Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Por que a resistência importa: palestinos estão desafiando o unilateralismo e o domínio de Israel

O primeiro-ministro israelense Naftali Bennett (esq.) e o ministro das Relações Exteriores Yair Lapid (dir.) participam de uma foto de grupo tradicional com ministros do novo governo israelense em 14 de junho de 2021 em Jerusalém, Israel [Amir Levy/Getty Images]

Até recentemente, a política israelense não importava para os palestinos. Embora o povo palestino tenha mantido sua agência política nas condições mais desmoralizantes, sua ação coletiva raramente influenciou os resultados em Israel, em parte devido à enorme discrepância de poder entre os dois lados.

Agora que os israelenses estão embarcando em sua quinta eleição em menos de quatro anos, é importante levantar a questão: “Como a Palestina e os palestinos influenciam a política israelense?”

Políticos e mídia israelenses, mesmo aqueles que estão condenando o fracasso do ‘processo de paz’, concordam que a paz com os palestinos não é mais um fator, e que a política israelense quase inteiramente gira em torno das próprias prioridades socioeconômicas, políticas e estratégicas de Israel.

Isso, no entanto, não é exatamente verdade.

Embora seja apropriado argumentar que nenhum dos principais políticos de Israel está engajado no diálogo sobre os direitos palestinos, uma paz justa ou coexistência, a Palestina continua sendo um fator importante na campanha eleitoral da maioria dos partidos políticos de Israel. Em vez de defender a paz, esses campos defendem ideias sinistras, que vão desde a expansão de assentamentos judaicos ilegais até a reconstrução do ‘Terceiro Templo’ – portanto, a destruição da Mesquita de Al-Aqsa. O primeiro é representado pelos ex-primeiros-ministros israelenses Benjamin Netanyahu e Naftali Bennett, e o segundo por personagens mais extremistas como Itamar Ben-Gvir e Bezalel Smotrich.

Por isso, a Palestina sempre influenciou a política israelense de maneira tão vulgar. Mesmo antes do estabelecimento do estado de Israel sobre as ruínas da Palestina histórica em 1948, o movimento sionista entendia que um ‘estado judeu’ só pode existir e manter sua maioria judaica pela força, e somente quando a Palestina e o povo palestino deixarem de existir .

LEIA: À medida que o caos piora, a instabilidade política agora é a norma em Israel

“O sionismo é uma aventura colonizadora e, portanto, permanece ou cai na questão das forças armadas”, escreveu o ideólogo sionista Ze’ev Jabotinsky há quase 100 anos. Essa filosofia de violência continua a permear o pensamento sionista até hoje. “Você não pode fazer uma omelete sem quebrar os ovos. Você tem que sujar as mãos”, disse o historiador israelense Benny Morris em uma entrevista de 2004, em referência à Nakba e à subsequente desapropriação do povo palestino.

Ocupação de 1967, Naksa – charge [Sarwar Ahmed/ Monitor do Oriente Médio]

Até a guerra de 1967, os estados palestinos e árabes importavam, até certo ponto, para Israel. A resistência palestina e árabe consolidou a agência política palestina por décadas. No entanto, o resultado devastador da guerra que, mais uma vez, demonstrou a centralidade da violência para a existência de Israel, relegou os palestinos e quase inteiramente marginalizou os árabes.

Desde então, os palestinos importavam para Israel com base quase exclusivamente nas prioridades israelenses. Por exemplo, os líderes israelenses flexionaram seus músculos diante de seus eleitorados triunfantes atacando campos de treinamento palestinos na Jordânia, Líbano e outros lugares. Os palestinos também foram considerados a nova força de trabalho barata de Israel. De uma maneira irônica, mas também trágica, foram os palestinos que construíram Israel após a derrota humilhante do Naksa, ou o Revés.

Os estágios iniciais do ‘processo de paz’, especialmente durante as conversações de Madri em 1991, deram a falsa impressão de que a agência palestina estava finalmente se traduzindo em resultados tangíveis; essa esperança rapidamente evaporou à medida que os assentamentos judaicos ilegais continuaram a se expandir e os palestinos continuaram a perder suas terras e vidas em um ritmo sem precedentes.

O falecido líder da oposição Ariel Sharon do Likud de direita em 24 de julho de 2000 no Monte das Oliveiras [Menahem Kahana/AFP via Getty Images]

O exemplo final do completo desrespeito de Israel pelos palestinos foi o chamado “plano de retirada” realizado em Gaza pelo falecido primeiro-ministro israelense Ariel Sharon em 2005. O governo israelense acreditava que os palestinos eram inconseqüentes a ponto de a liderança palestina ser excluída de qualquer fase do esquema israelense. Os cerca de 8.500 colonos judeus ilegais de Gaza foram meramente reassentados em outras terras palestinas ocupadas ilegalmente e o exército israelense simplesmente se realocou das áreas densamente povoadas de Gaza para impor um bloqueio hermético na empobrecida Faixa.

O aparato de cerco a Gaza permanece em vigor até hoje. O mesmo se aplica a todas as ações israelenses na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém.

Devido à sua compreensão do sionismo e experiência com o comportamento israelense, geração após geração de palestinos acreditavam corretamente que o resultado da política israelense nunca poderia ser favorável aos direitos e aspirações políticas palestinas. Os últimos anos, no entanto, começaram a alterar essa crença. Embora a política israelense não tenha mudado – na verdade, girada mais para a direita – os palestinos, intencionalmente ou não, tornaram-se atores diretos na política israelense.

A política israelense tem sido historicamente baseada na necessidade de mais colonialismo, fortalecimento da identidade judaica do estado às custas dos palestinos e busca constante pela guerra. Eventos recentes sugerem que esses fatores não são mais controlados apenas por Israel.

A resistência popular na Jerusalém Oriental ocupada e o crescente relacionamento entre ela e várias outras formas de resistência em toda a Palestina estão revertendo o sucesso anterior de Israel em segmentar as comunidades palestinas, dividindo assim a luta palestina entre diferentes facções, regiões e prioridades. O fato de Israel ser forçado a considerar seriamente a resposta de Gaza à sua provocação anual em Jerusalém, conhecida como a ‘Marcha da Bandeira’, ilustra perfeitamente isso.

LEIA: A ultranacionalista Marcha da Bandeira foi como uma voz de comando para a resistência palestina

Como demonstrado repetidas vezes, a crescente resistência em toda a Palestina também está negando aos políticos israelenses a chance de travar uma guerra por votos e status político dentro de Israel. Por exemplo, a guerra desesperada de Netanyahu em maio de 2021 não salvou seu governo, que entrou em colapso logo depois. Bennett, um ano depois, esperava que sua ‘Marcha da Bandeira‘ provocasse uma resposta palestina em Gaza que daria mais tempo à sua coalizão em ruínas. A decisão estratégica dos grupos palestinos de não responder às provocações de Israel frustrou os planos de Bennett. Seu governo também entrou em colapso logo depois.

Ainda assim, uma semana após o desmantelamento da mais recente coalizão de Israel, grupos em Gaza divulgaram um vídeo de um israelense capturado que foi dado como morto, enviando uma mensagem a Israel de que a resistência na Faixa ainda tem mais cartas à sua disposição. O vídeo chamou muita atenção em Israel, obrigando o novo primeiro-ministro israelense Yair Lapid a afirmar que Israel tem “uma obrigação sagrada de trazer para casa” seus cativos.

LEIA: Se a detenção de um soldado israelense é um crime de guerra, e os milhares de civis palestinos?

Todos esses novos elementos têm um impacto direto nas políticas e cálculos israelenses, mesmo que os israelenses continuem negando o óbvio impacto dos palestinos, sua resistência e estratégias políticas.

A razão pela qual Israel se recusa a reconhecer a agência política palestina é que, ao fazê-lo, Tel Aviv não teria outra alternativa senão envolver os palestinos como parceiros em um processo político que poderia garantir justiça, igualdade e coexistência pacífica. Até que essa paz justa seja alcançada, os palestinos continuarão a resistir. Quanto mais cedo Israel reconhecer essa realidade inescapável, melhor.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments