Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Uma visita virtual à Tabaneh na Área C, onde palestinos viajam 4 horas por cuidados de saúde

O acesso a cuidados médicos está se tornando quase impossível para os palestinos que vivem em aldeias ao redor de Jerusalém Oriental

Antes da construção do Muro de Separação ao redor de Jerusalém Oriental, era fácil para os residentes da vila de Tabaneh na Cisjordânia chegarem ao Hospital Makassed em Jerusalém Oriental. Agora eles devem ir para Jericó e um simples check-up pode durar o dia todo.

Por causa do esforço envolvido, as mulheres grávidas costumam passar os nove meses inteiros sem ver um médico, disse Maha Jalayta a um grupo de jornalistas por transmissão ao vivo da própria aldeia. É por razões como essas que a Assistência Médica para Palestinos (MAP) afirma que a fragmentação do povo palestino e a discriminação sistemática impediram o desenvolvimento de um sistema de saúde palestino e seu direito à saúde e dignidade.

Maha foi um dos quatro membros da comunidade que se juntaram a uma delegação da mídia virtual ontem, organizada pelo MAP, para explicar aos jornalistas como suas vidas foram afetadas pela expansão dos assentamentos, discriminação e ocupação.

Entrevistas ao vivo com os palestrantes foram cortadas com imagens de drones da vila, uma extensa área montanhosa com um aglomerado de casas com telhados de zinco em torno das quais gado pastava.

LEIA: A permanente tentativa de “normalização” do Apartheid na Palestina Ocupada

A diretora do MAP Cisjordânia, Aisha Mansour, disse que embora a aldeia Tabaneh pareça remota – há uma fonte de água para cinco comunidades beduínas – ela é cercada por assentamentos que têm acesso a serviços, incluindo uma enorme rede elétrica que os residentes da aldeia não podem usar .

A aldeia de Tabaneh fica perto de Khan Al-Ahmar na Área C da Cisjordânia, que está totalmente sob o controle civil e militar de Israel. Enquanto 300.000 palestinos vivem em 532 áreas residenciais, pouco mais de 400.000 israelenses vivem em 230 assentamentos ilegais.

A comunidade beduína de Tabaneh está atualmente localizada entre dois desses assentamentos, mas a situação parece que vai piorar. A delegação virtual veio logo após Israel apresentar planos para construir mais de 1.300 casas para colonos na Área C, embora a ONU diga que a expansão planejada “atropela” os direitos humanos.

Questionado sobre qual é sua relação com os colonos próximos, Abu Raed, que é de uma comunidade vizinha, respondeu que não há relacionamento: “Eles procuram atacar os beduínos e evacuá-los para viver em suas casas, então como posso ter um relacionamento com uma pessoa que quer me evacuar de minha própria terra? ”

“A saúde é a coisa mais importante da vida”, acrescentou ele posteriormente. “Vivemos a dez quilômetros do arame farpado e não temos acesso às clínicas deles. Os colonos são os piores vizinhos”.

Abu Raed diz que crianças de seis anos precisam caminhar três quilômetros para chegar à escola mais próxima, e mesmo esta sob ameaça de demolição.

Com tanta dificuldade em viajar para fora da área local, uma clínica de saúde móvel administrada pela Sociedade de Socorro Palestina é uma tábua de salvação vital para 17 comunidades beduínas locais. Certa vez, quando a clínica estava passando pela área, um grupo de mulheres sinalizou para que o carro parasse, lembra o Dr. Aseel. Um de seus amigos desmaiou.

Como todos os homens estavam trabalhando, eles não puderam levar sua amiga para receber atendimento de urgência e, em vez disso, a clínica deu os primeiros socorros e a encaminhou ao hospital mais próximo.

Há outras histórias de sucesso – a clínica móvel visitava uma mulher diabética todas as semanas para ensiná-la e à sua família como usar a medicação – embora isso seja importante, as clínicas são limitadas, acrescenta Aisha. “Todos merecem acesso a cuidados de saúde regulares.”

LEIA: Israel emite 13 ordens de demolição e interrupção de obras na Cisjordânia ocupada

Aseel diz que é a localização geográfica da aldeia que é o principal desafio – as estradas que conduzem a ela estão danificadas e não foram pavimentadas e, com a aproximação do inverno, as chuvas fortes tornarão o acesso ainda mais difícil. Soma-se a isso o fato de os médicos terem sido agredidos por colonos, o que torna seu trabalho ainda mais perigoso.

Abu Qasem, outro morador da aldeia Tabaneh, diz que os problemas que eles enfrentam não estão apenas relacionados à saúde. As restrições ficaram mais rígidas nos últimos anos, por exemplo, eles frequentemente recebem mapas de suas propriedades e são acusados ​​de construir ilegalmente.

“Às vezes, eles vinham no mesmo dia e destruíam todo o lugar. E, claro, você teria que pagar as despesas da demolição.”

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments