Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Anistia pede que Biden denuncie os abusos dos direitos humanos no Egito

O presidente dos EUA, Joe Biden, em Washington, DC, em 1° de março de 2021. [Anna Moneymaker-Pool/Getty Images]
O presidente dos EUA, Joe Biden, em Washington, DC, em 1° de março de 2021. [Anna Moneymaker-Pool/Getty Images]

O diretor de defesa do MENA da Anistia Internacional apelou ao presidente dos EUA, Joe Biden, para denunciar os direitos humanos no Egito e exigir mudanças.

“Dezenas de milhares de pessoas foram presas e detidas no Egito, e a Anistia Internacional a considerou a maior prisão ao ar livre do mundo”, disse Philippe Nassif ao Today News Africa.

O presidente Sisi liderou uma violenta repressão contra ativistas, mídia e pessoas que não se alinham com os pontos de vista do estado ou de sua religião. A opressão está no seu pior, pior do que vimos em todos os tempos modernos, incluindo tortura nas prisões e um número incontável de mortes

continuou ele.

“Nossa preocupação é que o governo dos Estados Unidos tenha continuado a vender armas ao Egito e fornecido cobertura política. Deixamos isso bem claro para o Congresso e para o governo Biden.”

Biden fez a famosa promessa de que não emitiria mais cheques em branco para o “ditador favorito” de Trump, depois que o ex-presidente americano manteve um relacionamento próximo com o ditador egípcio, apesar do fato de que os abusos aos direitos humanos aumentaram dramaticamente.

No entanto, em fevereiro, Biden foi amplamente condenado quando seu governo autorizou a venda de US$ 200 milhões em armas para o Egito.

LEIA: Egito adiciona 51 dissidentes à sua lista de acusados de terrorismos

No início dessa semana, as críticas foram renovadas depois que o presidente dos EUA manteve a imunidade do ex-primeiro-ministro egípcio Hazem Beblawi após uma ação movida pelo ex-prisioneiro político Mohamed Soltan em Washington, DC, que responsabilizou Beblawi pela tortura a que foi submetido durante sua prisão no Egito.

Recentemente, o Departamento de Justiça apresentou uma declaração formal pedindo a um tribunal federal que rejeitasse o caso de Soltan.

Os comentários de Nassif seguem o lançamento do relatório anual da Anistia Internacional sobre os direitos humanos, que documenta as violações cometidas no Egito em 2020.

As autoridades punem a dissidência pública ou percebida, diz o relatório, e detêm jornalistas em retaliação por suas opiniões críticas, incluindo sobre a forma como o governo lidou com a crise do coronavírus.

Centenas de manifestantes e transeuntes estão sendo investigados por acusações relacionadas a “terrorismo”, enquanto as garantias de um julgamento justo são regularmente desrespeitadas.

As mulheres são processadas por acusações de “moralidade” pela maneira como se vestem, e as autoridades prenderam e processaram cristãos, muçulmanos xiitas e outros por blasfêmia.

Categorias
ÁfricaAnistia InternacionalÁsia & AméricasEgitoEstados UnidosNotíciaOrganizações Internacionais
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments