Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

De Tantura a Naqab, a vergonha de Israel está sendo exposta

Palestinos se reúnem durante um protesto contra as implementações de Israel em relação aos árabes no deserto de Negev, em Jerusalém Oriental, em 30 de janeiro de 2022 [Issam Rimawi/Agência Anadolu]

Uma sucessão de eventos nas últimas semanas aponta para o fato inevitável de que quase 75 anos de esforços meticulosos de Israel para esconder a verdade sobre suas origens e seu regime racista de apartheid estão falhando miseravelmente. O mundo está finalmente acordando, e Israel está perdendo terreno mais rápido do que é capaz de ganhar novos adeptos ou limpar seus crimes passados ​​e em andamento.

Primeiro, houve as revelações sobre Tantura, uma pacífica vila palestina cujos habitantes foram em sua maioria exterminados pela Brigada Alexandroni de Israel em 23 de maio de 1948. Como muitos outros massacres cometidos contra palestinos desarmados ao longo dos anos, o massacre de Tantura foi lembrado principalmente pelos poucos sobreviventes, palestinos comuns e historiadores palestinos. A mera tentativa em 1998 do estudante israelense Theodore Katz de lançar luz sobre esse sangrento evento desencadeou uma guerra legal, midiática e acadêmica, forçando-o a retratar suas descobertas.

Em um post recente nas redes sociais, o professor Ilan Pappé revelou o motivo pelo qual, em 2007, ele teve que renunciar ao cargo na Universidade de Haifa. “Um dos meus ‘crimes'”, escreveu Pappé, “foi insistir que houve um massacre na aldeia de Tantura em 1948, como foi exposto pelo estudante de mestrado, Teddy Katz”.

Agora, alguns veteranos da Brigada Alexandroni finalmente confessaram os crimes em Tantura.

LEIA: Em vez de libertar prisioneiros palestinos, novo esquema visa punir suas famílias

“Eles silenciaram. Não deve ser dito, pode causar todo um escândalo. Não quero falar sobre isso, mas aconteceu.” Essas foram as palavras de Moshe Diamant, ex-membro da Brigada Alexandroni que, com outros veteranos, revelou no documentário “Tantura”, de Alon Schwarz, os detalhes sangrentos dos crimes horríveis que foram cometidos na aldeia palestina.

Um oficial “matou um árabe após o outro” com sua pistola, disse o ex-soldado Micha Vitkon. “Eles os colocaram em um barril e atiraram neles. Eu me lembro do sangue no barril”, explicou outro. “Eu era um assassino. Não fiz prisioneiros”, admitiu Amittur Cohen.

Centenas de palestinos foram mortos em Tantura a sangue frio. Eles foram enterrados em valas comuns, a maior das quais se acredita estar sob um estacionamento na praia de Dor, onde as famílias israelenses se reúnem diariamente.

O massacre de Tantura é sem dúvida a representação mais gritante da criminalidade israelense “oculta” na lista de vergonha do Estado de ocupação. No entanto, essa não é apenas a história de Tantura. O massacre na aldeia é representativo de algo muito maior, de limpeza étnica em grande escala, despejos forçados e assassinatos em massa. Felizmente, a verdade agora está sendo desenterrada e exposta.

Em outro exemplo, o exército israelense lançou uma operação militar em grande escala em 1951 para limpar etnicamente os beduínos palestinos do deserto de Naqab. As cenas trágicas de comunidades inteiras sendo desarraigadas de seus lares ancestrais foram justificadas por Israel com o habitual clichê de que o terrível ato foi realizado por “razões de segurança”.

Em 1953, Israel aprovou a chamada Lei de Aquisição de Terras, que permitia que o Estado de ocupação tomasse as terras dos palestinos que haviam sido expulsos de suas casas. Até então, Israel havia expropriado ilegalmente 247.000 dunams de terra no Naqab, com 66.000 restantes “não utilizados”. A terra restante é atualmente o epicentro de uma saga em andamento envolvendo comunidades beduínas palestinas em Israel e o governo israelense, que faz afirmações ridículas de que a terra é “essencial” para as “necessidades de desenvolvimento” de Israel.

Extensa pesquisa conduzida pelo professor Gadi Algazi aponta para a narrativa de Israel no Naqab sendo uma fabricação completa. De acordo com vários documentos recém-revelados, Moshe Dayan, então chefe do Comando Sul do exército israelense, foi fundamental para um governo israelense e uma manobra militar para despejar a população beduína e “revogar seus direitos como proprietários de terras”, sob a convenientemente lei israelense criada que permitia ao governo “arrendar” a terra como se fosse sua.

Israel está tentando roubar mais terras palestinas no Negev [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

“Houve uma transferência organizada de cidadãos beduínos do noroeste do Negev para o leste para áreas áridas, com o objetivo de tomar suas terras”, disse Algazi ao Haaretz. “Eles realizaram essa operação usando uma mistura de ameaças, violência, suborno e fraude.”

Todo o esquema foi organizado de forma a facilitar a alegação de que os palestinos haviam se movido “voluntariamente”, apesar de sua lendária resistência e “da teimosia com que tentaram manter suas terras, mesmo à custa da fome e da sede, para não mencionar as ameaças e a violência do exército.”

Além disso, um volume recém-lançado pelo historiador francês Vincent Lemire descartou inteiramente a versão oficial israelense de como o Bairro Marroquino em Jerusalém foi demolido em junho de 1967. Embora historiadores palestinos e árabes tenham argumentado há muito tempo que a destruição do bairro – 135 casas, duas mesquitas e mais – foi feita de acordo com a ordem do governo israelense através do então prefeito judeu de Jerusalém, Teddy Kollek, Israel negou por muito tempo essa versão. De acordo com o relato oficial israelense, a demolição do bairro foi realizada por “15 empreiteiros judeus privados [que] destruíram o bairro para dar espaço à praça do Muro das Lamentações”.

Em entrevista à Agence France-Presse (AFP), Lemire disse que seu livro oferece “prova definitiva e escrita sobre a premeditação, o planejamento e a coordenação dessa operação”, o que inclui reuniões oficiais entre Kollek, comandante do Exército israelense exército e outros altos funcionários do governo.

LEIA: O medo da palavra apartheid

A história continua com revelações mais comoventes como uma versão bem integrada da verdade, expondo fatos há muito escondidos ou negados. Os dias de Israel se safando desses crimes parecem ter ficado para trás. Pela terceira vez em pouco mais de doze meses, uma importante organização de direitos humanos, nesta ocasião a Anistia Internacional, condenou o apartheid israelense.

O relatório da Anistia – “O Apartheid de Israel contra os Palestinos: Um Olhar em Décadas de Opressão e Dominação” – tem 280 páginas de provas condenatórias do racismo e do apartheid de Israel. Não se coíbe de conectar o presente violento de Israel com seu passado igualmente sangrento, tampouco empresta a linguagem enganosa de Israel e a divisão egoísta dos palestinos em comunidades desconectadas, cada uma com uma reivindicação diferente e um status diferente. Para a Anistia, como foi o caso do relatório da Human Rights Watch em abril do ano passado, as injustiças israelenses contra os palestinos devem ser reconhecidas e devidamente condenadas em sua totalidade.

“Desde seu estabelecimento em 1948, Israel tem seguido uma política explícita de estabelecer e manter uma hegemonia demográfica judaica”, escreveu a Anistia, “enquanto minimiza o número de palestinos e restringe seus direitos”. Isso só poderia acontecer através de assassinatos em massa, limpeza étnica e genocídio, de Tantura ao Naqab, ao Bairro Marroquino, à Faixa de Gaza e ao Sheikh Jarrah. A vergonha israelense é longa.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments