Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Princesa saudita e filha são libertadas após três anos de prisão

A princesa saudita Basmah Bint Saud Bin Abdulaziz fala durante uma discussão sobre o papel das mulheres no Oriente Médio no Instituto do Oriente Médio em Washington, em 12 de abril de 2017 [Mandel Ngan/AFP via Getty Images]

As autoridades sauditas libertaram uma princesa e sua filha, que estavam detidas sem acusação há quase três anos, disse seu consultor jurídico no sábado, segundo a Reuters.

A princesa Basmah Bint Saud bin Abdulaziz Al Saud, 57, mulher de negócios, ativista de direitos humanos e membro da família real, desapareceu em março de 2019 junto com sua filha Souhoud Al Sharif.

“As duas senhoras foram libertadas de sua prisão arbitrária e chegaram a sua casa em Jeddah na quinta-feira, 6 de janeiro de 2022”, disse seu assessor jurídico Henri Estramant.

“A princesa está bem, mas buscará perícia médica”, acrescentou Estramant. “Ela parece cansada, mas está de bom humor e grata por se reunir com seus filhos em pessoa.”

O escritório de mídia do governo saudita não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. O governo nunca comentou publicamente sobre o caso.

Em 2020, a princesa Basmah disse por meio de seus canais de mídia social que estava detida na capital, Riad, por mais de um ano e estava doente.

LEIA: F1 é “obrigada” a levantar questões de direitos humanos no Golfo, diz Lewis Hamilton

A filha caçula do falecido rei Saud, a princesa Basmah, criticou o tratamento dado às mulheres pelo reino.

Ela deveria viajar para o exterior para tratamento médico na época de sua prisão, no final de fevereiro de 2019, e foi informada após sua detenção de que foi acusada de tentar falsificar um passaporte, disse um parente próximo na época.

As acusações foram retiradas posteriormente, mas ela permaneceu presa junto com sua filha, que estava com ela no momento, disse o parente.

A princesa Basmah disse em suas postagens nas redes sociais sobre sua detenção que havia sido mantida na prisão de Al-Ha’ir.

A Reuters não foi capaz de verificar de forma independente as circunstâncias de seu desaparecimento e detenção.

A Reuters também não pôde estabelecer se sua prisão estava ligada a detenções anteriores de membros da realeza saudita e cidadãos proeminentes, que fontes vincularam à consolidação do poder do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman ou à repressão a dissidentes, incluindo ativistas pelos direitos das mulheres.

Em uma petição apresentada às Nações Unidas, datada de 5 de março de 2020 e vista pela Reuters, a família da princesa sugeriu que o motivo de sua detenção pode ser seu papel “como uma crítica aberta dos abusos em nosso país de nascimento, mas também para […] inquirir sobre a fortuna congelada deixada (por) seu pai”.

Categorias
Arábia SauditaNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments