Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito entrega assistência médica à Itália, apesar da grave escassez em casa

Ministra da Saúde do Egito, Hala Zayed [Arabnews]

A ministra da Saúde do Egito, Hala Zayed, chegou à Itália no sábado para prestar assistência médica em meio à pandemia global de coronavírus.

A Itália registrou 128.948 infecções até agora, com 15.887 mortes, tornando-se o país mais atingido da Europa.

Os críticos se manifestaram contra a decisão, a segunda em várias semanas, devido à escassez de suprimentos do Egito em sua batalha contra a doença.

Os médicos levantaram sérias preocupações nas últimas semanas sobre a falta de máscaras, roupas desinfetantes e protetoras disponíveis em hospitais.

O custo das máscaras no Egito aumentou para 150 libras egípcias (US$ 10), quatro por cento da renda média.

Um usuário de mídia social apontou como a entrega da ajuda poderia estar ligada ao desejo do Egito de continuar o comércio com a Itália, incluindo seu contrato com a gigante petrolífera italiana Eni e os lucrativos acordos com armas.

Em 2018, o comércio entre o Egito e a Itália atingiu US $ 7,2 bilhões e o Egito comprou US $ 77 milhões em armas do país europeu.

Em fevereiro deste ano, os relatórios declararam que o Egito e a Itália estavam perto de assinar um acordo de armas de US $ 1,3 bilhão.

Antes do surto de COVID-19, a Eni, que vale cerca de US $ 6,4 bilhões, estava desenvolvendo o maior campo de gás do Mediterrâneo, na costa do Egito.

Na mesma époica, o estudante italiano Giulio Regeni foi torturado até a morte e jogado na estrada Cairo-Alexandria no aniversário do levante de janeiro de 2016.

Os ativistas pediram constantemente ao governo italiano que responsabilize o Egito por seu assassinato, atribuído a membros de uma das principais agências de segurança do país e por sua falha em investigá-lo adequadamente.

LEIA: Dezessete médicos do Instituto do Câncer do Egito testam positivo para coronavírus

Grupos de direitos humanos voltaram a se concentrar no relacionamento Egito-Itália em fevereiro deste ano, depois que o país do norte da África deteve e torturou o estudante de mestrado Patrick Zaki, que estava estudando na Universidade de Bolonha, no norte da Itália, em uma viagem para casa.

Muitos acreditavam que a Itália estaria usando a pressão política exercida sobre eles para garantir melhores acordos de armas e que o Egito estava comprando grandes quantidades de armas para compensar o assassinato de Regeni.

Timothy Kaldas, do Instituto Tahrir, no post acima, diz que a entrega de ajuda à Itália é uma ação de marketing dirigida ao povo italiano..

“Suspeito que seja um golpe publicitário coordenado destinado a atenuar a raiva pública na Itália relacionada ao governo egípcio que torturou o estudante italiano Giulio Regeni até a morte. O governo italiano está buscando cobertura, pois valoriza os acordos de gás com o Egito e planeja vender ao Egito 9 bilhões de euros em armas.” – diz ele

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments