Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Segundo ONU, número de mortes de migrantes em 2021 chega a 4.400, superando ano anterior

Os migrantes continuam esperando em uma área fechada alocada pelo governo bielorrusso na fronteira entre a Polônia e a Bielo-Rússia em Grodno, Bielo-Rússia, em 28 de novembro de 2021 [Sefa Karacan/Agência Anadolu]
Os migrantes continuam esperando em uma área fechada alocada pelo governo bielorrusso na fronteira entre a Polônia e a Bielo-Rússia em Grodno, Bielo-Rússia, em 28 de novembro de 2021 [Sefa Karacan/Agência Anadolu]

Mais de 4.470 migrantes morreram globalmente em 2021, depois que dezenas foram mortos quando um caminhão lotado de passageiros bateu no México, elevando o número acima da contagem de fatalidades do ano passado, disse a Organização Internacional para as Migrações (OIM) na sexta-feira.

“A covid-19 significou uma diminuição sem precedentes na mobilidade humana, mas o Projeto de Migrantes Desaparecidos ainda documenta mortes quase todos os dias”, disse Frank Laczko, diretor do Centro de Análise de Dados de Migração Global da OIM, em um comunicado divulgado pela Agência Anadolu.

Globalmente, o número de mortes neste ano já é superior às 4.236 registradas em 2020, disse a OIM.

Mais de 45.400 mortes e desaparecimentos foram registrados desde 2014, disse o Projeto de Migrantes Desaparecidos da OIM, tornando este um ano especialmente mortal para as Américas e a Europa.

LEIA: União Europeia anuncia US$ 367 milhões em fundos extras para apoiar refugiados na Turquia

Considerando que os incidentes fatais costumam ser registrados semanas ou meses depois, o número final de vítimas em 2021 provavelmente será muito maior e ocorreu apesar dos repetidos apelos por ações concretas para reduzir a “trágica perda de vidas durante as viagens de migração em todo o mundo a cada ano”.

A OIM disse que pelo menos 54 migrantes morreram no acidente de caminhão na quinta-feira em Chiapas – o único incidente mais mortal para migrantes no México desde pelo menos 2014, quando a OIM começou a documentar mortes.

Cerca de 651 pessoas morreram este ano, tentando cruzar a fronteira do México com os Estados Unidos, mais do que em qualquer ano desde 2014.

“Este aumento é especialmente preocupante, porque a maioria dos dados para essa região de fronteira são divulgados somente após o fim do ano”, disse a OIM.

Mais mortes

Nas Américas, 1.121 mortes foram registradas este ano – incluindo essa última tragédia -, também mais do que em outros anos.

Mortes foram registradas na América do Sul mais do que nunca, com 64 de 137 mortes envolvendo cidadãos venezuelanos.

Nas rotas de migração para dentro da Europa, as 2.720 mortes registradas tornam este o ano mais mortal na região desde 2018.

A travessia do Mediterrâneo Central já custou pelo menos 1.315 vidas até agora em 2021, disse a agência da ONU.

Pelo menos 937 pessoas morreram na rota do Atlântico para as Ilhas Canárias espanholas – mais do que em qualquer ano anterior em pelo menos uma década.

LEIA: Papa denuncia retrocesso da democracia, descreve crise dos refugiados como ‘hedionda Odisseia moderna’

“Os barcos muitas vezes desaparecem sem deixar rastros: naufrágios invisíveis podem ser responsáveis por centenas de vidas perdidas, além das mortes registradas nesta rota”, disse a OIM.

A fronteira terrestre entre a Turquia e a Grécia também registrou um aumento no número de mortes em 2021, com pelo menos 41 vidas perdidas, mais do que em qualquer ano, exceto 2018, quando 59 foram registradas.

Nas fronteiras da Bielo-Rússia com a União Europeia, houve 21 mortes relatadas em 2021, embora nenhum dado oficial esteja disponível, disse a OIM.

Na travessia entre o Chifre da África e o Iêmen, pelo menos 98 mortes foram registradas, contra 40 em 2020, embora as mortes nessa rota sejam extremamente difíceis de documentar, disse a agência da ONU.

Categorias
BielorrússiaEuropa & RússiaGréciaNotíciaOIMOrganizações InternacionaisPolôniaTurquiaUE
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments