Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Recuperar a memória das famílias palestinas para assegurar o direito de retorno

Entrevista com Yasser Kaddoura, o diretor geral da Fundação Howiyyah
Yasser Kaddoura participa de uma atividade de apoio ao direito de retorno à Palestina. [Arquivo Especial/Yasser Kaddoura]
Yasser Kaddoura participa de uma atividade de apoio ao direito de retorno à Palestina. [Arquivo Especial/Yasser Kaddoura]

“Amanhã … os velhos vão morrer e os jovens vão esquecer” Esta frase foi dita por David Ben-Gurion, um dos fundadores do estado de ocupação israelense em 1948, que ele disse durante as gangues sionistas que ocupam as terras da Palestina e expulsando seu povo, de modo que mais de 800 mil refugiados palestinos foram deportados para países árabes vizinhos, segundo informações das Nações Unidas. A frase que Ben-Gurion disse poderia resumir o plano da ocupação para construir seu grande projeto, sua aposta era que o povo palestino esqueceria sua terra com o passar do tempo, mas os anos provaram o contrário e todo palestino ainda exige seu direito de retornar à sua cidade ou vila original na Palestina.

Nesta entrevista, com Yasser Kaddoura, o Diretor Geral da Fundação Howiyyah, no Líbano, que se preocupa em preservar as raízes das famílias palestinas e busca documentar as origens de todas as que foram expulsas de sua terra.

Quais são os motivos e objetivos que o motivaram a estabelecer seu projeto?

A ideia parte de uma longa e contínua batalha entre os palestinos e a ocupação sionista intitulada “direito de retorno”, e estávamos procurando como expandir essa luta para sermos mais fortes como palestinos. Começamos com a ideia da família como o principal componente da sociedade palestina e descobrimos que seria uma nova abordagem. A ideia se expandiu de uma mera ideia teórica para a realização e experimentação. Começamos a ver que a ideia é muito importante, e um várias instituições palestinas e líderes tocaram nisso antes de nós, mas não da maneira necessária, a questão palestina foi tratada em um grande nível geográfico, então todas as aldeias e cidades palestinas foram registradas, pois o fator geográfico é um dos aspectos do conflito palestino-sionista, mas na minha opinião, os palestinos não tomaram sua parte neste conflito.

Se olharmos para o projeto sionista, descobriremos que ele se baseia em dois pilares básicos: o pilar da terra e o pilar humano, o primeiro aparece na ocupação da terra da palestina, o segundo mostra como eles atuam com povo palestino. Planejaram arrancá-los de suas terras e de sua identidade, e trabalham para colocar seu interesse na questão da Palestina no nível mais baixo, a ocupação sionista trabalhou nisso desde o início da Nakba, Havia uma estratégia bem conhecida para que a ocupação conseguisse isso, que é a propaganda de “uma terra sem povo”. Seu objetivo era, de fato, separar completamente o povo palestino de sua terra para garantir que seu projeto fosse viável, então eles sempre marcaram famílias palestinas originários de países árabes, nomeadas como de Beirute ou Damasco, para dizer que não eram palestinas. Quem quiser voltar ao seu país, deve exigir o retorno ao seu país árabe e não à Palestina.

LEIA: Ainda vamos testemunhar grandes conflitos em Jerusalém em 2021

Em nosso trabalho, demos uma visão mais ampla dos esforços israelenses neste aspecto do conflito. Descobrimos que eles têm instituições, centros de estudo, pesquisadores e historiadores sionistas especializados no enraizamento de famílias judias, Há uma série de historiadores sionistas que manipularam as árvores genealógicas da linhagem, ou seja, falsificaram a llinhagem histórica dos judeus para comprovar um direito à terra. Também existe um livro muito famoso intitulado “A Invenção do Povo Judeu “, do historiador israelense Shlomo Sand, em que ele escreve claramente sobre grupos e pessoas que coletam memórias religiosas cristãs e judaicas para formular a partir delas uma nova memória com uma árvore genealógica para famílias falsas inventarem algo chamado povo judeu. Eles também trabalharam na ideia do DNA para que qualquer pessoa de origem judaica pudesse provar por meio de testes de DNA que sua ancestralidade é judia e, portanto, de acordo com suas reivindicações, ele tem o direito de ir para a Palestina ocupada e obter a cidadania israelense e muitos empréstimos e instalações.

Também quero destacar que descobrimos por meio de nossa pesquisa que um escândalo ocorreu em 2015 e se espalhou amplamente na mídia sionista. O escândalo é que as autoridades sionistas estavam trazendo pessoas de uma das tribos da Índia para a Palestina ocupada, e o projeto tinha como alvo cerca de 7.000 pessoas. A imprensa no assunto, especificamente o jornal israelense Haaretz, descobriu que eles estavam sendo trazidos sem uma evidência de que eram de origem judaica. Seu recrutamento foi justificado apenas porque seus costumes na tribo eram semelhantes aos dos judeus, então eles obtiveram permissão do governo de Netanyahu e centenas deles foram trazidos na época.

O que eu gostaria de alcançar é que eles trabalharam duro para que o judeu provasse que ele tem origem judaica e, portanto, tem direito à terra da Palestina para chegar à ideia de desenraizar o povo que de fato vivia na Palestina e tinha todos os direitos.

Como o projeto começou a contestar as estratégias israelenses?

Começamos a negar a narrativa sionista sobre as origens das famílias palestinas e provamos que existem muitas famílias árabes também com nomes de cidades e vilas palestinas como (Al-Khalili, Al-Maqdisi, Al-Liddawi e outras). Portanto, não se pode considerar que qualquer família palestina com o nome de um estado árabe não seja palestina. Existem muitas famílias palestinas, suas origens são antigas de países árabes e diferentes países, e isso não contradiz a natureza de nenhum dos povos do mundo. Todo povo sofre naturalmente o movimento de indivíduos e famílias de outros lugares devido às condições de segurança, políticas ou climáticas, e o povo palestino também se forma naturalmente como outros povos no mundo.

Nosso projeto se preocupa em confirmar a filiação da família palestina à Palestina antes da Nakba em 1948, por isso construímos cientificamente uma árvore genealógica para que qualquer palestino desta geração que exija o direito de retorno possa provar quem é seu pai, seus avós e em em qual cidade ou vila sua família vivia na Palestina e como foi desalojada dela. Trabalhamos para provar quem são as pessoas que foram deslocadas de cada vila, por exemplo se tivemos 500 pessoas que foram deslocadas de uma aldeia palestina em 1948, nosso trabalho é pesquisar seus nomes detalhadamente, e contamos com as famílias palestinas, já que cada família tem fotos e nomes dessas pessoas, fazemos questão de documentar os nomes e fotos dos que saíram, sejam velhos ou jovens, mesmo para os de dois anos, do mesmo modo como é feita a documentação da questão do Holocausto. Até agora fomos capazes de construir 6.000 árvores atribuídas a famílias palestinas.

Nosso projeto também visa reunir depoimentos em vídeo de pessoas idosas que deixaram a Palestina e testemunharam a Nakba, e documentar como eles foram sitiados por gangues armadas sionistas durante o período da Nakba. Parte desses depoimentos inclui testemunhos de massacres qe chegam a quase 100 massacres. Mas o que foi documentado pela Cruz Vermelha Internacional é de apenas 35. Como os outros massacres não teriam sido transmitidos ou documentados sem aqueles que os testemunharam, esta documentação foi não feita com base em apenas um ou dois depoimentos, mas em várias testemunhas de dentro de aldeias, vilas e cidades palestinas. A documentação verbal de tudo o que aconteceu durante a Nakba é muito importante para nós e contamos com ela para transmitir a verdade de uma geração a outra, para ser passada às futuras gerações palestinas até que o direito de retorno do povo palestino seja cumprido. Até o momento, gravamos quase 1.000 entrevistas com idosos.

LEIA: Histórias das netas dos refugiados e seu papel para manter viva a memória da Nakba das avós

Baseamos também reunir documentos das próprias famílias palestinas. Além disso, mergulhamos nos arquivos britânico e sionista e coletamos um grande número desses documentos. e os reclassificamos de acordo com as cidades ou vilas. Quem quiser saber qualquer coisa sobre sua cidade ou vila original pode ver diretamente no que trabalhamos, e não precisa mergulhar em nenhum arquivo. Depois de um trabalho longo e cansativo, descobrimos muitos documentos muito valiosos, incluindo documentos que nem mesmo a própria família palestina conhecia.

Você se comunicou com famílias de origem palestina na América Latina?

Grande parte das famílias palestinas que migraram para a América Latina emigraram no início do século passado, e tivemos contato com várias famílias que moram lá e, francamente, a comunicação era difícil devido à barreira do idioma. Mas tivemos contato com vários palestinos interessados ​​e cooperantes, incluindo o chefe da União das Comunidades Palestinas na América Latina, Samaan Safadi Khoury. Discutimos com ele as origens de várias famílias palestinas em Salvador, descobrimos que ele está fazendo grandes esforços para arquivar o patrimônio de um grande número de famílias palestinas que migraram para a América Latina em geral e Salvador em particular, fornecemos a eles mais de 60 documentos que o auxiliam em seu projeto e identificam as origens dessas famílias que se mudaram há um século para Salvador. Vários palestinos também nos contatou para saber suas origens e pudemos ajudá-los também, por acaso descobrimos em um dos documentos que nós pudemos obter da comunidade palestina no Chile as origens do tio de meu pai, pois nossas informações dizem que ele deixou a Palestina no início do século passado e foi para a Argentina, e nossa família disse que ele havia desaparecido e não tinha mais vestígios , mas este documento nos provou que ele deixou a Argentina e foi para o Chile, e encontramos todos os detalhes do endereço de sua residência. Então passamos mais tempo pesquisando e pudemos obter informações dos arquivos israelenses informando que ele enviou uma solicitação para a embaixada britânica no Chile em 1943 para retornar à sua aldeia, “Suhmata” na Palestina, para viver com sua família e restaurar sua nacionalidade palestina, e o mais importante de tudo isso é que conseguimos encontrar uma foto pessoal dele, já que toda nossa família não sabia como ele era. E aqui está o valor do nosso trabalho e do nosso projeto.

Como alguém de origem palestina na América Latina pode ajuda este projeto?

O resumo da ideia do nosso projeto é que há uma aspiração de que cada palestino, e especificamente da nova geração, possa contar sua história e a narração de sua família e avós de forma integrada, ou seja. Digamos que eu seja filho desta família que morava neste vilarejo ou cidade palestina, e tenho uma série de documentos e fotos que comprovam fortemente suas palavras.

Faço aqui um apelo a qualquer pessoa que tenha raízes palestinas e viva no Brasil ou na América Latina para nos ajudar a provar sua origem e construir juntos sua própria árvore genealógica, e fazemos questão de garantir qualquer documento ou informação que ajude nisso. Nosso projeto é enorme e ainda não conseguimos documentar todas as famílias. Esperamos que todos cooperem conosco.

LEIA: Nossa vitória no caso da lista do World Check é de todos os grupos solidários com a causa palestina

Categorias
América LatinaÁsia & AméricasChileEl SalvadorEntrevistasLíbanoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments