Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A crescente geografia da resistência da Palestina: Por que Israel não pode derrotá-la?

Policiais tomam medidas de segurança na rua Dizengoff após um tiroteio em Tel Aviv, Israel, em 7 de abril de 2022. [Stringer - Agência Anadolu]

Há uma razão pela qual Israel insiste em vincular a série de ataques realizados recentemente por palestinos a um local específico, a saber, o campo de refugiados de Jenin, no norte da Cisjordânia. Ao fazer isso, o governo de Naftali Bennett em apuros pode simplesmente ordenar outra operação militar mortal em Jenin para tranquilizar seus cidadãos de que a situação está sob controle.

De fato, em 9 de abril, o exército israelense invadiu o campo de refugiados de Jenin, matando um palestino e ferindo outros dez. No entanto, o problema de Israel é muito maior do que Jenin.

Se examinarmos os eventos que começam com o esfaqueamento de 22 de março na cidade de Beersheba (Bir Al Saba’) – que resultou na morte de quatro pessoas – e termina com o assassinato de três israelenses em Tel Aviv – incluindo dois oficiais do exército – chegaremos a uma conclusão óbvia: esses ataques devem ter sido, até certo ponto, coordenados.

A retaliação palestina espontânea à violência da ocupação israelense raramente segue esse padrão em termos de tempo ou estilo. Todos os ataques, com exceção de Berseba, foram realizados com armas de fogo. Os atiradores, conforme indicado pelos vídeos amadores de alguns dos eventos e declarações de testemunhas oculares israelenses, eram bem treinados e estavam agindo com grande compostura.

Um exemplo foi o evento Hadera de 27 de março, realizado por dois primos, Ayman e Ibrahim Ighbariah, da cidade árabe de Umm Al-Fahm, dentro de Israel. A mídia israelense relatou as habilidades inconfundíveis dos atacantes, armados com armas que, segundo a agência de notícias israelense Tazpit Press Service, custam mais de US$ 30.000.

LEIA: A próxima crise de Gaza pode ser pior do que qualquer coisa que já vimos

Ao contrário dos ataques palestinos realizados durante a Segunda Intifada Palestina (2000-05) em resposta à violência israelense nos territórios ocupados, os ataques mais recentes são geralmente mais pontuais, buscam policiais e militares e claramente visam abalar a falsa sensação de segurança de Israel e minar serviços de inteligência do país. No ataque de Bnei Brak, em 29 de março, por exemplo, uma mulher israelense que estava no local disse a repórteres que “o militante pediu que nos afastássemos do local porque não queria atingir mulheres ou crianças”.

Embora os relatórios de inteligência israelenses tenham alertado recentemente sobre uma “onda de terrorismo” antes do mês sagrado do Ramadã, eles claramente tinham pouca noção de que tipo de violência, ou onde e como os palestinos atacariam.

Após o ataque de Beersheba, oficiais israelenses se referiram à responsabilidade do Daesh, uma alegação conveniente, considerando que o Daesh também reivindicou a responsabilidade. Essa teoria foi rapidamente marginalizada, pois ficou óbvio que os outros atacantes palestinos tinham outras afiliações políticas ou, como no caso Bnei Brak, nenhuma afiliação conhecida.

A confusão e a desinformação continuaram por dias. Logo após o ataque de Tel Aviv, a mídia israelense, citando fontes oficiais, falou de dois agressores, alegando que um estava preso em um prédio próximo. Isso não era verdade, pois havia apenas um atacante e ele foi morto, embora horas depois em uma cidade diferente.

Vários trabalhadores palestinos foram rapidamente presos em Tel Aviv sob suspeita de serem os agressores simplesmente porque pareciam árabes, evidência da caótica abordagem israelense. De fato, após cada evento, o caos total se seguiu, com grandes multidões de israelenses armados tomando as ruas à procura de qualquer pessoa com características árabes para prender ou espancar sem sentido.

Autoridades israelenses contribuíram para o frenesi, com políticos de extrema direita, como o extremista Itamar Ben Gvir, liderando hordas de outros extremistas em tumultos na Jerusalém ocupada.

Palestinos assistem à cerimônia fúnebre do palestino Ahmed Nasser Al-Saidi, que foi morto no ataque das forças israelenses, no campo de refugiados de Jenin em Jenin, Cisjordânia, em 9 de abril de 2022. [Issam Rimawi – Agência Anadolu]

Em vez de pedir calma e demonstrar confiança, o próprio primeiro-ministro do país pediu, em 30 de março, aos israelenses comuns que se armassem. “Quem tem uma licença de arma, esta é a hora de carregá-la”, disse ele em um comunicado em vídeo. No entanto, se a solução de Israel para qualquer forma de resistência palestina fosse mais armas, os palestinos já teriam sido pacificados há muito tempo.

Para aplacar os israelenses furiosos, os militares israelenses invadiram a cidade e o campo de refugiados de Jenin em muitas ocasiões, sempre deixando vários palestinos mortos e feridos para trás, incluindo muitos civis. Eles incluem a criança, Imad Hashash, 15, morto em 24 de agosto enquanto filmava a invasão em seu celular. Exatamente o mesmo cenário aconteceu em 9 de abril.

No entanto, foi um exercício de futilidade, pois foi a violência israelense em Jenin ao longo dos anos que levou à resistência armada que continua a emanar do campo. Os palestinos, seja em Jenin ou em qualquer outro lugar, reagem porque lhes são negados direitos humanos básicos, não têm horizonte político, vivem em extrema pobreza, não têm liderança verdadeira e se sentem abandonados pela chamada comunidade internacional.

A Autoridade Palestina de Mahmoud Abbas parece estar totalmente afastada das massas. As declarações de Abbas refletem seu distanciamento da realidade da violência israelense, ocupação militar e apartheid em toda a Palestina. Fiel à forma, Abbas condenou rapidamente o ataque de Tel Aviv, como fez nos anteriores, sempre fazendo a mesma referência sobre a necessidade de manter a “estabilidade” e evitar “uma maior deterioração da situação”, segundo a notícia oficial da agência  Wafa.

A que estabilidade Abbas está se referindo, quando o sofrimento palestino foi agravado pela crescente violência dos colonos, expansão ilegal de assentamentos, roubo de terras e, graças aos recentes eventos internacionais, também insegurança alimentar?

LEIA: De Tantura a Naqab, a vergonha de Israel está sendo exposta

Autoridades israelenses e a mídia estão, mais uma vez, convenientemente colocando a culpa em Jenin, um pequeno trecho de uma área superpovoada. Ao fazer isso, Israel quer dar a impressão de que o novo fenômeno dos ataques de retaliação palestinos está confinado a um único lugar, adjacente à fronteira israelense e que pode ser facilmente ‘tratado’.

Uma operação militar israelense no campo pode servir à agenda política de Bennett, transmitir uma sensação de força e reconquistar alguns de seu eleitorado político desencantado. Mas é tudo uma correção temporária. Atacar Jenin agora não fará diferença a longo prazo. Afinal, o campo renasceu das cinzas de sua destruição quase total pelos militares israelenses em abril de 2002.

Os renovados ataques palestinos falam de uma geografia muito mais ampla: Naqab, Umm Al Fahm, Cisjordânia. As sementes dessa conectividade territorial estão ligadas à guerra israelense de maio passado e à subsequente rebelião palestina, que eclodiu em todas as partes da Palestina, incluindo as comunidades palestinas dentro de Israel.

O problema de Israel é sua insistência em fornecer soluções militares de curto prazo para um problema de longo prazo, ele próprio resultante dessas mesmas ‘soluções militares’. Se Israel continuar a subjugar o povo palestino sob o atual sistema de ocupação militar e aprofundamento do apartheid, os palestinos certamente continuarão a responder até que sua realidade opressiva seja alterada. Nenhuma quantidade de violência israelense pode alterar essa verdade.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments