Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Grande mídia é criticada por ‘higienizar’ a marcha racista e ultranacionalista de Israel

Colonos judeus fanáticos se reúnem ao redor do Portão de Damasco em Jerusalém Oriental para a "Marcha da Bandeira", em 29 de maio de 2022, em Jerusalém [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

Seções da grande mídia, incluindo a BBC, foram criticadas por “higienizar” a marcha extremamente racista e altamente provocativa de Israel em Jerusalém ocupada no fim de semana.

Estima-se que 25.000 ultranacionalistas israelenses de extrema-direita participaram da marcha do Estado deste ano para celebrar a ocupação de Israel em 1967 e a subsequente anexação ilegal de Jerusalém.

Cerca de 2.600 israelenses de extrema-direita também invadiram o complexo da Mesquita de Al-Aqsa – o terceiro local mais sagrado do Islã – em violação ao status quo de décadas. As orações judaicas são proibidas no Santuário Nobre, onde alguns judeus acreditam que o templo bíblico já existiu. Nos últimos anos, no entanto, o tabu religioso contra andar ao redor do “monte do templo” foi erodido a ponto de ser inexistente.

Vídeos amplamente compartilhados nas mídias sociais desde o dia da marcha mostraram multidões de ultranacionalistas proferindo slogans racistas e altamente provocativos sobre os árabes, o profeta Muhammed (que a paz esteja com ele), a jornalista Shireen Abu Akleh, que foi morta por um atirador israelense, e Mohammad Abu Khdair, uma criança que foi sequestrada, torturada, forçada a beber gasolina e depois queimada até a morte por colonos israelenses em 2014.

No Portão de Damasco, a multidão ultranacionalista, muitas vezes descrita como a versão israelense da Ku Klux Klan, gritou: “Shu’afat está pegando fogo” (referindo-se a Abu Khdair); “Um judeu é uma alma, um árabe é um filho da puta”; “Morte aos árabes”; “Muhammad está morto”; e “Que sua aldeia queime”. Um vídeo os mostra proferindo: “Shireen é uma puta”.

A aparente falha da BBC em mencionar os slogans racistas e provocativos foi criticada nas redes sociais. “Se houvesse uma marcha com gritos de ‘Morte aos judeus’ e ‘Um bom judeu é um judeu morto’, quem acha que a BBC ignoraria”, tuitou Chris Doyle, diretor do Conselho para o Entendimento Árabe-Britânico. “Ainda assim, neste artigo não há uma menção aos slogans de ‘Morte aos árabes’. Isso não é jornalismo, é propaganda.”

Ben Jamal, diretor da Campanha de Solidariedade à Palestina, também criticou a BBC por ignorar os slogans racistas: “Reportagem chocante da @bbcnews. Esta é uma marcha anual endossada pelo estado para celebrar a supremacia racial e colonial sobre o nativo.”

Uma versão atualizada do artigo da BBC mencionou os slogans racistas e mudou as manchetes para refletir a provocação dos colonos. “Slogans abusivos e ameaças que foram feitas por alguns manifestantes contra os palestinos foram incluídos nesta versão da história, a fim de dar uma imagem mais completa dos eventos”, disse a BBC . A corporação também admitiu que havia removido o relatório sobre o ataque à equipe da BBC , mas isso foi restaurado posteriormente. Não está claro se a BBC alterou seu relatório para fornecer um relato mais honesto da marcha após críticas à sua cobertura.

“Enquanto alguns dos manifestantes gritavam ‘O povo de Israel vive!’ houve outros slogans abusivos e ameaças dirigidas aos palestinos, com alguns gritando ‘Morte aos árabes!’ e ‘Que sua aldeia queime!’ disse a BBC no artigo alterado.

O ataque à equipe da BBC por colonos israelenses também foi mencionado: “Uma equipe da BBC que cobria o evento foi agredida verbalmente e empurrada com força por dois manifestantes, fazendo com que um cinegrafista perdesse parte de seu equipamento, disse Tom Bateman , da BBC .

A agência de notícias AFP também foi criticada por não mencionar os slogans racistas e sua tentativa de culpar os palestinos pelo que chamou de “confrontos”. “A @AFP descreve esta imagem de um jornalista palestino idoso sendo socado na cabeça por forças israelenses como ‘forças de segurança israelenses entram em confronto com um jornalista durante uma manifestação para marcar o Dia de Jerusalém na Cidade Velha de Jerusalém, em 29 de maio de 2022’, disse Rafael. Shimunov, ativista político no Queens, em um tweet.

O tópico do Twitter de Shimunov desmascarou a reportagem da AFP e o que parecia ser uma tentativa da agência de sanear a marcha racista e culpar os palestinos pela reação violenta dos colonos ultranacionalistas.

Com quase 2.600 colonos judeus entrando no complexo da Mesquita de Al-Aqsa, a marcha levantou preocupações sobre ameaças ao status quo de longa data na Jerusalém ocupada. Isso tem mantido uma relativa paz na Cidade Santa desde 1967, quando a Jordânia e Israel concordaram que o Ministério de Awqaf (Dotações Religiosas Islâmicas) teria controle sobre assuntos dentro do santuário, enquanto o estado de ocupação controlaria a segurança externa. Não-muçulmanos são permitidos no local durante o horário de visita, mas não podem rezar lá.

LEIA: Colonos invadem Al-Aqsa em meio a planos para Marcha da Bandeira em Jerusalém

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments