Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Se a detenção de um soldado israelense é um crime de guerra, e os milhares de civis palestinos?

Palestinos entregam carta de 100 milhões à Cruz Vermelha descrevendo as violações de Israel contra prisioneiros palestinos [Mohammed Asad/Monitor do Oriente Médio]

No início desta semana, as Brigadas Izzedine Al-Qassam divulgaram um pequeno vídeo mostrando um soldado israelense mantido como prisioneiro de guerra, Hisham Al-Sayed, deitado na cama e amarrado a um respirador.

As Brigadas disseram que divulgaram o vídeo depois de anunciar a súbita deterioração da saúde de Al-Sayed. Por motivos humanitários, a facção palestina propôs sua libertação em troca da libertação de prisioneiros palestinos doentes que passavam por duras condições de detenção dentro das prisões israelenses.

Al-Sayed está detido junto com outros três, incluindo Avera Mengistu, Oron Shaul e Hadar Goldin. Os dois últimos foram capturados pela resistência palestina durante a ofensiva israelense de 51 dias em Gaza em 2014. Israel acredita que eles foram mortos e que os palestinos estão retendo seus corpos.

Israel afirma que Al-Sayed não é um soldado, dizendo que está mentalmente doente e vagou para o enclave sitiado. A resistência palestina insiste que ele é um soldado e mostrou sua identidade no vídeo para provar isso.

Comentando as imagens de vídeo, o então primeiro-ministro israelense Naftali Bennett responsabilizou o Hamas pela saúde dos israelenses detidos na Faixa de Gaza. Ele também descreveu a detenção de um “civil israelense mentalmente doente” como uma “violação de todas as convenções e leis internacionais”.

Em um comunicado divulgado por seu gabinete, Bennett disse: “O Hamas provou novamente esta noite que é uma organização terrorista cínica e criminosa, que mantém civis doentes mentais em violação de todas as convenções e leis internacionais, bem como os corpos de soldados israelenses mortos.” O mesmo foi declarado pelo atual atual primeiro-ministro israelense Yair Lapid, acrescentando que o Hamas “mantém os cidadãos de Gaza reféns que pagam o preço por suas ações.”

LEIA: ‘Israel é um estado de apartheid – legal, politica e moralmente’, conclui conferência histórica

Lapid reiterou a alegação israelense de que eles estão “sofrendo de doença mental” e o Hamas “mantém cativo há anos em um ato de crueldade inconcebível”. Ele também alegou que o Hamas “está atropelando todas as fronteiras da moralidade e da lei internacional” porque está segurando “os corpos de dois soldados caídos da IDF, Hadar Goldin e Oron Shaul”.

Muitos outros oficiais israelenses comentaram sobre o vídeo e descreveram as facções palestinas, principalmente o Hamas e sua ala militar, como “terroristas” “desprezíveis” que não respeitam as leis e convenções internacionais.

Quero perguntar aos israelenses sobre 4.700 prisioneiros palestinos que enfrentam duras condições de detenção dentro das prisões israelenses.

Em 12 de junho de 2022, a Associação de Apoio ao Prisioneiro e Direitos Humanos, Addameer, informou que havia 4.700 presos políticos palestinos dentro das prisões israelenses, incluindo 640 detidos sem acusação ou julgamento, 170 crianças, 32 mulheres, sete parlamentares. Vinte e cinco prisioneiros estão detidos desde antes da assinatura dos Acordos de Oslo de 1993, 499 estão cumprindo penas de mais de 20 anos, 37 estão cumprindo mais de 25 anos e 551 cumprindo penas de prisão perpétua.

Addameer, juntamente com um grande número de grupos de direitos humanos locais e internacionais e órgãos internacionais, acusam Israel de praticar tortura sistemática contra prisioneiros palestinos dentro de seus centros de interrogatório e prisões.

“Apesar da proibição absoluta de tortura sob a lei internacional, as Forças de Ocupação israelenses empregam rotineiramente tortura física e psicológica, juntamente com tratamento degradante e desumano, contra detidos palestinos”, disse Addameer. “Tortura e maus-tratos persistem, além do interrogatório, como uma condição básica durante todo o encarceramento de prisioneiros palestinos em prisões e centros de detenção israelenses”.

Enquanto os prisioneiros de guerra israelenses mantidos pela resistência palestina desfrutam dos melhores cuidados de saúde e tratamento humano, 600 detidos palestinos doentes não têm acesso a cuidados médicos adequados nas prisões do “estado democrático” de Israel.

Manifestantes, segurando fotos de prisioneiros palestinos e bandeiras palestinas, fazem uma manifestação exigindo que os cadáveres de prisioneiros palestinos que perderam a vida nas prisões israelenses sejam devolvidos às suas famílias na Cidade de Gaza, Gaza, em 22 de maio de 2022. [Mustafa Hassona – Agência Anadolu ]

De acordo com um relatório recente divulgado pelo Clube dos Prisioneiros da Palestina (CPP), 200 dos 600 prisioneiros palestinos doentes nas prisões israelenses sofrem de doenças crônicas e não estão recebendo o tratamento médico necessário. O CPP disse que seis presos foram diagnosticados com câncer desde junho de 2021, elevando para 23 o número total de presos com câncer.

Raafat Hamadouneh, que passou anos dentro das prisões israelenses, disse que a ocupação israelense “explorou” o sofrimento e a doença dos prisioneiros palestinos e os pressionou a fazer confissões falsas. Hamdouneh disse que 228 prisioneiros palestinos morreram nas prisões israelenses desde 1967, incluindo 72 que morreram como resultado da falta de cuidados de saúde adequados.

Bennett e Lapid pediram que “a comunidade internacional, incluindo a Organização Mundial da Saúde, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha e organizações que lidam com doentes mentais, condenem o Hamas por seu comportamento desumano e exija que ele aja de acordo com o direito internacional e libere o civis e corpos que está segurando.”

Se eles acreditam que essas organizações deveriam condenar a detenção de quatro soldados israelenses, o que dizer dos milhares de prisioneiros palestinos dentro das prisões israelenses? Por que Israel impede que representantes dessas organizações entrem em suas prisões e se encontrem com prisioneiros palestinos? Se a detenção de israelenses deve ser condenada, por que não deveria ser a detenção de milhares de palestinos?

O caso de Ahmad Manasra é prova desse duplo padrão e hipocrisia. Detido aos 13 anos, Manasra foi condenado e mantido em prisões israelenses desde então. Agora com 21 anos, ele foi diagnosticado com esquizofrenia e tem pensamentos suicidas. Apesar disso, os tribunais israelenses, repetidas vezes, se recusaram a libertá-lo e permitir que ele voltasse para sua família e tivesse acesso ao tratamento médico necessário.

A lei israelense na época da detenção de Manasra declarava que crianças menores de 14 anos não podiam ser responsabilizadas criminalmente e ele foi condenado apesar de não ter participado do ataque pelo qual foi detido.

Não é apenas a hipocrisia do regime israelense que mina os direitos palestinos, mas também a hipocrisia dos líderes mundiais que protegem Israel – o agressor – e sancionam os palestinos – as vítimas. Os criminosos israelenses continuarão a ser protegidos, enquanto os palestinos são ignorados e humilhados até que o mundo reconheça que Israel é um estado criminoso.

LEIA: Uma causa emblemática para o FSM: sem Palestina Livre, não há outro mundo possível

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments