Aleppo em 2015. Entre as tragédias vividas estavam a perda de um filho recém-nascido por doença e uma tentativa de estupro por um homem que fingia estar oferecendo a ela algum trabalho. Apesar da medicação prescrita, ela relatou que recentemente tem sido difícil encontrar um suprimento regular devido à escassez de medicamentos no Líbano.

A mulher agora está lutando para se recuperar, mas falou sob condição de anonimato. “Não saio de casa de jeito nenhum, fico apenas na barraca. Às vezes, tenho episódios de estresse em que tenho vontade de quebrar tudo e bater no meu marido”.

Outro refugiado, Ahmad Al-Mousa, de 24 anos, relatou que o ruído alto, como um avião voando baixo, passou a lhe provocar o pânico depois que ele foi gravemente ferido por uma bomba de barril que atingiu sua casa na cidade de Tel Al-Karameh, em 2014. ” Não consigo descrever como me sentiria se pudesse me livrar desse problema, se pudesse me recuperar totalmente, se pudesse me sentir igual às outras pessoas ”, explicou. Ele acrescentou que ainda não encontrou nenhuma ajuda para sua condição.

A Syria Relief pediu mais investimentos em serviços de saúde mental para refugiados em vários países. Ele destacou que, embora haja suprimentos de alimentos, roupas, abrigo e outros tipos de ajuda, quase não há foco na saúde mental das pessoas que vêm de zonas de conflito.

De acordo com um membro do conselho local em Tel Al-Karameh, muitas pessoas precisam desse apoio. “Não consigo nem contá-los”, disse Ibrahim Hanno. “Há pessoas que realmente não conseguem se recuperar, têm graves lesões psicológicas e físicas. A única coisa que podemos fazer é tentar documentar sua situação para que, se as ONGs locais vierem para a área, nós lhes contemos”.

LEIA: Se os houthis não são terroristas, o movimento sunita HTS também não o é

Categorias
Europa & RússiaLíbanoNotíciaOriente MédioReino UnidoSíriaTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments