Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Jornalista se oferece para interceder por trabalhador humanitário britânico sequestrado na Síria

Trabalhador humanitário britânico, Tauqir Sharif na Síria, 5 de março de 2019 [Facebook / Live Updates from Syria]
Trabalhador humanitário britânico, Tauqir Sharif na Síria, 5 de março de 2019 [Facebook / Live Updates from Syria]

A autora e jornalista britânica Yvonne Ridley está se oferecendo para ir à Síria, devastada pela guerra, em um esforço para garantir a libertação do londrino Tauqir Sharif. O trabalhador humanitário foi sequestrado pelo grupo rebelde que controla Idlib, Hay’at Tahrir Al-Sham (HTS).

Ridley, que vive na Escócia,tem diálogo direto com o grupo, na tentativa de romper o impasse entre o HTS e a família de Sharif, amigos e apoiadores. “Estou fazendo o que o governo britânico deveria estar fazendo desde o momento em que Sharif foi preso, mas ele foi abandonado pelas autoridades desde que o privaram de sua cidadania”, disse ela.

Sharif, nascido na Inglaterra, foi preso por cerca de 15 homens fortemente armados e mascarados do HTS no mês passado. Testemunhas oculares confirmaram relatos de que ele foi atingido várias vezes na cabeça com a coronha de uma arma e estava sangrando quando foi levado da casa de sua família, perto do campo de refugiados de Atmeh, perto da fronteira com a Turquia.

Sharif, 31, nasceu em Walthamstow. Ele vive e trabalha no noroeste da Síria com cerca de 200 outros ex-pats britânicos, alguns dos quais também tiveram sua cidadania revogada. Ridley apontou que isso aconteceu com ele em 2017, quando também foi recusado um passaporte à filha. “Em circunstâncias normais, o Ministério das Relações Exteriores em sua cidade natal, Londres, estaria envolvido em negociações para sua libertação, mas ele foi deserdado pelo governo britânico por motivos mais espúrios”.

LEIA: A gestão da selvageria: como o estado nacional de segurança da América alimentou a ascensão da Al Qaeda, do Daesh e de Donald Trump

Diz-se que o trabalhador humanitário é imensamente popular em Idlib entre moradores e refugiados depois de arrecadar centenas de milhares de libras em ajuda através das mídias sociais, captação de recursos na televisão e outros apelos de caridade. Campanhas para sua libertação foram lançadas em Idlib, predominantemente entre as viúvas e órfãos que confiam em sua caridade para obter ajuda humanitária essencial, e pela volta à Grã-Bretanha, onde ele é conhecido carinhosamente como Tox por seus amigos.

“Pedi à HTS que aceitasse uma visita social minha mesmo”, explicou Ridley. “Alguém tem que representar Sharif e defender seus direitos humanos. Se o governo britânico não fizer isso, eu farei. ” A conhecida jornalista tem experiência em negociações com reféns e na proteção dos direitos e bem-estar dos presos no exterior.

Ela é extremamente crítica à decisão do Ministério do Interior de revogar a cidadania britânica para trabalhadores envolvidos em projetos humanitários em zonas de guerra e conflito, até porque alguns casos dependem fortemente do uso de evidências secretas em procedimentos legais secretos. Depois que soube que sua cidadania havia sido revogada, Sharif acusou o governo britânico de “tornar um crime o cuidar” e também criticou o sistema judicial secreto.

LEIA: Ataques de Israel na Síria desestabilizam a região, segundo Turquia, Irã e Rússia

Ridley diz que a prestação de ajuda na Síria está repleta de dificuldades, mas os trabalhadores humanitários de campo geralmente são autorizados pelo HTS a circular relativamente livremente. “Eu visitei Idlib no ano passado e, embora a jornada tenha sido arriscada. Estou preparado para fazê-lo novamente. Eu não quero jogar o jogo da culpa; Eu só quero ter certeza de que os direitos humanos e o bem-estar de Sharif estejam sendo protegidos. ”

Um apelo em vídeo foi postado por Yvonne Ridley nas mídias sociais. Nela, lembra ao HTS que ela já foi prisioneira do Talibã no Afeganistão, e foi tratada com cortesia e respeito antes de ser libertada por motivos humanitários.

“Espero que minha experiência pessoal tenha repercussão nas pessoas que mantêm Sharif, e é por isso que a mencionei no vídeo. Isso me ajudou a garantir a libertação de outros reféns em ocasiões anteriores. ”

Sharif e sua esposa britânica Racquell Hayden-Best estão na Síria desde 2012, quando ele atuou como líder de logística dos comboios de primeiros socorros da Grã-Bretanha para o país devastado pela guerra, usando ambulâncias para receber alimentos e suprimentos médicos. Ele ficou para trás para criar escolas improvisadas e lançar sua própria organização de ajuda.

O Hay’at Tahrir Al-Sham foi formado em janeiro de 2017 após uma fusão entre Jabhat Fateh Al-Sham, Frente Ansar Al-Din, Jaysh Al-Sunna, Liwa Al-Haqq e o Movimento Nour Al-Din Al-Zenki. Há preocupações de que o grupo tenha se tornado sem lei e autoritário à medida que Idlib entra em um caos adicional sob ataque das forças do regime de Assad, das milícias russas e apoiadas pelo Irã.

Idlib é considerada a última grande fortaleza para rebeldes anti-governo de Assad e grupos jihadistas na Síria. Enquanto tropas do governo pró-Assad e forças aliadas da Rússia e do Irã capturaram partes da província, rebeldes e combatentes islâmicos ainda controlam áreas estratégicas. O HTS é o principal grupo islâmico que opera em Idlib.

*Yvonne Ridley é comentárista da MEMO

Categorias
Europa & RússiaNotíciaOriente MédioReino UnidosSíria
Show Comments
Show Comments