Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O acordo bilionário que tornou Google e Amazon parceiros na ocupação israelense da Palestina

Sede do Google em Mountain View, Califórnia, Estados Unidos, em 28 de outubro de 2021. [Tayfun Coşkun/Agência Anadolu]

“Somos anônimos porque tememos retaliação.” Este texto fazia parte de uma carta assinada por 500 funcionários do Google em outubro passado, na qual eles denunciavam o apoio direto de sua empresa ao governo e às forças armadas israelenses.

Em sua carta, os signatários protestaram contra um contrato de US$ 1,2 bilhão entre o Google, a Amazon Web Services (AWS) e o governo israelense, que fornece serviços em nuvem para as forças armadas e o governo israelenses que “permite maior vigilância e coleta ilegal de dados sobre palestinos e facilita expansão dos assentamentos ilegais de Israel em terras palestinas”.

Isso é chamado de Projeto Nimbus. O projeto foi anunciado em 2018 e entrou em vigor em maio de 2021, na primeira semana da guerra israelense em Gaza sitiada, que matou mais de 250 palestinos e feriu muitos outros.

Os funcionários do Google não só ficaram incomodados com o fato de que, ao firmar esse acordo com Israel, sua empresa se envolveu diretamente na ocupação israelense da Palestina, mas ficaram igualmente indignados com o “padrão perturbador de militarização” que viu contratos semelhantes entre o Google – Amazon, Microsoft e outros gigantes da tecnologia – com os militares dos EUA, Immigration and Customs Enforcement (ICE) e outras agências de policiamento.

LEIA: Enfrentando a tempestade global: por que a neutralidade não é uma opção para os palestinos

Em um artigo publicado no jornal The Nation em junho, três respeitados acadêmicos dos EUA revelaram o componente financeiro da decisão da Amazon de se envolver em um negócio tão imoral, argumentando que esses contratos vinculados a militares “se tornaram uma importante fonte de lucro para a Amazon.” Estima-se, de acordo com o artigo, que a AWS sozinha foi responsável por 63% dos lucros da Amazon em 2020.

A máxima ‘pessoas antes do lucro’ não pode ser mais apropriada do que no contexto palestino, e nem Google nem Amazon podem alegar ignorância. A ocupação israelense da Palestina está em vigor há décadas, e várias resoluções das Nações Unidas condenaram Israel por sua ocupação, expansão colonial e violência contra palestinos. Se tudo isso não foi suficiente para diminuir o entusiasmo do Google e da Amazon em se engajar em projetos que visavam especificamente proteger a ‘segurança nacional’ de Israel – leia-se: ocupação contínua da Palestina – um relatório condenatório do maior grupo de direitos humanos de Israel, B’tselem deveria ter servido como esse despertador.

B’tselem declarou Israel um estado de apartheid em janeiro de 2021. O grupo internacional de direitos humanos, Human Rights Watch (HRW) seguiu o exemplo em abril, denunciando também o estado de apartheid israelense. Isso foi apenas algumas semanas antes do Projeto Nimbus ser declarado. Era como se o Google e a Amazon estivessem propositalmente declarando seu apoio ao apartheid. O fato de o projeto ter sido assinado durante a guerra israelense em Gaza fala muito sobre o completo desrespeito das duas gigantes da tecnologia pelo direito internacional, direitos humanos e a própria liberdade do povo palestino.

Fica pior. Em 15 de março, centenas de funcionários do Google assinaram uma petição protestando contra a demissão de um de seus colegas, Ariel Koren, que estava ativa na geração da carta de outubro em protesto ao Projeto Nimbus. Koren era gerente de marketing de produto do Google for Education e trabalhava na empresa há seis anos. No entanto, ela era o tipo de funcionário que não era bem recebido por empresas como o Google, já que a empresa agora está diretamente envolvida em vários projetos militares e de segurança.

“Para mim, como funcionária judia do Google, sinto um profundo senso de intensa responsabilidade moral”, disse ela em um comunicado em outubro passado. “Quando você trabalha em uma empresa, você tem o direito de ser responsável pela maneira como seu trabalho está sendo usado”, acrescentou.

O Google rapidamente retaliou essa declaração aparentemente ultrajante. No mês seguinte, seu empresário “apresentou-lhe um ultimato: mudar-se para o Brasil ou perder o cargo”. De qualquer forma, ela foi expulsa da empresa.

Koren não foi a primeira entre funcionários do Google – ou da Amazon – a ser demitido por defender uma boa causa, nem seria, infelizmente, o último. Nesta era de militarismo, vigilância, reconhecimento facial injustificado e censura, falar o que pensa e ousar lutar pelos direitos humanos e outras liberdades básicas não é mais uma opção.

Os armazéns da Amazon podem ser tão ruins ou até piores do que uma fábrica típica. Em março passado, e após uma breve negação, a Amazon se desculpou por forçar seus funcionários a fazer xixi em garrafas de água – e pior – para que seus gerentes pudessem cumprir suas cotas exigidas. O pedido de desculpas seguiu evidências diretas fornecidas pelo site de jornalismo investigativo The Intercept. No entanto, não se espera que a empresa acusada de inúmeras violações dos direitos dos trabalhadores – incluindo seu envolvimento em ‘rebentar os sindicatos’ – mude de rumo tão cedo, especialmente quando tantos lucros estão em jogo.

Mas os lucros gerados pelo monopólio do mercado, maus-tratos aos trabalhadores ou outras más condutas são diferentes dos lucros gerados pela contribuição direta para crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Embora as violações dos direitos humanos devam ser evitadas em todos os lugares, independentemente de seus contextos, a guerra de Israel contra o povo palestino, agora com a ajuda direta de tais empresas, continua sendo uma das injustiças mais graves que continuam a marcar a consciência da humanidade. Nenhuma justificativa do Google ou racionalização da Amazon pode mudar o fato de que eles estão facilitando os crimes de guerra israelenses na Palestina.

LEIA: De Tantura a Naqab, a vergonha de Israel está sendo exposta

Para ser mais preciso, de acordo com o The Nation, o serviço de nuvem Google-Amazon ajudará Israel a expandir seus assentamentos judaicos ilegais “apoiando dados para a Autoridade de Terras de Israel (ILA), a agência governamental que administra e aloca terras do estado”. Esses assentamentos, que são repetidamente condenados pela comunidade internacional, são construídos em terras palestinas e estão diretamente ligados à limpeza étnica em curso do povo palestino.

De acordo com o jornal israelense Haaretz, o Projeto Nimbus é a “licitação mais lucrativa emitida por Israel nos últimos anos”. O Projeto, que desencadeou uma “guerra secreta” envolvendo os principais generais do exército israelense – todos competindo por uma participação nos lucros – também aguçou o apetite de muitas outras empresas internacionais de tecnologia, todas querendo fazer parte do impulso tecnológico de Israel, com o objetivo final de manter os palestinos presos, ocupados e oprimidos.

É precisamente por isso que o movimento de boicote palestino é absolutamente crítico, pois visa essas empresas internacionais, que estão migrando para Israel em busca de lucros. Israel, pelo contrário, deve ser boicotado e não habilitado, sancionado e não recompensado. Embora a geração de lucro seja compreensivelmente o principal objetivo de empresas como Google e Amazon, esse objetivo pode ser alcançado sem necessariamente exigir a subjugação de todo um povo, que atualmente é vítima do último regime de apartheid que resta no mundo.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEstados UnidosIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments