Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Balanço de onze dias de bombardeio à Gaza

Ataques de Israel à Gaza, em 16 de maio de 2021 [Mohammed Asa/ Monitor do Oriente Médio]

Israel lançou uma guerra brutal na Faixa de Gaza, na segunda-feira, 10 de maio de 2021, após a invasão de Al-Aqsa por colonos, as tentativas de des

pejar moradores do bairro de Sheikh Jarrah e as respostas a partir de Gaza. Os bombardeios duraram 11 dias, sendo que a resistência palestina lançou foguetes contra cidades israelenses, incluindo Tel Aviv. Os ataques terminaram com um cessar-fogo simultâneo entre Israel e as forças palestinas.

A firmeza da resistência que surpreendeu o governo de ocupação israelense deu início a uma nova fase do conflito palestino-israelense, que deve ter reflexos na cena regional. Está trazendo de volta a causa palestina, depois que muitos pensaram que ela havia morrido por causa da política dos Estados Unidos durante o governo do ex-presidente dos EUA, Donald Trump, e a corrida de vários países à normalização com Israel.

Durante esta guerra, Israel praticou vários tipos de violações dos direitos humanos, segundo observadores, e deixou centenas de mortos e mais de 1900 feridos, além de enormes perdas humanas e econômicas. Neste relatório, monitoramos os resultados da guerra na Faixa de Gaza.

Trabalhos de busca e resgate são realizados depois que ataques aéreos do exército israelense atingiram prédios residenciais em Gaza, em 16 de maio de 2021 [Ashraf Amra/Agência Anadolu]

Trabalhos de busca e resgate são realizados depois que ataques aéreos do exército israelense atingiram prédios residenciais em Gaza, em 16 de maio de 2021 [Ashraf Amra/Agência Anadolu]

Perdas humanas

Os ataques israelenses na Faixa de Gaza resultaram na morte de 254 palestinos, incluindo 66 crianças, 39 mulheres e 17 idosos, e mais de 1.900 feridos, incluindo 380 crianças, 540 mulheres e 91 idosos.

Fontes governamentais e internacionais também informaram que a agressão israelense na Faixa de Gaza levou ao deslocamento de mais de 75.000 palestinos de suas casas, dos quais aproximadamente 50.000 estão distribuídos em 58 escolas da UNRWA, e aproximadamente 25.000 vivem com seus parentes e famílias.

O exército de ocupação israelense lançou mais de 2.000 ataques militares, usando várias armas aéreas, marítimas e terrestres.

Perdas materiais

De acordo com a agência de mídia do governo palestino, o bombardeio israelense se concentrou em casas e prédios residenciais, sedes do governo, infraestrutura, eletricidade, água e redes de esgoto, e os danos resultantes custaram mais de US$ 92 milhões.

Ele acrescentou que o número total de casas e lares bombardeados pelo exército israelense chega a 17.000 unidades habitacionais, das quais 2.000 sofreram demolições totais ou severas, além de 15.000 unidades habitacionais com danos moderados e parciais, como resultado do bombardeio contínuo .

O bombardeio também afetou cerca de 205 edifícios residenciais e casas, que foram totalmente demolidas. 33 escritórios de mídia também foram bombardeados, bem como centenas de outras instituições, sociedades e escritórios.

LEIA: Uma menina chora de medo em bombardeio e diz à mãe: “Não quero morrer”

Sede do governo e infraestrutura

As estimativas iniciais de perdas sofridas pelo setor governamental como resultado do bombardeio israelense são de cerca de US$ 23 milhões, de acordo com o escritório do governo.

O bombardeio teve como alvo cerca de 75 sedes do governo e instalações públicas, entre sedes policiais, de segurança e instalações de serviço.

Fotos de drones mostram a extensão da destruição que atingiu as ruas e bairros residenciais da Cidade de Gaza, em 23 de maio de 2021 [Ali Jadallah/Agência Anadolu]

Entre as mais importantes desses prédios estão a sede do Ministério do Interior e Segurança Nacional no oeste da Cidade de Gaza, totalmente destruída; as sedes governamentais vizinhas, severamente danificadas; a sede da Agência de Segurança Interna em as províncias de Gaza, o norte e Khan Yunis, destruída; o prédio do Ministério do Trabalho, destruídos e o prédio dos Ministérios do Desenvolvimento Social e da Saúde, com grandes danos.

Além disso, 68 escolas, cerca de quinze hospitais, instalações de saúde e clínicas de atenção primária foram severa e parcialmente danificadas.

A agência governamental disse que as perdas iniciais totais com os bombardeamentos de ruas e infraestrutura das redes de água e esgoto, ascenderam a cerca de 30 milhões de dólares.

Já o setor de energia registrou perdas iniciais de US$ 22 milhões, em decorrência do direcionamento de redes, transformadores e linhas de transmissão.

A assessoria de imprensa afirmou que dezenas de veículos foram total ou parcialmente danificados como resultado do bombardeio, com perdas iniciais estimadas em US$ 5,5 milhões.

As redes de comunicação e a Internet também registraram perdas iniciais de US $ 6,5 milhões.

Perdas na Faixa de Gaza resultantes dos ataques de Israel [Hani Aldrsani/Monitor Do Oriente Médio]

O setor agrícola e econômico

O Ministério da Agricultura da Palestina disse que o setor teve perdas de US$ 30 milhões e explicou que o bombardeio afetou “centenas de dunams (um dunam palestino é igual a mil metros quadrados) e dezenas de instalações e armazéns agrícolas, diretamente. ”

O dano foi representado por danos diretos às “terras cultivadas com hortaliças e frutas, e destruição total e parcial de instalações e infraestrutura do setor(linhas de transmissão, redes de irrigação, poços agrícolas, caixas d’água e viveiros)”.

O ministério alertou para “um verdadeiro desastre no setor da pecuária devido ao fechamento contínuo das travessias”.

LEIA: Ocupação israelense divulga o número de aviões e mísseis sobre Gaza na noite passada

O escritório do governo também disse que o total de perdas diretas no setor econômico em Gaza foi de cerca de US$ 40 milhões.

O Euro-Mediterranean Human Rights Monitor (com sede em Genebra) documentou que 525 estabelecimentos econômicos em Gaza foram destruídos e severamente danificados como resultado da agressão israelense, incluindo 50 fábricas.

Os palestinos são vistos em um restaurante que foi parcialmente destruído após os ataques israelenses, na costa da cidade de Gaza, Gaza, em 23 de maio de 2021 [Ashraf Amra]

Lugares religiosos

As perdas materiais totais no setor de doações, incluindo mesquitas, propriedades e imóveis de doações, chegaram a cerca de US$ 5 milhões, de acordo com o escritório do governo em Gaza.

O Ministério de Dotações e Assuntos Religiosos disse, em um comunicado, que os ataques israelenses “destruíram completamente três mesquitas, além de causar danos graves ou médios em mais de 40 mesquitas e uma igreja”.

Os ataques israelenses também destruíram o projeto “Prophecy Legacy”, que é uma rede de lojas de doações na área de Zaytoun, na Cidade de Gaza, com uma área de 260 metros quadrados, de acordo com o comunicado.

Também foram atingidos e destruídos seis cemitérios na Cidade de Gaza, de acordo com o governo.

Depois da guerra

A guerra na Faixa de Gaza terminou, mas seus efeitos permanecem, e o acordo de cessar-fogo entre Israel e as forças palestinas ainda é frágil. Os que os países garantidores do acordo, dos quais o mais importante é o Egito, ainda buscam estabilizar o cessar-fogo pelo período mais longo possível. A maneira como a Faixa de Gaza será reconstruída ainda é incerta.

LEIA: Voluntários palestinos limpam escombros dos ataques israelenses a Gaza

Categorias
IsraelOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaPublicaçõesReportagemUNRWA
Show Comments
Show Comments