Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Acusado pelo assassinato de Abu Akleh, Israel reage à ONU

Manifestantes muçulmanos e cristãos se reúnem na Igreja de São Porfírio na Cidade de Gaza, Gaza, em 15 de maio de 2022, a pedido do Sindicato dos Jornalistas Palestinos e do Conselho de Representantes da Igreja Ortodoxa Árabe para protestar em repúdio ao assassinato da jornalista Shireen Abu Akleh por Israel [Ali Jadallah/ Agência Anadolu]

O exército israelense respondeu a um relatório do Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos (ACNUDH) que acusou as forças israelenses de matar a jornalista palestino-americana Shireen Abu Akleh.

Um comunicado do exército diz que “após as investigações tendenciosas que foram apresentadas nos últimos dias, a IDF mais uma vez reitera seu apelo aos palestinos para compartilhar o acesso à bala com a qual a jornalista palestina Shireen Abu Akleh foi morta. A Autoridade Palestina coopera com Israel em investigações de tempos em tempos. A recusa dos palestinos em transferir a bala e realizar uma investigação conjunta com a representação americana está revelando seus motivos.”

“Deve-se notar que este foi um evento operacional durante o qual ocorreu uma troca de tiros entre soldados da IDF e homens armados palestinos durante atividades de contraterrorismo em Jenin”, acrescenta o comunicado.

A declaração continua: “Desde o incidente, a IDF vem investigando e revisando as circunstâncias da morte da Sra. Abu Akleh. A investigação da IDF conclui claramente que a Sra. Abu Akleh não foi baleada intencionalmente por um soldado da IDF e que não é possível determinar se ela foi morta por um palestino atirando indiscriminadamente em sua área ou inadvertidamente por um soldado IDF.”

A declaração conclui: “A IDF lamenta os danos aos não-combatentes, inclusive durante as trocas de tiros e situações de combate ativo, e está fortemente investida na manutenção do movimento e da liberdade de imprensa”.

Na sexta-feira, o ACNUDH da ONU concluiu que Abu Akleh foi morta em 11 de maio pelas forças israelenses.

A porta-voz da Comissão das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Ravina Shamdasani, disse em uma entrevista coletiva em Genebra que os disparam contra Abu Akleh e seu colega Ali Sammoudi “vieram das Forças de Segurança de Israel e não de disparos indiscriminados por palestinos armados, como inicialmente alegado pelas autoridades israelenses.”

LEIA: Washington Post aponta evidências de que foi soldado israelense quem matou a jornalista Shireen Abu Akleh

Categorias
IsraelNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments