Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

À medida que o caos piora, a instabilidade política agora é a norma em Israel

Naftali Bennett, primeiro-ministro de Israel e líder do partido Yamina, à direita, fala com Yair Lapid, ministro das Relações Exteriores de Israel e líder do partido Yesh Atid, durante uma reunião do novo governo no Knesset em Jerusalém, Israel, no domingo, 13 de junho de 2021 [Kobi Wolf/Bloomberg via Getty Images]

O colapso do governo israelense de curta duração de Naftali Bennett e Yair Lapid valida o argumento de que a crise política em Israel não foi inteiramente instigada e sustentada pelo ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu. O governo de coalizão de Bennett consistia em oito partidos, unindo sem dúvida uma das coalizões mais estranhas na tumultuada história da política israelense. O gabinete mishmash incluía grupos de direita e de extrema-direita como Yamina, Yisrael Beiteinu e New Hope, junto com o centrista Yesh Atid e Blue and White, o esquerdista Meretz e até mesmo um partido árabe, a Lista Árabe Unida (Ra’am). A coalizão também tinha representantes do Partido Trabalhista, outrora o campo político dominante de Israel, agora quase completamente irrelevante.

Quando a coalizão foi formada em junho de 2021, Bennett foi celebrado como uma espécie de messias político, que estava pronto para libertar Israel das garras do obstinado, egoísta e corrupto Netanyahu. A confiança no governo de Bennett, no entanto, foi mal colocada. O político milionário era um protegido de Netanyahu e, em muitas ocasiões, parecia estar à direita do líder do partido Likud em várias questões. Em 2013, por exemplo, Bennett declarou com orgulho: “Eu matei muitos árabes na minha vida – e não há problema com isso”. Em 2014, ele criticou muito Netanyahu por não conseguir alcançar os objetivos de Israel em uma das guerras mais mortais contra os palestinos em Gaza sitiada. Além disso, o apoio central de Bennett vem do eleitorado mais extremista e de extrema direita de Israel.

LEIA: 15 anos de experimentos frustrados: Mitos e fatos sobre o cerco israelense a Gaza

Muitos desejavam ignorar tudo isso, na esperança de que Bennett conseguisse expulsar seu ex-chefe. Essa possibilidade tornou-se muito real quando Netanyahu foi oficialmente indiciado em novembro de 2019 por várias acusações graves de corrupção.

Quando o governo de Bennett e Lapid tomou posse oficialmente em 13 de junho de 2021, parecia que uma nova era da política israelense havia começado. Compreendia-se que os campos políticos de Israel haviam finalmente encontrado seu denominador comum. Netanyahu, enquanto isso, foi exilado nas fileiras da oposição. Suas notícias começaram a se esgotar, especialmente quando ele se aprofundou em seu julgamento por corrupção em andamento.

Embora alguns analistas continuem a culpar Netanyahu pelas várias crises sofridas pela coalizão de Bennett – quando Idit Silman renunciou ao cargo em 6 de abril, por exemplo, deixando o governo de coalizão com apenas 60 assentos no Knesset – há poucas provas disso. Este governo israelense de curta duração entrou em colapso sob o peso de suas próprias contradições.

Em relação à Jerusalém ocupada, especificamente no caso da chamada Marcha da Bandeira, Bennett provou ser ainda mais extremo que Netanyahu. Bernard Avishai escreveu no New Yorker que, em 2021, “o governo de Netanyahu mudou a rota da marcha para longe do Portão de Damasco para minimizar a chance de violência”. O “governo de mudança” – uma referência à coalizão de Bennett – “restaurou a rota e até permitiu que mais de dois mil ativistas ortodoxos nacionais, incluindo o membro extremista do Knesset Itamar Ben-Gvir” realizassem suas “visitas” provocativas a Haram Al-Sharif, o Nobre Santuário de Al-Aqsa, um dos locais mais sagrados do Islã.

Israel: quinta eleição provavelmente resultará em impasse político – [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Isso não quer dizer que o retorno de Netanyahu, após a agora agendada eleição de novembro – a quinta eleição geral de Israel em menos de quatro anos – seria uma mudança bem-vinda. A experiência mostrou que, independentemente de quem governa Israel, a atitude política do país, especialmente em relação aos palestinos, provavelmente permanecerá inalterada.

Embora seja verdade que a política israelense é conhecida por ser instável, essa instabilidade piorou nas últimas décadas. Desde 1996, o governo israelense médio não serviu mais de 2,6 anos. No entanto, desde abril de 2019, a média diminuiu drasticamente para menos de um ano por governo. O argumento de longa data era que a atitude dominadora e polarizadora de Netanyahu era a culpada. O ano passado, no entanto, demonstrou que Netanyahu era um mero sintoma do mal-estar político pré-existente de Israel.

Alguns analistas israelenses sugerem que a crise política de Israel só pode terminar quando o país instituir reformas eleitorais e constitucionais. Isso, no entanto, seria uma correção superficial; afinal, muitas das leis parlamentares e eleitorais de Israel estão em vigor há muitos anos, mesmo quando os governos eram relativamente estáveis.

Para que Israel mudasse, uma linguagem de paz e reconciliação teria que substituir a atual atmosfera de incitação e guerra. Os políticos israelenses estão atualmente atiçando as chamas, disputando posições e se alimentando dos gritos violentos de seus apoiadores. Eles teriam que ser transformados em algo totalmente diferente, uma quase impossibilidade na atual atmosfera cheia de ódio em todo o país.

LEIA: Palestinos são ‘destinados à vitória’: Por que Israel profetiza seu fim?

Em entrevista à CNN, o ex-membro do Knesset Yohanan Plesner disse que o problema é a necessidade de Israel por “reformas eleitorais e constitucionais, como fazer qualquer tentativa de iniciar eleições antecipadas dependente de uma maioria de dois terços no parlamento e alterar a lei atual que exige novas eleições quando um orçamento não for aprovado.”

O que os israelenses se recusam a enfrentar é o fato de que os governos que se baseiam em eleitorados de direita, extrema-direita e extremistas são inerentemente instáveis. Mesmo que um primeiro-ministro supostamente centrista ou mesmo de esquerda se encontre no comando do governo, os resultados não mudarão quando o Knesset – na verdade, a maior parte do país – for governado por uma mentalidade militarista, chauvinista e colonial.

As chances são de que as crises políticas de Israel continuem sendo grandes; coalizões serão montadas, apenas para desmoronar logo depois; e os políticos continuarão a se mover para a direita mesmo enquanto afirmam ser membros de outros campos ideológicos. À medida que o caos piora, a instabilidade política de Israel agora é a norma, não a exceção.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEleições israelensesIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments