Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Copa do Mundo 2022: Trabalhadores amantes do futebol temem exploração no Catar

1
Souq Waqif, Doha, Catar[Diego Delso/Wikimedia]

Milhares de expatriados desempregados no Catar acordam todas as manhãs com suas telas de celular, na esperança de encontrar um “emprego na FIFA”.

A maioria desses empregos tem uma conexão distante com a entidade máxima do futebol mundial. Os candidatos sabem o que a categoria realmente envolve: um papel que não vai durar mais do que algumas semanas.

Para alguns jovens amantes do futebol, a participação na Copa do Mundo, que começa em 20 de novembro, é um caso do qual se gabar e uma marca de prestígio em seu boné.

É por isso que muitos deles atenderam ao chamado da FIFA em março para 20.000 voluntários no torneio, sem necessidade de experiência anterior.

Mas a realidade para aqueles que se candidatam a oportunidades pagas de última hora é que provavelmente estarão longe de estádios e jogadores de futebol. Em vez disso, eles podem se encontrar em condições de trabalho difíceis, lutando para conter multidões nos metrôs e estradas.

Com empréstimos e custos de vida a pagar, a luta dos desempregados para encontrar trabalho de curto prazo antes do torneio do próximo mês está em andamento.

Boom em empregos de curto prazo

O Catar se tornou um centro de empregos temporários nos últimos meses, com várias empresas multinacionais e instituições estatais anunciando vagas para a Copa do Mundo.

Em junho, o parceiro de hospedagem Accor disse que precisava de 12.000 trabalhadores estrangeiros para os 65.000 quartos em apartamentos e residências que está operando.

LEIA: Copa do Mundo 2022: Futebol, neoliberalismo e revolução no Oriente Médio

O CEO Sebastien Bazin disse que a contratação está em andamento na Ásia, África, Europa e América do Sul para governantas, funcionários da recepção, logística e especialistas.

‘Para cem vagas… uma multidão de 3.000 se reuniu a partir das 6h e ficou sob o sol até o meio-dia’

– HK, trabalhador estrangeiro

“Tudo isso vai ser desmontado no final de dezembro”, disse ele na época.

O Catar também buscou um número não especificado de trabalhadores do Nepal para preencher vagas no setor de serviços.

Homens desempregados no estado do Golfo mostraram ao Middle East Eye [MEE] centenas de mensagens pedindo trabalhadores temporários compartilhadas em grupos do Whatsapp, administrados por organizações comunitárias e ativistas.

1

A Copa do Mundo no Catar e seus problemas [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

A maioria desses grupos surgiu no início da pandemia de Covid-19 há dois anos, quando milhares foram demitidos.

Um jovem líder comunitário disse ao Middle East Eye [MEE] que 17 grupos de mensagens relacionadas ao trabalho e páginas do Facebook em que ele estava envolvido foram usados ​​por mais de 50.000 pessoas no ano passado.

“Um emprego é melhor do que nenhum emprego, mas não devemos ignorar a exploração”, disse um jornalista que cobre a economia gig no Catar.

HK, que só deu suas iniciais, é um daqueles estrangeiros desempregados que verificam constantemente seu telefone em busca de novas oportunidades.

Ele emprestou US$ 1.923 para voos, quarentena e documentação para retornar ao Catar em julho do ano passado, depois de ir à Índia para participar do casamento de sua irmã.

Após seu retorno, ele trabalhou como balconista na Hamad Medical Corporation do Ministério da Saúde, administrando clínicas em hotéis de quarentena.

Mas quando a quarentena foi encerrada pelo governo do Catar em setembro, ele e 2.000 colegas perderam seus empregos.

Agora ele está enfrentando obstáculos na busca por cargos de curto prazo associados à Copa do Mundo.

LEIA: Seleção holandesa agenda reunião com trabalhadores imigrantes no Catar

“Eu participei de seis entrevistas, todas relacionadas à FIFA. Alguns recrutadores nos deixam esperando por algum tempo e depois ligam para assinar um contrato”, disse HK.

Uma das funções exigia que ele se comprometesse por dois meses, mas prometia apenas 12 dias úteis por QR250 (US$ 69) diariamente.

Durante uma entrevista para outro papel, no conglomerado do Catar Ali Bin Ali, HK encontrou cenas caóticas.

“Para cem vagas em sua equipe de vendas, uma multidão de 3.000 pessoas se reunia a partir das 6h e ficava sob o sol até o meio-dia”, contou.

“Depois, os recrutadores interromperam a entrevista temendo a intervenção da polícia e pediram aos candidatos que deixassem as instalações após enviarem seus currículos.”

Alguns trabalhadores recém-contratados disseram ao MEE que estavam “geralmente felizes”, exceto pela curta duração dos empregos. A maioria dos empregos temporários, segundo eles, oferecia duas ou três vezes mais do que o salário mínimo do Catar.

Medo de ser deportado

Embora os relatórios sugiram que os organizadores enfrentam uma escassez de pessoal antes dos 1,2 milhão de visitantes esperados para o torneio, nenhuma das partes interessadas no negócio de contratação temporária estava disposta a compartilhar quantos trabalhadores eram necessários.

As perguntas do MEE à FIFA, cinco recrutadores e seis consultorias de RH que regularmente publicam vagas temporárias não foram respondidas.

A população do Catar atingiu 2.985.000 em outubro, excluindo nacionais e residentes no exterior, com 370.000 pessoas adicionais chegando no ano passado.

Mas a última taxa de desemprego de 0,26% não parece refletir a realidade no terreno.

Muitos trabalhadores têm um “visto gratuito”, uma área legal cinzenta em que são tecnicamente empregados por empresas, mas, na verdade, desempregados ou freelancers. Alguns desses funcionários são alimentados e alojados quando não há trabalho, mas não recebem salário.

Depois, há trabalhadores que foram demitidos por empresas, mas podem manter um visto nessas empresas até encontrarem um emprego.

Trabalhadores nascidos no exterior nessas funções inseguras, muitos dos quais estão lutando para pagar dívidas acumuladas para conseguir trabalho no estado do Golfo, temem que sejam enviados de volta a seus países de origem.

No ano passado, houve relatos de que trabalhadores estrangeiros seriam mandados embora e colocados em licença não remunerada de cinco meses para que não fossem visíveis durante o torneio.

LEIA: Copa do Mundo 2022: Exploração do trabalho envergonha todos, não somente o Catar

Um candidato disse que alguns recrutadores exigiam passaportes como garantia após entrevistas, uma prática ilegal no Catar.

“As empresas temem que os recrutas saltem quando lhes for oferecido um salário mais alto. Fala-se que o salário aumentará nos dias que antecedem a Copa do Mundo”, disse ele, acrescentando que garantir passaportes foi uma solução fácil para evitar o salto.

“Muitos enviam seus certificados de educação em vez de passapmeeortes apenas por precaução.”

Autoridades do Catar e a FIFA não responderam ao pedido do MEE para comentar se ouviram falar sobre tais abusos.

Rothna Begum, pesquisadora sênior do Oriente Médio e Norte da África da Human Rights Watch, disse que sua organização encontrou abusos contra trabalhadores da construção civil, mas não recebeu nenhum caso de abuso de trabalhadores contratados com contratos temporários.

“É claro que há uma diferença se você trabalha para um trabalho relacionado ao [Comitê Supremo] onde você tem melhores padrões de bem-estar do trabalhador e programas que podem beneficiá-lo”, disse ela ao MEE, referindo-se ao comitê organizador oficial da Copa do Mundo.

“Mas se você não estiver com o CS, eles não se aplicam. E a maioria dos trabalhadores não se enquadra no mandato do CS.”

Artigo originalmente publicado no Middle East Eye [MEE]

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoCatarCopa do Mundo Catar 2022OpiniãoOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments