Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Biden dos EUA autoriza venda de US$ 2,5 bilhões em armas para o Egito enquanto vídeo de tortura se espalha online

O presidente dos EUA, Joe Biden, fala durante a 90ª Reunião Anual de Inverno da Conferência de Prefeitos dos EUA em Washington, Estados Unidos, em 21 de janeiro de 2022 [Kyle Mazza/Agência Anadolu]

Biden autorizou a venda de US$ 2,5 bilhões em armas para o Egito, à medida que as violações dos direitos humanos no país saem do controle.

O anúncio vem com um vídeo divulgado online mostrando cenas de tortura dentro de uma delegacia de polícia no Cairo, confirmando o que os defensores dos direitos dizem há anos – que a tortura de prisioneiros no Egito é sistemática e generalizada.

Os detalhes do acordo de armas foram anunciados poucos dias antes de os EUA decidirem se liberarão uma parcela da ajuda militar suspensa no ano passado devido a preocupações com os direitos humanos.

Em setembro do ano passado, os EUA liberaram US$ 170 milhões em ajuda militar ao Egito e retiveram US$ 130 milhões sob a condição de que o Egito retirasse as acusações contra ativistas de direitos humanos.

Na época, os defensores dos direitos humanos disseram que esperavam uma repreensão maior com o senador Chris Murphy pedindo a Biden que retivesse todo o financiamento.

Os democratas do Comitê de Assuntos da Câmara disseram ontem que, embora o Egito tenha libertado certos prisioneiros políticos, “o governo egípcio deve cumprir integralmente as condições do governo dentro do prazo comunicado”.

LEIA: O “momento Suez” da América: Outro erro estratégico seria seu último

Os copresidentes do Congresso de Direitos Humanos do Egito, os democratas Don Beyer e Tom Malinowski, disseram, em um comunicado, ontem: “As condições de direitos humanos que o presidente Biden atribuiu à nossa ajuda ao Egito não eram um menu de múltipla escolha para o presidente Sisi escolher – eles foram feitos para serem atendidos na íntegra”.

“Se o governo egípcio escolher algumas concessões da lista do presidente, enquanto intensifica sua campanha mais ampla de repressão, detenção arbitrária e punições extrajudiciais, isso anularia o objetivo dos esforços do governo.”

“Recompensar um movimento tão cínico tornaria ainda menos provável que o Egito leve a sério nossos pedidos sobre direitos humanos ou qualquer outra questão no futuro. Como tal, o presidente Biden deve reprogramar os US$ 130 milhões retidos conforme prometido, a menos que o regime egípcio cumpra suas condições declaradas na íntegra dentro do prazo.”

No ano passado, houve indignação quando os Estados Unidos aprovaram uma venda de armas de US$ 200 milhões para o Egito, alegando que o Egito “continua a ser um importante parceiro estratégico no Oriente Médio” e deu sinal verde para as violações de direitos humanos que ocorrem dentro do país.

Biden já havia insistido que torturar, exilar ou prender familiares de ativistas era inaceitável e prometeu responsabilizar o governo egípcio por violações.

O enorme negócio de armas veio pouco depois de que policiais egípcios à paisana invadiram a casa de familiares do ex-prisioneiro político Mohamed Soltan e detiveram dois de seus primos.

Em 2015, Soltan, que disse ter sido “sujeito a mais tortura do que qualquer um deveria suportar”, foi libertado da prisão sob a alegação de que renunciou à cidadania egípcia e foi deportado para os EUA.

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEgitoEstados UnidosNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments