Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito proíbe celulares em hospitais após morte em massa na ala da UTI

Um egípcio que se recuperou da Covid-19 doa sangue em um hospital no Cairo, Egito, em 22 de julho de 2020 [Khaled Desouki/ AFP/ Getty Images]
Um egípcio que se recuperou da Covid-19 doa sangue em um hospital no Cairo, Egito, em 22 de julho de 2020 [Khaled Desouki/ AFP/ Getty Images]

O ministro da Saúde do Egito, Hala Zayed, decidiu que os telefones celulares devem ser retirados dos pacientes do hospital durante sua estada, após a morte de ocupantes de uma ala inteira da UTI no fim de semana e o fato ter sido gravado e viralizado.

Al-Shorouk relata que após uma reunião entre Zayed e diretores do hospital, os administradores do hospital começaram a retirar telefones celulares dos pacientes na chegada e devolvê-los ao receberem alta do hospital.

Várias famílias ficaram preocupadas por não conseguirem entrar em contato com seus entes queridos e, quando ligaram para o hospital, foram informadas da decisão do ministro da Saúde. Eles foram informados de que, embora os telefones inteligentes fossem proibidos, os telefones celulares sem câmeras eram permitidos.

Em consonância com a reunião, o Poder Público de Seguros de Saúde emitiu uma decisão para proibir a fotografia e a videografia dentro dos hospitais, inclusive nas unidades de terapia intensiva.

O ministro está no centro de um escândalo depois da morte em massa de pacientes de um famoso centro de quarentena no Hospital El Husseineya, na província de Ash Sharqia, porque a quantidade de oxigênio e a pressão caíram muito no fim de semana.

LEIA: Mo Salah, do Liverpool, doa tanque de oxigênio para pacientes de covid-19 no Egito

Zayed tentou encobrir o que estava acontecendo, inicialmente atribuindo suas mortes a complicações do coronavírus e rumores espalhados pela Irmandade Muçulmana. No entanto, Ahmed Mamdouh, familiar de uma das pacientes registrou seus momentos finais e as gravações foram amplamente divulgadas nas redes sociais, causando alvoroço.

A tia de 66 anos de Ahmed, Fatima Al-Sayed Ibrahim, estava entre os pacientes que faleceram na ala de isolamento.

A foto de uma enfermeira agachada em desespero também se tornou viral e iluminou a crise de saúde no Egito. A escassez de medicamentos básicos, incluindo oxigênio, levou o sistema de saúde à beira do colapso.

Os serviços de segurança na governadoria de Ash Sharqia convocaram Ahmed para investigação e abriram uma segunda investigação sobre a empresa de segurança do Hospital El Husseineya por permitir que alguém filmasse lá, o que supostamente causou “pânico entre os cidadãos”.

Zayed mais tarde admitiu que havia uma crise de oxigênio nos hospitais e disse que um sistema digital seria instalado para que os médicos pudessem verificar os níveis de oxigênio 24 horas por dia.

LEIA: Todos os funcionários do Hospital Al-Azhar do Egito estão infectados por coronavírus

Categorias
ÁfricaCoronavírusEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments