Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Se os houthis não são terroristas, o movimento sunita HTS também não o é

Apoiadores dos Houthis participam da marcha por ocasião do 5º aniversário de Houthis controle da capital iemenita Sanaa, em 21 de setembro de 2019 [Agência Mohammed Hamoud / Anadolu]
Apoiadores dos Houthis participam da marcha por ocasião do 5º aniversário de Houthis controle da capital iemenita Sanaa, em 21 de setembro de 2019 [Agência Mohammed Hamoud / Anadolu]

Neste mês, os Estados Unidos retiraram os houthis de sua lista de grupos terroristas designados, uma decisão considerada sábia pelo governo do presidente Joe Biden. Esse movimento, mais do que simplesmente reverter mais uma política adotada pelo governo anterior de Trump, foi feito com a intenção de permitir a continuidade da ajuda à devastada população do Iêmen, em meio a uma crise humanitária considerada a maior do mundo.

A designação dos houthis como terroristas, argumentou-se, impediu a facilidade e acessibilidade da ajuda ao Iêmen, já que as agências não estão autorizadas a fornecer ajuda sob a vigilância de grupos terroristas que controlam esses territórios. Diante disso, parece uma decisão razoável para salvar vidas humanas e prevenir um desastre humanitário.

Mas pegue a mesma equação e transporte-a para o norte para a Síria, no entanto, e aparentemente, ela não se aplica. Desde julho passado, a ajuda humanitária transfronteiriça da Turquia para a província de Idlib, no noroeste da Síria, foi limitada a apenas uma passagem de fronteira depois que a Rússia e a China vetaram a extensão da ajuda ao norte da Síria no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Desde então, apenas uma passagem de fronteira – Bab-Al-Hawa – foi autorizada a permanecer aberta para entrega de ajuda, limitando severamente o acesso do povo sírio aos itens essenciais pelo menos até julho deste ano. O resultado foi nada menos que uma crise humanitária, com mais de um terço das crianças em Idlib crescendo com desenvolvimento atrofiado, procurando comida em depósitos de lixo e os campos de deslocados com milhões de pessoas sendo descritos como “impossíveis para viver”.

LEIA: Houthis do Iêmen deixam vítimas sauditas e sudanesas entre as forças abatidas em janeiro

A limitação da ajuda e os efeitos que ela tem se devem a um fator principal que a torna legítima para grande parte da comunidade internacional: a província de Idlib é mantida por “terroristas”. Para ser mais preciso, o grupo militante islâmico sunita Hay’at Tahrir Al-Sham (HTS).

Como os houthis, o HTS dominou com sucesso seus territórios militarmente e solidificou seu controle sobre eles, subjugando outros grupos rebeldes e facilitando a administração da província por meio do Governo de Salvação que o apoia e sustenta.

Ao contrário dos houthis, no entanto, o HTS deu passos significativos para romper com suas raízes como afiliado da Al-Qaeda. Ao longo da guerra civil síria, ele constantemente se renomeou, intensificou seus ataques contra as células do Daesh e lutou e pacificou afiliados da Al-Qaeda, como Hurras Al-Din, em uma tentativa de dominar Idlib.

O líder do grupo, Abu Mohammed Al-Jolani, no mês passado, até apareceu em uma foto com o jornalista americano Martin Smith vestindo um terno, confundindo os telespectadores em todo o mundo. Ele representa uma espécie de camaleão político e social, passando de figura da Al-Qaeda a senhor da guerra militante e a diplomata da oposição.

Também ao contrário dos houthis, que têm uma ligação direta com o Irã e são apoiados por ele, o HTS não tem aliados internacionais para confiar ou se associar – não abertamente, pelo menos. Nem mesmo é apoiado pela Turquia, que também o designa como um grupo terrorista, apesar de tolerar amplamente sua presença e às vezes manter conversas e comunicações com ele. Falando em apoio estrangeiro, no entanto, os EUA são suspeitos de ajudar o grupo em sua tomada de Idlib, conduzindo ataques contra alvos e figuras de seus oponentes afiliados à Al-Qaeda, levando alguns a acreditar que pode haver comunicação secreta entre os dois.

Com sua falta de apoio estrangeiro direto, seu rosto em constante evolução e a homogeneização de seus membros, de jihadistas estrangeiros a combatentes nascidos principalmente na Síria, o HTS está pelo menos fingindo se apresentar como um grupo de oposição síria autêntico e eficaz que se isolou de laços com o terrorismo global e poderia potencialmente se abrir para o Ocidente.

Os houthis, por outro lado, não tomaram tais medidas, mas em vez disso, são acusados de recrutar mais de dez mil menores-soldados e torturar civis até a morte e frequentemente realizam ataques com mísseis na Arábia Saudita – um aliado dos EUA. Além disso, eles continuam a dizer “morte para a América” ​​e “maldição sobre os judeus” em seu slogan, sinalizando abertamente sua inimizade para com os EUA e uma tendência antissemita direta. Assim, Washington nunca foi tão indulgente como está sendo com os houthis.

LEIA: Iêmen: EUA alertam houthis para não atacar civis

Isso não significa que o HTS seja perfeito ou livre de violações dos direitos humanos – longe disso – já que o grupo também sequestrou e deteve trabalhadores humanitários, perseguiu jornalistas e torturou críticos sob seu governo. Apesar de ambos terem registros de direitos humanos violados, o fato é que, em uma comparação entre o HTS e os houthis, o primeiro serviria aos interesses estratégicos dos Estados Unidos muito mais do que o último.

Os houthis também representam uma ameaça militar maior, pois conquistaram muitas das partes mais proeminentes e populosas do Iêmen – incluindo a capital Sana’a – e estão atualmente lançando sua última ofensiva contra Marib, o último reduto do governo no norte. Eles também são apoiados e supridos pelo Irã, o que os deixa longe de serem atores isolados. Enquanto isso, o HTS controla apenas uma província no canto noroeste da Síria, embora não tenha assistência direta de um estado estrangeiro.

No entanto, foram os houthis que tiveram sua designação terrorista suspensa pelos EUA.

Como resultado dessa decisão, embora o HTS permaneça rotulado como um grupo terrorista, a natureza seletiva da política externa dos EUA fica clara para todos verem, assim como o silêncio da comunidade internacional sobre esses dois pesos e duas medidas.

O que estamos vendo é a ajuda humanitária da ONU sendo vergonhosamente politizada tanto no Iêmen quanto no noroeste da Síria, apesar do direito internacional que obriga os Estados a entregar a ajuda independentemente de ela ser vetada. O que também estamos vendo é a subestimação contínua de Washington e da comunidade internacional das milícias xiitas, enquanto grupos de milícias sunitas são – muitas vezes com razão – demonizados como terroristas.

Se a designação de terrorismo impede que as populações tenham acesso à ajuda, então o HTS também deve ser removido dessa designação. Se, no entanto, identificar terroristas é de maior importância, os houthis deveriam se juntar ao HTS dessa lista.

A menos, é claro, que os sírios sejam considerados de menos valor do que os militantes iemenitas ou xiitas sejam considerados mais morais do que os sunitas.

LEIA: Relembrando a Revolução do Iêmen de 11 de fevereiro

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAEuropa & RússiaIêmenONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioSíriaTurquia
Show Comments
Show Comments