Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Bennett tem que andar com cuidado ou a ‘Espada de Jerusalém’ pode ser desembainhada novamente

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, em 10 de abril de 2022 [Ronen Zvulun/POOL/AFP via Getty Images]

Desde 15 de abril, o exército de ocupação israelense e a polícia fazem incursões diárias na Mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém ocupada. Sob o pretexto de fornecer proteção para “visitas” provocativas de milhares de colonos judeus israelenses ilegais e fanáticos de direita, o exército de ocupação feriu centenas de palestinos, incluindo jornalistas, e prendeu centenas de outros.

Os palestinos entendem que os atuais ataques a Al-Aqsa carregam significados políticos e estratégicos mais profundos para Israel do que os ataques anteriores. O Nobre Santuário de Al-Aqsa passou por incursões de rotina por forças israelenses sob vários disfarces no passado. No entanto, o significado da mesquita adquiriu peso adicional nos últimos anos, especialmente após a popular rebelião palestina, protestos em massa, confrontos e outra guerra israelense contra civis em Gaza em maio passado, que os palestinos chamam de Saif Al-Quds, Operação Espada de Jerusalém.

Historicamente, Haram Al-Sharif – o Nobre Santuário – tem estado no centro da luta popular na Palestina, bem como no centro das políticas israelenses. Localizado na Cidade Velha de Jerusalém ocupada, o Santuário é considerado um dos locais mais sagrados para todos os muçulmanos ao redor do mundo. Tem um lugar especial no Islã, como foi mencionado no Alcorão Sagrado e nos ditos do Profeta Muhammad. O complexo contém várias mesquitas históricas e dezessete portões, além de outros importantes locais islâmicos. Al-Aqsa é uma dessas mesquitas; a Cúpula da Rocha é outra.

O significado de Al-Aqsa ganhou atribuição adicional para os palestinos devido à ocupação israelense que, ao longo dos anos, alvejou mesquitas, igrejas e outros locais sagrados palestinos. Por exemplo, durante a guerra israelense de 2014 na Faixa de Gaza sitiada, o Ministério Palestino de Doações e Assuntos Religiosos disse que 203 mesquitas foram danificadas por bombas israelenses, com 73 sendo completamente destruídas.

LEIA: A crescente geografia da resistência da Palestina: Por que Israel não pode derrotá-la?

Assim, muçulmanos e cristãos palestinos consideram Al-Aqsa, o Santuário e outros locais muçulmanos e cristãos em Jerusalém como uma linha vermelha que não deve ser cruzada por Israel. Geração após geração, eles se mobilizaram para proteger os locais, embora, às vezes, não pudessem fazê-lo. Em 1969, por exemplo, o extremista judeu australiano Denis Michael Rohan realizou um ataque incendiário em Al-Aqsa.

Mesmo as recentes incursões na mesquita não se limitaram a atacar e prender fiéis. Na segunda sexta-feira do Ramadã, muita destruição ocorreu em Al-Aqsa, e seus famosos vitrais foram quebrados e os móveis foram quebrados.

Os ataques ao Haram Al-Sharif continuam enquanto escrevo. Os extremistas judeus estão se sentindo cada vez mais empoderados pela proteção que estão recebendo dos militares israelenses e pelo cheque em branco fornecido por políticos israelenses influentes. Muitos dos ataques são liderados pelo membro de extrema direita do Knesset israelense Itamar Ben-Gvir, pelo político do Likud Yehuda Glick ou pelo ex-ministro do governo Uri Ariel.

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, está, sem dúvida, usando os ataques a Al-Aqsa como uma forma de manter seu eleitorado religioso e de extrema-direita na linha. A renúncia repentina em 6 de abril de Idit Silman, um membro do partido de direita Yamina, deixou Bennett ainda mais desesperado em sua tentativa de dar vida à sua coalizão rebelde. Uma vez líder do Conselho Yesha, uma organização guarda-chuva de assentamentos ilegais na Cisjordânia ocupada, Bennett subiu ao poder nas costas de fanáticos religiosos, seja em Israel ou nos Territórios Palestinos Ocupados. Perder o apoio dos colonos poderia facilmente custar-lhe sua posição.

O comportamento de Bennett é consistente com os de líderes israelenses anteriores, que aumentaram a violência em Al-Aqsa como forma de distrair sua base de eleitores de seus próprios problemas políticos, ou para apelar ao poderoso eleitorado israelense de extremistas religiosos e de direita. Em setembro de 2000, o então líder da oposição israelense Ariel Sharon invadiu a Mesquita de Al-Aqsa com milhares de soldados israelenses, policiais e extremistas com ideias semelhantes. Ele fez isso para provocar uma resposta palestina e derrubar o governo de seu arqui-inimigo, Ehud Barak. Sharon conseguiu, mas a um preço alto; sua “visita” desencadeou a Segunda Intifada Palestina de cinco anos, também conhecida como Al-Aqsa Intifada.

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, prometeu que seu governo continuará a construir assentamentos ilegais na Cisjordânia ocupada [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Em 2017, milhares de palestinos protestaram contra uma tentativa israelense de instalar “câmeras de segurança” nas entradas do santuário sagrado. A medida também foi uma tentativa do ex-primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu de apaziguar seus partidários de direita, mas os protestos em massa em Jerusalém e a subsequente unidade palestina na época forçaram Israel a cancelar seus planos.

Desta vez, porém, os palestinos temem que Israel tenha como objetivo mais do que uma mera provocação. Israel planeja “impor uma divisão temporal e espacial da Mesquita de Al-Aqsa”, de acordo com Adnan Ghaith, principal representante da Autoridade Palestina em Jerusalém Oriental. Essa frase em particular – “divisão temporal e espacial” – também é usada por muitos palestinos, pois temem uma repetição do cenário da Mesquita Ibrahimi.

LEIA: Palestina precisa de ajuda imediata para evitar uma grande crise alimentar

Após o assassinato de 29 fiéis muçulmanos em 1994 nas mãos de um extremista judeu israelense, Baruch Goldstein, e o subsequente assassinato de muitos outros palestinos pelo exército israelense na mesquita Ibrahimi em Hebron (Al-Khalil), Israel dividiu a mesquita. Alocou um espaço maior para os colonos judeus enquanto restringia o acesso aos palestinos, que podem orar em determinados momentos e proibidos em outros. Isso é precisamente o que os palestinos entendem por divisão temporal e espacial, que tem estado no centro da estratégia israelense por muitos anos.

Bennett, no entanto, deve andar com cuidado. Os palestinos hoje estão mais unidos em sua resistência e consciência dos planos israelenses do que em qualquer outro momento do passado. Um componente importante dessa unidade são os cidadãos palestinos de Israel, que agora defendem um discurso político semelhante ao de seus colegas palestinos em Gaza, Cisjordânia e Jerusalém Oriental. De fato, muitos dos defensores de Al-Aqsa vêm dessas comunidades “árabes israelenses”. Se Israel continuar com suas provocações em Al-Aqsa, corre o risco de outra revolta palestina como a que aconteceu em maio passado, que começou de forma reveladora em Jerusalém Oriental.

Apelar aos eleitores de direita atacando, humilhando e provocando os palestinos não é mais uma tarefa fácil, como muitas vezes acontecia no passado. Como a “Espada de Jerusalém” nos ensinou, os palestinos agora são capazes de responder de forma unificada e, apesar de seus meios limitados, até mesmo pressionar Israel a reverter suas políticas. Bennett deve se lembrar disso antes de realizar mais provocações violentas em Al-Aqsa, ou a “Espada de Jerusalém” pode ser desembainhada novamente.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments