Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A ultranacionalista Marcha da Bandeira foi como uma voz de comando para a resistência palestina

Os israelenses de extrema direita realizam a 'Marcha de Bandeira' em frente ao Portão de Damasco em Jerusalém, em 15 de junho de 2021 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

Colonos israelenses ultranacionalistas de direita realizaram a “Marcha da Bandeira” em Jerusalém ontem. Devido a questões de segurança, a rota foi alterada em relação aos anos anteriores, e eles passaram pelo Portão de Jaffa da Cidade Velha em vez do Portão de Damasco usual. Também como de costume, os colonos gritavam “Morte aos árabes” e “Jerusalém é judia”. Foi extremamente provocador – que era a intenção, é claro – e deu aos colonos judeus uma oportunidade de expressar seu ódio aos palestinos muçulmanos e cristãos.

A marcha é um evento anual para comemorar a captura de Jerusalém pelas tropas israelenses em 1967. A primeira marcha foi realizada um ano depois. Isso e os que se seguiram nunca foram pacíficos.

Originalmente agendado para 10 de maio, a resistência palestina cumpriu sua promessa de retaliação, a menos que Israel interrompesse seus ataques ao povo de Jerusalém, por isso foi adiado para quinta-feira passada. Mais uma vez, foi adiado – possivelmente para que o governo de Netanyahu de saída não precisasse tomar a decisão – e foi realizado ontem. Foi o novo governo liderado por Naftali Bennett que deu o sinal verde.

A emissora pública israelense Kan informou que o governo enviou mensagens à Autoridade Palestina e à Jordânia de que não estava procurando por nenhum agravamento com a aprovação da Marcha da Bandeira. O Canal 13 News noticiou que uma mensagem foi enviada ao Hamas através do Egito, pedindo ao movimento que não aumentasse a tensão, e alertando-o de uma resposta dura, se o fizesse. Cairo disse ao Hamas que qualquer escalada em resposta à Marcha da Bandeira “dificultaria” a situação.

LEIA: Marcha da bandeira dos colonos israelenses chega ao Portão de Damasco em meio à confrontos

A resistência palestina em Gaza não foi afetada pelas ameaças vazias feitas pelas autoridades de ocupação israelenses, mas disse que acompanharia a situação e tomaria as medidas necessárias sem referência a ninguém, se e quando necessário. “Todas as opções estão sobre a mesa”, disse o Hamas. Ele apontou que a escalada poderia ser evitada “se a Marcha da Bandeira não sair do controle”.

A polêmica sobre a marcha a transformou em um desafio que parecia que a ocupação israelense iria vencer. No terreno, porém, o resultado foi exatamente o oposto. A marcha provou que Israel foi derrotado pela resistência palestina, cuja credibilidade nas ruas foi levantada entre o povo da Palestina ocupada, o mundo árabe em geral e os muçulmanos.

Para abrir caminho para os cerca de 2.500 colonos, a polícia israelense e as forças de segurança dispararam gás lacrimogêneo e balas de borracha contra os palestinos locais ao longo da rota. Mais de 30 ficaram feridos e alguns foram presos.

LEIA: Israel redireciona voos sob receio de mísseis de Gaza

Com medo de uma resposta do Hamas à marcha, as autoridades israelenses redirecionaram os voos civis de e para o Aeroporto Ben Gurion da Faixa de Gaza. O sistema de defesa antimísseis Iron Dome foi colocado em espera.

Embora os extremistas que participaram da marcha estivessem felizes, eles não apenas irritaram as autoridades israelenses, mas também provavelmente jogaram muitos jovens nos braços dos quadros da resistência. Os sargentos de recrutamento designados não poderiam ter feito um trabalho melhor.

A resistência palestina comemorou essa última vitória, que foi reconhecida até mesmo pela mídia e analistas israelenses.

“As posições e decisões corajosas da resistência palestina forçaram a ocupação israelense a mudar o caminho da rota para longe da Mesquita de Al-Aqsa, mudar as rotas das aeronaves civis e fortalecer a implantação da Cúpula de Ferro”, disse o Hamas. “Uma nova era e fórmula de dissuasão em relação a Israel começou.”

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments