Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel diz que manterá Golan como destino de Assad, visão dos EUA muda

Soldados israelenses podem ser vistos nas Colinas de Golan anexadas a Israel, em 1º de setembro de 2020 [Jalaa Marey/AFP/Getty Images]
Soldados israelenses podem ser vistos nas Colinas de Golan anexadas a Israel, em 1º de setembro de 2020 [Jalaa Marey/AFP/Getty Images]

Conforme relatado pela Reuters, Israel manterá as Colinas de Golan que tomou da Síria em uma guerra de 1967, mesmo se as opiniões internacionais sobre Damasco mudarem, disse o primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, na segunda-feira.

Em 2019, o então presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, rompeu com outras potências mundiais ao reconhecer Israel como soberano nas Colinas de Golan, que foi anexado em 1981, em um movimento não reconhecido internacionalmente.

EUA vão reconhecer a soberania de Israel sobre Golan [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

EUA vão reconhecer a soberania de Israel sobre Golan [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Os comentários de Bennett ocorreram no momento em que a atual administração dos Estados Unidos se limita ao status legal do Golan e alguns estados árabes aliados dos Estados Unidos diminuem sua rejeição ao presidente sírio, Bashar al-Assad, por sua forma de lidar com uma guerra civil que já dura uma década.

Em uma conferência sobre o futuro do Golã, Bennett disse que o conflito interno na Síria “persuadiu muitos no mundo de que talvez seja preferível que esse belo e estratégico território esteja nas mãos do Estado de Israel.

“Mas mesmo em uma situação na qual – como poderia acontecer – o mundo muda de rumo em relação à Síria, ou em relação a Assad, isso não tem relação com as Colinas de Golan”, disse ele no fórum organizado pelo jornal conservador Makor Rishon.

“As colinas de Golan são israelenses, ponto final.”

Em seu discurso, Bennett prometeu dobrar o tamanho da população israelense no Golã, que em cerca de 20.000, é atualmente quase igual à de uma comunidade drusa árabe que muitas vezes professa lealdade à Síria.

LEIA: Mossad sequestrou general sírio para descobrir a localização de Ron Arad, diz relatório

Uma fonte oficial do Ministério das Relações Exteriores da Síria condenou os comentários de Bennett sobre o acordo.

“Tais declarações e políticas agressivas não mudarão a verdade eterna de que Golan foi e continuará sendo árabe e sírio e que retornará à pátria mais cedo ou mais tarde”, disse a fonte.

Sólido poder de Assad

A extensão da presidência de Assad de duas décadas em uma eleição de maio pouco contribuiu para quebrar seu status de pária no Ocidente, mas outros líderes árabes estão aceitando o fato de que ele mantém um sólido controle do poder.

Considerações geopolíticas que contribuem para seu recálculo incluem apelos do apoiador de Assad, a Rússia, pela reintegração da Síria, a abordagem regional mais independente de Washington e as esperanças árabes de combater a influência iraniana e turca em Damasco.

Embora não tenha mudado a política, a administração do presidente Joe Biden foi cautelosa na questão de Golan. Questionado em uma entrevista em fevereiro se Washington continuaria a considerar a área parte de Israel, o secretário de Estado, Antony Blinken, sinalizou abertura para uma eventual revisão da política em um território que a maioria dos países considera estar sob ocupação.

LEIA: Mentiras e medos no discurso do premier de Israel na ONU

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIsraelNotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments